Inkayacu paracasensis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaInkayacu paracasensis
Ocorrência: Eoceno Superior 36 Ma
Icadyptes Inkayacu copy.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Sphenisciformes
Família: Spheniscidae
Género: Inkayacu
Clarke et al., 2010
Espécie: I. paracasensis
Nome binomial
Inkayacu paracasensis
Clarke et al., 2010

Inkayacu paracasensis é uma espécie fóssil de pinguim do Eoceno Superior do Peru.1 É a única espécie descrita para o gênero Inkayacu.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Embora primitivo, o Inkayacu se assemelhava muito a seus parentes modernos. Ele tinha asas em forma de remo com penas curtas, e um bico longo. O I. paracasensis, junto com outros pinguins fósseis do Peru, são muitas vezes referidos como "pinguins gigantes" devido ao seu tamanho avantajado. O Inkayacu media cerca de 1,5 metros de altura, em comparação, o maior pinguim atual, o imperador, mede 1,2 metros.2

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Os restos fossializados do Inkayacu foram descobertos pela primeira vez em 2008 na costa da região de Ica, no Peru. Um esqueleto quase completo foi descoberto na Reserva Nacional de Paracas por uma equipe liderada por Julia Clarke, da Universidade do Texas. Grandes pinguins, incluindo as espécies Perudyptes devriesi e Icadyptes salasi, haviam sido descobertos na mesma área no ano anterior.3 A primeira evidência de melanossomas em penas fossializadas foi publicada no final de 2008, sendo relatada a partir de uma ave do Cretáceo.4 O paleontólogo Jakob Vinther, um dos autores do trabalho de 2008, encontrou melanossomas nas penas do Inkayacu logo após a descoberta do fóssil.2

Referências

  1. Clarke, J.A.; Ksepka, D.T.; Salas-Gismondi, R.; Altamirano, A.J.; Shawkey, M.D.; D’Alba, L.; Vinther, J.; DeVries, T.J.; Baby, P.. (2010). "Fossil evidence for evolution of the shape and color of penguin feathers". Science In press. DOI:10.1126/science.1193604.
  2. a b M., Balter. "How Penguins Got Their Water Wings", 30 de setembro de 2010. Página visitada em 30 de setembro de 2010.
  3. Clarke, J.A.; Ksepka, D.T.; Stucchi, M.; Urbina, M.; Giannini, N.; Bertelli, S.; Narváez, Y.; Boyd, C.A.. (2007). "Paleogene equatorial penguins challenge the proposed relationship between biogeography, diversity, and Cenozoic climate change". Proceedings of the National Academy of Sciences 104 (28): 11545-11550. DOI:10.1073/pnas.0611099104.
  4. Vinther, J.; Briggs, D.E.G.; Prum, R.O.; Saranathan, V.. (2008). "The colour of fossil feathers". Biology Letters 4 (5): 522-525. DOI:10.1098/rsbl.2008.0302.
Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado no Projeto Aves é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.