Hamoud bin Mohammed de Zanzibar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hamoud bin Mohammed.

Sayyid Sir Hamoud bin Mohammed Al-Said, GCSI, (nascido em 1853-18 de julho de 1902) (governou 27 de agosto de 1896-18 de julho de 1902) (em árabe: حمود بن محمد) foi o sultão de Omã do protetorado britânico de Zanzibar, que baniu a escravidão na ilha.[1]

Hamoud tornou-se sultão com o apoio do cônsul britânico, Sir Basil Cave, após a morte de Hamad bin Thuwaini. Antes que ele pudesse entrar no palácio, outro potencial candidato ao trono, Khalid bin Barghash, tomou o palácio e se declarou sultão, o que resultou na Guerra Anglo-Zanzibari.

Hamoud concordou com as demandas britânicas para que a escravidão fosse banida em Zanzibar e que todos os escravos fossem libertados. Por causa disto, foi condecorado pela Rainha Vitória e seu filho e herdeiro, Ali bin Hamud, foi levado à Inglaterra para ser educado.

Na sua morte em 1902, ele foi sucedido por seu filho mais velho, Ali bin Hamud.[1]

Títulos[editar | editar código-fonte]

[2]

Honras[editar | editar código-fonte]

[1]

Referências

Precedido por
Khalid bin Barghash
Sultão de Zanzibar
1896–1902
Sucedido por
Ali bin Hamud
Ícone de esboço Este artigo sobre a Tanzânia é um esboço relacionado ao Projeto África. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.