La lune dans le caniveau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
La lune dans le caniveau
 França
1983 • cor • 137 min 
Direção Jean-Jacques Beineix
Género Drama

La lune dans le caniveau (A Lua na Valeta em Portugal) é um filme francês de Jean-Jacques Beineix, datado de 1983. Foi feito a partir do romance The Moon in the Gutter de David Goodis.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Nas vielas sórdidas de uma cidade portuária, Gérard, um estivador, procura obsessivamente o violador da sua irmã, a qual, não suportando a infâmia e o horror, se havia suicidado. Um dia, ele é abalado por uma bela jovem (Loretta) ao volante de um magnífico Ferrari vermelho. Este é o ponto de partida para uma história de amor impossível, num clima de solidão, vingança e desespero.

Interpretação[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Depois do sucesso de Diva (1981), Beineix escolheu, para argumento do seu novo filme, um clássico do romance negro, escrito por David Goodis e considerado até então como dificilmente adaptável ao cinema.[1] Para o realizar, deslocou-se para a Cinecittà, em Roma, onde todos os décors do filme foram construídos. Depois de três meses de rodagem, o filme foi apresentado na edição de 1983 do Festival de Cinema de Cannes.

Premiações[editar | editar código-fonte]

O filme foi premiado com um Cesar para o melhor cenário.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Com fama de realizador exigente e meticuloso, Jean-Jacques Beineix não deixa um único pormenor ao acaso nos seus filmes. Em La Lune dans le Caniveau ele exigiu que o vestido usado por Nastassja Kinski ao volante de um Ferrari vermelho, fosse exatamente da mesma tonalidade da do automóvel. Para isso, Marc Bohan, patrão da casa Christian Dior teve que refazer várias vezes a cor do vestido até acertar a tonalidade.[2]

Referências

  1. Première, le Magazine du Cinéma, nº 68 (Novembro 1982), Paris: Societé Nouvelle des Éditions de France, pp. 38-45
  2. Première, le Magazine du Cinéma, nº 73 (Abril 1983), Paris: Societé Nouvelle des Éditions de France, pp. 66-71

Ligações externas[editar | editar código-fonte]