Desenho técnico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Desenho de portas e janelas segundo as convenções do desenho técnico

O desenho técnico é um ramo especializado do desenho, caracterizado pela sua normalização e pela apropriação que faz dos seguintes conteúdos:[1]

  • Geometria Descritiva: vistas ortogonais, cortes, seções, determinação de distâncias, áreas e planificação de sólidos.
  • Perspectivas: métodos ilustrativos de representação do espaço e de objetos[2]
  • Perspectiva isométrica: método de representação paralela que se desenvolve a 30º, cujas medidas dos eixos principais permanecem inalteradas.
  • Perspectiva cavaleira: método paralelo mais comumente representado a 15, 30, 45 e 60 graus, que adota reduções para as diagonais da profundidade.
  • Perspectiva do arquiteto: método com dois pontos de fuga.[3]

Tal forma de representação gráfica é utilizada como base do projeto na arquitetura, no design e na engenharia. O desenho técnico, é a ferramenta necessária para a interpretação e representação de um projeto, por ser o meio de comunicação entre a equipe de criação e a de fabricação (ou de construção); nesse contexto ele pode ser interpretado como a linguagem gráfica que representa as formas, dimensões e posicionamento de objetos e suas relações com o meio.[5]

Escalas[editar | editar código-fonte]

As escalas são utilizadas para ampliar ou reduzir o objeto projetado, de acordo com a precisão desejada. As escalas são trabalhadas da seguinte forma:[6]

  • Escala de tamanho natural:
1:1
  • Escala de ampliação:
2:1
5:1
10:1

Assim tem-se: 20:1, 50:1, 100:1, após a multiplicação por 10.

  • Escala de redução:
1:2
1:5
1:10

Assim tem-se: 1:20, 1:50, 1:100, após a divisão por 10.

Vistas ortográficas[editar | editar código-fonte]

Vistas ortográficas ou vistas ortogonais são as projeções de um objeto a partir de observadores, perpendiculares ao plano de projeção, situados no infinito. Quanto à disposição das vistas, existem dois modelos de representação: pelo método europeu (ou do primeiro diedro) e pelo método americano (ou do terceiro diedro).

Formato dos papéis[editar | editar código-fonte]

Papéis especiais do desenho técnico

Usualmente são utilizados papéis especiais de dimensionamentos normalizados para a confecção do desenho, entre eles os mais usados são os da séries A que tem suas medidas em milímetros, nas dimensões:

A0 - 841 x 1189 = 999949 milímetros²

A1 - 594 x 841 = 499554 milímetros²

A2 - 420 x 594 = 249480 milímetros²

A3 - 297 x 420 = 124740 milímetros²

A4 - 210 x 297 = 62370 milímetros²

A5 - 148 x 210 = 31080 milímetros²

(sendo milímetros² uma unidade de medida de área usada pelas normas técnicas internacionais.)

No seu contexto mais geral, o Desenho Técnico engloba um conjunto de metodologias e procedimentos necessários para o desenvolvimento e comunicação entre projetos, conceitos e ideias e, no seu contexto mais restrito, refere-se às especificações técnicas de produtos e sistemas.

Desenho ajudado por computador - CAD[editar | editar código-fonte]

Não é de se estranhar que com o desenvolvimento da computação gráfica e dos sistemas de informação os processos e métodos de representação gráfica, utilizados pelo Desenho Técnico no contexto industrial, tenham também mudado profundamente. Passou-se rapidamente da régua T e do esquadro às máquinas de desenhar, aos programas comerciais de desenho 2D assistido por computador (CAD) e mais recentemente a uma tendência para a utilização generalizada de sistemas de modelação geométrica 3D (CAM), com o advento da tecnologia (BIM) (Building Information Modeling.)

Nestas circunstâncias, na organização do ensino e na elaboração de textos de apoio na área de Desenho Técnico põem-se particulares desafios na forma de conciliar, por um lado, o desenvolvimento de capacidades de expressão e representação gráfica e a sua utilização em atividades criativas e, por outro lado, a aquisição de conhecimentos de natureza tecnológica na área do Desenho Técnico.

No primeiro caso procura-se o desenvolvimento do pensamento criativo e de capacidades de visualização espacial, de transmitir ideias, formas e conceitos através de gráficos, ainda executados à mão livre. Esta capacidade constitui uma qualificação de reconhecida importância no exercício da atividade profissional do engenheiro.

No segundo caso trata-se do uso das técnicas emergentes de representação geométrica associadas aos temas mais clássicos da descrição técnica de produtos e sistemas e suportadas num corpo estabilizado de normalização técnica internacionalmente aceita. A produção de desenhos de detalhe e de fabrico, incluindo as práticas clássicas de projeções, cortes, dimensionamento, tolerância e anotações diversas, é ainda uma atividade imprescindível na confecção da documentação técnica e constituem, em muitos casos, o suporte legal e comercial nas relações com fornecedores e construtores.

Importa reconhecer aqui as enormes potencialidades das tecnologias de modelação geométrica atualmente disponíveis em diversos programas comerciais. Protótipos virtuais são facilmente construídos e visualizados. As estruturas de dados associadas a estes modelos geométricos são facilmente convertidas para outras aplicações de engenharia e os projetos desenvolvidos podem ser verificados em termos de folgas, interferências e atravancamentos em situações de movimento relativo entre componentes e analisados do ponto de vista estrutural, escoamento de fluidos e transferência de calor.

Modalidades[editar | editar código-fonte]

Para cada área da tecnologia existe uma especialização diferente do desenho técnico, normalmente envolvendo normatização específica. Alguns exemplos são os que seguem:

Referências

  1. French & Vierck. Desenho Técnico. [S.l.]: Globo, 1988. 16-22 p. ISBN 8525007331
  2. Machado, Ardevan - Geometria Descritiva. São Paulo: Ed. Atual, 1985.
  3. Capozzi, Delton. Desenho Técnico Vol. 2. Universitária, São Paulo, 2006, p. 79-80.
  4. [1], Curve Continuity, acessado em 10-07-2011.
  5. Pastana, Carlos Eduardo Troccoli. Desenho Técnico. Unimar, Marília, 2006, p. 13.
  6. Associapção Brasileira de Normas Técnicas. NBR 8196: Desenho Técnico: emprego de escalas. [S.l.: s.n.], 1999.


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikiversidade Cursos na Wikiversidade