Incidente de Tampico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Incidente de Tampico começou como um pequeno incidente envolvendo marinheiros dos Estados Unidos e forças mexicanas leais ao general Victoriano Huerta durante a guerra de las facciones, fase da Revolução Mexicana. O mal-entendido ocorreu em 9 de abril de 1914, mas seria totalmente sucedido pela a desagregação das relações diplomáticas entre os dois países, bem como a ocupação da cidade portuária de Veracruz por mais de seis meses.

Em meio à Revolução Mexicana, o chefe de Estado de facto Victoriano Huerta lutou para manter seu poder e o território intacto dos ataques de Emiliano Zapata no sul e o rápido avanço da oposição Constitucionalista de Venustiano Carranza ao norte. Até 26 de março de 1914, as forças de Carranza estavam a dez milhas (15 km) da cidade petrolífera de Tampico, Tamaulipas. Houve uma concentração considerável de cidadãos norte-americanos na área devido ao imenso investimento de empresas americanas na indústria de petróleo local. Vários navios de guerra norte-americanos comandados pelo contra-almirante Henry T. Mayo se instalaram na região com a expectativa de proteger os cidadãos americanos e suas propriedades.

Como Tampico estava cercada por forças constitucionalistas, as relações entre as forças dos Estados Unidos]] e guarnição federal de Huerta permaneceram amigáveis. A força naval americana, limitada a uma única canhoneira modesta, o USS Dolphin, devido às restrições de navegação da entrada do porto raso, apresentou uma salva de tiros três vezes com a bandeira mexicana em 2 de abril de 1914 para homenagear a célebre ocupação de Puebla, em 1867, pelo General mexicano Porfirio Díaz nas últimas fases da intervenção francesa no México.

Ver também[editar | editar código-fonte]