Gerontocracia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

(Do grego geron, o mais velho). O mesmo que governo dos mais velhos, dos senadores de um conselho de anciãos. De acordo com a perspectiva weberiana, é uma forma de tradicionalismo, sem qualquer espécie de direcção administrativa. Baseia-se na crença de que os mais velhos conhecem melhor a tradição sagrada. A gerontocracia é uma forma de poder oligárquico em que uma organização é governada por líderes que são significativamente mais velhos do que a maior parte da população adulta. Por vezes, aqueles que detêm o poder não ocupam formalmente as posições de liderança, mas dominam quem as ocupa.

A força da gerontocracia é a estabilidade, apropriada para organizações baseadas em princípios que não variam com o tempo. Nas organizações que têm de lidar com mudanças rápidas, a gerontocracia pode, contudo, representar um entrave para uma liderança eficaz.

Segundo David Priestland, em seu livro "Uma Nova História do Poder - Comerciante, Guerreiro, Sábio", o regime soviético, em determinado período, pode ser considerado um sistema gerontocrático. Não, obviamente, no sentido aplicado à Antiguidade, mas, isso sim, num sentido mais moderno[1]

Ícone de esboço Este artigo sobre política é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Priestland, David. Uma Nova História do Poder - Comerciante, Guerreiro Sábio. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014. p. 201.