FLEX

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


FLEX
Produção Technical Systems Consultants
Modelo Proprietário
Lançamento 1976
Versão estável 2.0
13.12A (UniFLEX)
Núcleo Monolítico

FLEX é um sistema operativo (no Brasil, sistema operacional) monotarefa, desenvolvido em 1976 pela TSC (Technical Systems Consultants), de West Lafayette (Indiana/EUA), para computadores baseados no microprocessador Motorola 6800[1] .

A versão original era disponibilizada em disquetes de 8" e a versão menor, em disquetes de 5,25", denominada Mini-Flex. Posteriormente, o Mini-Flex foi portado para computadores baseados no Motorola 6809, recebendo esta nova versão o nome de Flex9[2] . A última geração do TSC FLEX foi o UniFLex, sistema este multitarefa, semelhante ao Unix e que exigia controladoras de disco DMA de 8". Em razão disso - e não obstante diversas linguagens de programação terem sido portadas para o UniFlex -, este não foi um sucesso de vendas.

Todas as versões eram baseadas em texto e projetadas para uso em dispositivos que variavam desde terminais de impressão (como o teletipo Model 33 ASR) até terminais inteligentes. Embora o sistema operativo da TSC não suportasse telas gráficas, alguns fabricantes de hardware disponibilizavam dispositivos de apontamento e gráficos elementares.

Como sistema operativo de disco, usava setores de 256 bytes mediante setorização por software. A estrutura do disco empregava bytes de ligação em cada setor para indicar o próximo setor em um arquivo ou lista de setores livres. Como resultado, a estrutura do diretório era bastante simplificada. Uma outra versão de Flex, chamada "Smoke Signal DOS", desenvolvida pela TSC especialmente para o fabricante de hardware Smoke Signal Broadcasting, empregava bytes de ligação para setores anteriores e posteriores, aumentando a confiabilidade do disco à custa de velocidade e compatibilidade.

A TSC, bem como outras empresas, forneciam diversas linguagens de programação para executar sob Flex, inclusive BASIC em duas versões (básico e estendido) e uma versão "tokenizada" do BASIC Estendido, chamada "BASIC Pré-Compilado", além de Forth, C, Fortran e Pascal.

No início da década de 1980, o Flex foi oferecido pela empresa britânica Compusense Ltd. como um sistema operativo para os computadores Dragon 32 e Dragon 64 da Dragon Data, equipamentos quase que 100% compatíveis com a linha TRS-80 Color Computer.

Atualmente, é possível encontrar alguns emuladores de Flex, entre eles:

  • Flexem Eurocom II (disponível para Linux, Windows 95, Windows 98, Windows NT e Windows 2000)
  • SWTPC 6800/6809 FLEX (disponível para Windows 95)
  • ReFlex (disponível para Windows 95 e Amiga)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]