Herma Marksman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Herma Mercedes Marksman (Ciudad Bolívar, 19 de setembro de 1949) é professora de história e política venezuelana.

Em 1984 conheceu em Caracas o então Tenente-coronel Hugo Chávez e iniciou uma relação amorosa com este, ingressando no Movimento Bolivariano Revolucionário 200 (MBR-200), no qual encarregou-se de cuidar dos arquivos e dados históricos.

Durante o golpe militar de 4 de fevereiro de 1992, encarregou-se da parte de comunicação, feita então por telefone. Visitou Chávez durante suas prisões e seguiu realizando contatos com civís para o segundo golpe de estado, em 27 de novembro de 1992. Durante estas atividades, era conhecida como Anabella, Ligia, Comandante Pedro e Pedro Luis.

Terminou sua relação com Chávez em 28 de julho de 1993 abandonando o movimento, alegando estar decepcionada. Guardou todos os documentos MBR-200 com os quais tem escrito artigos e participado de entrevistas sobre o tempo que viveu na clandestinidade.

Vive em Caracas e está afastada da política, embora constantemente participe de entrevistas opondo-se ao governo de Chávez.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Chavez me utilizó, entrevista à Herma Marksman com Agustín Blanco Muñoz, Fundación Catedra "Pío Tamayo", 2004


http://www.boardsnet.com/chavez_me_utilizo.htm

  • El otro Chavez, entrevista à Herma Marksman por Alberto Garrido, março de 2002.