Condessa de Ségur

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A Condessa de Ségur.

Sophie Feodorovna Rostopchine, a Condessa de Ségur (São Petersburgo, 1 de agosto de 1799Paris, 9 de fevereiro de 1874) foi uma escritora russa, largamente conhecida no século XIX, como autora de obras-primas de literatura infantil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Sua família era originária da Mongólia. O pai, Fiodor Vassilievitch Rostopchine era comandante-geral e, depois, Ministros das Relações Exteriores da Rússia. Em 1812 era prefeito de Moscovo durante a invasão do exército francês sob o comando de Napoleão Bonaparte. Enquanto os historiadores discutem a autoria da ideia de atear fogo à cidade, ao seu pai é atribuída a ideia de deixar a cidade arrasada para evitar sua conquista, apesar da oposição dos ricos proprietários. O incêndio e a "terra arrasada" - estratégias de defesa que minaram o exército invasor, forçaram Napoleão a uma retirada desastrosa.

Em 1814 a família Rostopchine foi forçada a partir para o exílio, primeiro dirigindo-se ao ducado de Varsóvia, depois para a Confederação Alemã e península italiana e, finalmente, em 1817, para a França, durante a Restauração dos Bourbon. Ali seu pai estabeleceu um salão, e tanto sua esposa como a filha se converteram ao Catolicismo Romano.

Foi no salão paterno que Sophie conheceu o Conde Eugène Ségur, com quem se casou a 14 de julho de 1819. Foi um matrimônio em grande parte infeliz: seu esposo era ausente, descuidado, além de pobre (até ter se tornado um dos Pares de França, em 1830), e suas visitas ao castelo onde morava a esposa eram bastante inconstantes, em Nouettes (próximo a L'Aigle, no Orne). A despeito disso, renderam-lhe oito filhos - a ponto de o conde referir-se à esposa como "la mère Gigogne" (ou: "a mãe Matrioska"), numa referência às bonecas de madeira típicas da Rússia, onde uma figura esconde outra em seu interior, e assim sucessivamente.

A Condessa de Ségur escreveu seu primeiro conto com a idade de 58 anos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Criadora de personagens eternos para o imaginário infantil, suas principais obras são "Sofia, A Desastrada" (ou, no Brasil, "Os Desastres de Sofia"), "Meninas Exemplares" e "As Férias", em que desenvolvem-se os personagens-mirins Sofia, Paulo, Camila e Madalena, além de "Memórias de um Burro". Os títulos originais de suas obras, foram:

  • 1856 - Nouveaux Contes de fées inclui Histoire de Blondine, de Bonne-Biche et de Beau-Minon, Le Bon Petit Henri, La Petite Souris grise et Ourson.
  • 1857 - Les Petites Filles modèles (As Meninas Exemplares)
  • 1858 - Les Malheurs de Sophie (Os Desastres De Sofia)
  • 1859 - Les vacances (As férias)
  • 1860 - Les Mémoires d'un âne (Memórias De Um Burro)
  • 1861 - Pauvre Blaise
  • 1862 - La sœur de Gribouille (A Irmã do Inocente)
  • 1862 - Les Bons Enfants
  • 1863 - Les Deux Nigauds
  • 1863 - L'auberge de l'ange gardien (A Casa do Anjo da Guarda ou O Albergue do Anjo da Guarda)
  • 1863 - Le Général Dourakine (O general Dourakine)
  • 1864 - François le bossu
  • 1865 - Un bon petit diable (Um Bom Diabrete)
  • 1865 - Jean qui grogne et Jean qui rit (João que chora e João que ri)
  • 1866 - Comédies et proverbes: inclui Les Caprices de Gizelle, Le Dîner de Mademoiselle Justine, On ne prend pas les mouches avec du vinaigre, Le Forçat, ou à tout péché miséricorde et Le Petit De Crac
  • 1866 - La Fortune de Gaspard (A Fortuna De Gaspar)
  • 1867 - Quel amour d'enfant ! (A Menina Insuportável)
  • 1867 - Le Mauvais Génie (O Génio Do Mal)
  • 1868 - Diloy le chemineau (O Caminheiro)
  • 1871 - Après la pluie, le beau temps