Reino da Hungria (1526–1867)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Hungria Real)
Ir para: navegação, pesquisa

Hungria Real era o nome da parte do Reino da Hungria medieval, onde os Habsburgos foram reconhecidos como reis da Hungria[1] , na sequência da vitória otomana na batalha de Mohács (1526) e da subsequente partição do país.

Outras partes do país foram divididas como o território central, que foi ocupado pelo Império Otomano (ver: Hungria otomana) e o Reino da Hungria Oriental, a leste, que mais tarde tornou-se o Principado da Transilvânia.

Reis Habsburgos[editar | editar código-fonte]

Central europe 1572.png
Hungria Real, Principado da Transilvânia e Hungria otomana a cerca de 1683.

Os Habsburgos, uma dinastia influentes do Sacro Império Romano foram eleitos reis da Hungria [2] [3] [4] e fizeram um juramento sobre a Constituição do Reino da Hungria na coroação. [carece de fontes?]. Após a conquista dos Habsburgos da Hungria otomana, o termo Hungria Real caiu em desuso. [carece de fontes?], e os imperadores dirigiram sua posse com a denominação de "Reino da Hungria." [carece de fontes?].

A Hungria Real tornou-se uma pequena parte do Império Habsburgo e gozava de pouca influência, em Viena.[5] O Rei Habsburgo controlava diretamente os assuntos financeiros, militares e estrangeiros da Hungria Real, e as tropas imperiais guardavam suas fronteiras.[5] Os Habsburgos evitavam preencher os cargos públicos com palatinos para impedir que o titular acumulasse muito poder.[5] Além disso, a chamada "questão turca" dividiu os Habsburgos e os húngaros: Viena queria manter a paz com os otomanos, os húngaros queriam os otomanos depostos. Como os húngaros reconheciam a debilidade de sua posição, muitos se tornaram anti-Habsburgos.[5] Eles reclamaram dominação estrangeira, o comportamento das guarnições estrangeiras, e do reconhecimento dos Habsburgos da soberania turca na Transilvânia. Os protestantes, que foram perseguidos na Hungria Real. [5] , consideravam a Contra-Reforma, uma ameaça maior do que os turcos, no entanto.

A rápida propagação da Reforma Protestante, e início do século XVII dificilmente as famílias nobres permaneceram católicas .[6] O Arcebispo Péter Pázmány reorganizou a Igreja Católica na Hungria Real e liderou uma Contra-Reforma, que inverteu os ganhos protestantes na Hungria Real, utilizando a persuasão, em vez da intimidação [6] . A Reforma causou divisões entre os católicos, que muitas vezes ficaram ao lado dos Habsburgos[6] , e protestantes, que desenvolveram uma forte identidade nacional e tornaram-se rebeldes nos olhos austríacos[6] . Uma separação também desenvolveu-se principalmente entre os magnatas católicos e protestantes, principalmente os nobres menores[6] .

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. "(...) the Estates of the realm have submitted themselves not only to His Majesty's, but also his heirs' power and rule for ever (...)" (Section 5 of Article V of 1547).
  2. David J. Sturdy. Fractured Europe, 1600-1721. [S.l.]: Wiley-Blackwell, 2002. 465 pp. p. 17. ISBN 0631205136, 9780631205135 Página visitada em 2009-04-12.
  3. Peter George Wallace. The long European Reformation: religion, political conflict, and the search for conformity, 1350-1750. [S.l.]: Palgrave Macmillan, 2004. 268 pp. p. 102. ISBN 0333644506, 9780333644508 Página visitada em 2009-04-12.
  4. Peter N. Stearns, William Leonard Langer. The Encyclopedia of world history: ancient, medieval, and modern, chronologically arranged. [S.l.]: Houghton Mifflin, 2001. 1243 pp. p. 309. ISBN 0395652375, 9780395652374 Página visitada em 2009-04-12.
  5. a b c d e A Country Study: Hungary: Royal Hungary United States federal government (09 1989). Página visitada em 2009.04.12..
  6. a b c d e A Country Study: Hungary: Partition of Hungary United States federal government (09 1989). Página visitada em 2009.04.12..

Este artigo contém material da Biblioteca do Congresso, que são publicações do governo dos Estados Unidos no domínio público.