Factoide

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Um factoide (nova grafia, pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa) é uma declaração ( falsa, não verificada, ou fabricada) questionável ou espúria apresentada como fato, mas sem provas. O termo também pode ser utilizado para descrever um fato especialmente insignificante ou novo, na ausência de contexto muito relevante.[1] O termo é definido pelo Compact Oxford English Dictionary como "um item de informação não confiável que é repetido tantas vezes que se torna aceito como fato".[2]

Origem[editar | editar código-fonte]

A palavra factoide (do inglês factoid) foi cunhada por Norman Mailer em sua biografia de 1973 sobre a atriz Marilyn Monroe. Mailer descreveu um factoide como "fatos que não tinham existência antes de aparecer em uma revista ou jornal",[3] [4] e criou a palavra, combinando a palavra fato]] e o sufixo oide que significa "semelhante, mas não o mesmo". O Washington Times descreveu a nova palavra de Mailer como "algo que se parece com um fato, pode ser um fato, mas na verdade não é um fato."[5]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

A Grande Muralha da China não pode ser vista a olho nu a partir da Lua.[6]
  • A Grande Muralha da China é muitas vezes considerada como sendo o único objeto feito pelo homem visível da Lua.[7] Na realidade, nenhum objeto feito pelo homem na Terra pode ser visto a olho nu a partir da Lua da Terra. Dadas boas circunstâncias pode-se ser capaz de discernir o resultado de alguma atividade humana, como a modificação da costa da Holanda, ou a secagem parcial do Mar de Aral, mas mesmo isso não seria fácil. Alguns astronautas relataram ter visto a Grande Muralha a partir da órbita baixa da Terra, entre uma série de estruturas feitas pelo homem. Na realidade, um espectador precisaria de acuidade visual 17.000 vezes melhor do que a normal (20/20) para ver a muralha da Lua, e uma visão oito vezes melhor do que o normal para vê-la de órbita baixa da Terra.[6]
  • Cães e gatos são muitas vezes pensados ser daltônicos e ver o mundo em escalas de cinza. Isso está errado. Eles têm a visão de cores, dicromata, mas não tanto quando a visão humana que é tricromata, isto é, luz vermelha, verde e azul.[8] [9]

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Política brasileira[editar | editar código-fonte]

A palavra "factoide" foi usada na política brasileira em 1995, pelo então prefeiro do Rio de Janeiro César Maia em uma entrevista onde respondeu que "está careca de inventar factoides".[10] Na reportagem ele explica:

Como sair nos jornais com grande destaque? É muito simples. Basta que eu elabore com uma imagem muito nítida. Fatos que tenham conteúdo não têm a menor importância. Lanço factóides no realismo delirante. (...) [factoides] são ideias que você arremessa como certa base de realidade, embora sem grandes possibilidades de ser realizadas, diferente do simples delírio, que é pura fantasia.[11]


Referências

  1. Steve Wright's Book of Factoids. [S.l.]: Harper, 2006. ISBN 978-0-00-724029-6 As read on his hit BBC Radio show "Steve Wright in the Afternoon".
  2. Elizabeth Jewell. The Pocket Oxford Dictionary and Thesaurus. Oxford University Press; ISBN 978-0-19-530715-3. p. 284.
  3. Mailer, Norman. Marilyn: A Biography. [S.l.]: Grosset & Dunlap, 1973. ISBN 0-448-01029-1
  4. "Um factoide é um fato que não tinha existência na terra além do que apareceu nos jornais(...)", Michael Lennon. Conversations with Norman Mailer. Univ. Press of Mississippi; 1988. ISBN 978-0-87805-352-0. p. 194.
  5. Pruden, Wesley. "Ah, there's joy in Mudville's precincts", The Washington Times, 23 de janeiro de 2007. Página visitada em 24 February 2012.
  6. a b López-Gil, Norberto. (jul 2008). "Is it Really Possible to See the Great Wall of China from Space with a Naked Eye?". Journal of Optometry 1 (1): 3-4. Elsevier.
  7. "ùnico vestígio humano que pode ser avistado da Lua e dos planetas próximos da Terra.(...)", Jayme Copstein. Notas Curiosas da Espécie Humana. Editora AGE Ltda; ISBN 978-85-85627-47-8. p. 45.
  8. Cecil Adams, "Are cats and dogs really color-blind? How do they know?" May 1, 1987, The Straight Dope website. Accessed November 22, 2010.
  9. Paulette Clancy, "Cats, dogs can see some color: Are cats and dogs color blind? Do cats' eyes glow in the dark?" Ask A Scientist! October 22, 1998. Found at Cornell University website. Accessed November 22, 2010.
  10. Saïd Farhat. Dicionário parlamentar e político: o processo político e legislativo no Brasil. Editora Peirópolis; 1996. ISBN 978-85-06-02295-5. p. 419.
  11. Revista VEJA, Alfredo Ribeiro, Governar é lançar factóides, p.77, Edição 1389, 26 de abril de 1995