Factoide

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Um factoide (nova grafia, pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa) é uma declaração ( falsa, não verificada, ou fabricada) questionável ou espúria apresentada como fato, mas sem provas. O termo também pode ser utilizado para descrever um fato especialmente insignificante ou novo, na ausência de contexto muito relevante.1 O termo é definido pelo Compact Oxford English Dictionary como "um item de informação não confiável que é repetido tantas vezes que se torna aceito como fato".2

Origem[editar | editar código-fonte]

A palavra factoide (do inglês factoid) foi cunhada por Norman Mailer em sua biografia de 1973 sobre a atriz Marilyn Monroe. Mailer descreveu um factoide como "fatos que não tinham existência antes de aparecer em uma revista ou jornal",3 4 e criou a palavra, combinando a palavra fato]] e o sufixo oide que significa "semelhante, mas não o mesmo". O Washington Times descreveu a nova palavra de Mailer como "algo que se parece com um fato, pode ser um fato, mas na verdade não é um fato."5

Exemplos[editar | editar código-fonte]

A Grande Muralha da China não pode ser vista a olho nu a partir da Lua.6
  • A Grande Muralha da China é muitas vezes considerada como sendo o único objeto feito pelo homem visível da Lua.7 Na realidade, nenhum objeto feito pelo homem na Terra pode ser visto a olho nu a partir da Lua da Terra. Dadas boas circunstâncias pode-se ser capaz de discernir o resultado de alguma atividade humana, como a modificação da costa da Holanda, ou a secagem parcial do Mar de Aral, mas mesmo isso não seria fácil. Alguns astronautas relataram ter visto a Grande Muralha a partir da órbita baixa da Terra, entre uma série de estruturas feitas pelo homem. Na realidade, um espectador precisaria de acuidade visual 17.000 vezes melhor do que a normal (20/20) para ver a muralha da Lua, e uma visão oito vezes melhor do que o normal para vê-la de órbita baixa da Terra.6
  • Cães e gatos são muitas vezes pensados ser daltônicos e ver o mundo em escalas de cinza. Isso está errado. Eles têm a visão de cores, dicromata,mas não tnato quando a visão humana que é tricromata, isto é, luz vermelha, verde e azul.8 9

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Política brasileira[editar | editar código-fonte]

A palavra "factoide" foi usada na política brasileira em 1995, pelo então prefeiro do Rio de Janeiro César Maia em uma entrevista onde respondeu que "está careca de inventar factoides".10 Na reportagem ele explica:

Como sair nos jornais com grande destaque? É muito simples. Basta que eu elabore com uma imagem muito nítida. Fatos que tenham conteúdo não têm a menor importância. Lanço factóides no realismo delirante. (...) [factoides] são ideias que você arremessa como certa base de realidade, embora sem grandes possibilidades de ser realizadas, diferente do simples delírio, que é pura fantasia.11


Referências

  1. Steve Wright's Book of Factoids. [S.l.]: Harper, 2006. ISBN 978-0-00-724029-6 As read on his hit BBC Radio show "Steve Wright in the Afternoon".
  2. Elizabeth Jewell. The Pocket Oxford Dictionary and Thesaurus. Oxford University Press; ISBN 978-0-19-530715-3. p. 284.
  3. Mailer, Norman. Marilyn: A Biography. [S.l.]: Grosset & Dunlap, 1973. ISBN 0-448-01029-1
  4. "Um factoide é um fato que não tinha existência na terra além do que apareceu nos jornais(...)", Michael Lennon. Conversations with Norman Mailer. Univ. Press of Mississippi; 1988. ISBN 978-0-87805-352-0. p. 194.
  5. Pruden, Wesley. "Ah, there's joy in Mudville's precincts", The Washington Times, 23 de janeiro de 2007. Página visitada em 24 February 2012.
  6. a b Norberto López-Gil. . "Is it Really Possible to See the Great Wall of China from Space with a Naked Eye?". Journal of Optometry 1 (1): 3–4. DOI:10.3921/joptom.2008.3.
  7. "ùnico vestígio humano que pode ser avistado da Lua e dos planetas próximos da Terra.(...)", Jayme Copstein. Notas Curiosas da Espécie Humana. Editora AGE Ltda; ISBN 978-85-85627-47-8. p. 45.
  8. Cecil Adams, "Are cats and dogs really color-blind? How do they know?" May 1, 1987, The Straight Dope website. Accessed November 22, 2010.
  9. Paulette Clancy, "Cats, dogs can see some color: Are cats and dogs color blind? Do cats' eyes glow in the dark?" Ask A Scientist! October 22, 1998. Found at Cornell University website. Accessed November 22, 2010.
  10. Saïd Farhat. Dicionário parlamentar e político: o processo político e legislativo no Brasil. Editora Peirópolis; 1996. ISBN 978-85-06-02295-5. p. 419.
  11. Revista VEJA, Alfredo Ribeiro, Governar é lançar factóides, p.77, Edição 1389, 26 de abril de 1995