Hipermídia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O conceito hipermídia (português brasileiro) ou hipermédia (português europeu), juntamente com hipertexto, foi criado na década de 1960 pelo filósofo e sociólogo estadunidense Ted Nelson.[1] Pioneiro na tecnologia da informação desenvolveu o conceito a partir da sua experiência pessoal. Ted Nelson foi o primeiro a vislumbrar o impacto da máquina computacional nas humanidades e também a relacionar computação com teoria literária, antevendo os impactos que a digitalização do conhecimento traria para a humanidade.[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Hipermídia (ou Hipermédia em Portugal) é a reunião de várias mídias num ambiente computacional, suportada por sistemas eletrônicos de comunicação. Hipermídia, diferentemente de multimídia, não é a mera reunião dos meios existentes, e sim a fusão desses meios a partir de elementos não-lineares.[3]

Uma forma bastante comum de Hipermídia é o Hipertexto, no qual a informação é apresentada sob a forma de texto interativo. As informações são acessadas pelo monitor de um computador, pela tela de um smartphone, entre outras dispositivos. O usuário é capaz de ler de forma não linear, ou seja, ele escolhe entre o início, o meio ou o fim do conteúdo. Segundo Bugay, a Hipermídia pode ser considerada uma extensão do Hipertexto, entretanto, inclui, além de textos comuns, sons, animações e vídeos.[4]

Referências

  1. Ted Nelson no Brasil em 2005 no FILE Festival Internacional da Linguagem Eletrônica.
  2. AZEVEDO, Wilton & MENEZES, Philadelpho. Interpoesia. Cd-rom interativo. Fapesp-Mackenzie, 1999.
  3. BAIRON, Sérgio. Hipermídia. São Paulo Brasiliense, 2011.
  4. BUGAY, Edson Luiz; ULBRICHT, Vania Ribas. Hipermídia. Florianópolis: Bookstore, 2000.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BAIRON, Sérgio. Multimídia. São Paulo, Editora Global, 1995.
  • LANDOW, George. Teorías del Hipertexto. Madrid, Paidos, 1997.
  • LEÃO, Lucia. O Labirinto da Hipermídia. São Paulo, Iluminuras, 1999.
  • TORI, Romero. Criando multimídia. 1994.
  • MORAES, Dênis. Planeta Mídia, tendências da comunicação na era global. São Paulo: Editora Letra Livre,1998.
  • NEGROPONTE, Nicholas. A Vida Digital. São Paulo: Companhia das letras, 1995.
  • PARENTE, André. O Virtual e o Hipertextual. Rio de Janeiro: Pazulin, 1999.
  • PARENTE, André (org), Imagem-Máquina: a era das tecnologias do virtual. Rio de Janeiro: Editora 34; 1993
  • PINHO, J. B. Relações Públicas na Internet: técnicas e estratégias para informar e influenciar públicos de interesse. São Paulo: Summus, 2003.
  • PÓVOA, Marcelo. Anatomia da Internet. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2000.
  • PRIMO, Alex. Enfoques e desfoques no estudo da interação mediada por computador. Trabalho apresentado no Núcleo de Tecnologias da Informação e da Comunicação, XXVI Congresso Anual em Ciência da Comunicação, Belo Horizonte/MG, 02 a 06 de setembro de 2003.
  • RADFAHRER, Luli. Design / Web / Design 2. Rio de Janeiro: Market Press, 2001.
  • RANGEL, Ricardo. Passado e Futuro da Era da Informação. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1999.
  • SCAVETTA, S. & Lauffer, R. Texte, Hipertexte, Hipermedia. Paris, Intro, 1997.
  • SILVEIRA, S. A. Exclusão Digital: a miséria na era da informação. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2001.
  • VIEIRA, Eduardo. Os bastidores da Internet no Brasil. Barueri, SP: Manoele, 2003.
  • WERTHEIM, Margaret. Uma História do Espaço de Dante à Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.
  • WOLTON, Dominique. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre comunicação é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.