Kerry Wendell Thornley

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kerry Wendell Thornley
Nascimento 17 de abril de 1938
Califórnia
Morte 28 de novembro de 1998
Atlanta, Georgia
Nacionalidade  Estados Unidos
Gênero literário Contracultura

Kerry Wendell Thornley (17 de abril, 1938–28 de novembro, 1998[1] [2] ) é conhecido como o co-fundador (junto de seu amigo de infância Gregory Hill) do discordianismo[1] [2] , sendo conhecido nesse contexto como Omar Khayyam Ravenhurst ou simplesmente Lord Omar.[1] Ele e Gregory Hill criaram o texto Principia Discordia, Or, How I Found Goddess, And What I Did To Her When I Found Her.

Kerry era muito ativo no movimento de publicação contracultura, escrevendo para um número de revistas e jornais underground e publicando por si mesmo muitos boletins de página única. Um desses boletins chamado Zenarchy foi publicado nos anos 60 sob o pseudônimo de Ho Chi Zen[1] . "Zenarchy" é descrito na introdução ao volume coletado como "a ordem social que surge da meditação" e "uma abordagem não-combativa, não-participativa e não-política ao anarquismo, com o objetivo de chamar a atenção do sério pensamento estudantil."

Referências

  1. a b c d Groover, Joel. "Kerry Thornley, philosopher, writer, friend of Oswald" (fee required), Atlanta Journal-Constitution, Cox Enterprises, 1998-12-03, p. F8. Página visitada em 2008-03-24. “[Thornley] moved to Atlanta in 1969 and became a fixture in Little Five Points, a merry prankster known for his chaos-inspired philosophy and psychedelic conspiracy theories.... Co-author of 'The Principia Discordia,' a spoof of religion written in the 1970s, Mr. Thornley earned international attention as a founding father of "Discordian" philosophy....”
  2. a b Staff writer. "1998 Notable Deaths in Georgia, the South" (fee required), Atlanta Journal-Constitution, Cox Enterprises, 1999-01-02, p. D6. Página visitada em 2008-03-24. “KERRY THORNLEY, 60, Atlanta; founding father of Discordian philosophy whose early book on Lee Harvey Oswald became Warren Commission evidence”