Latim macarrónico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Flag of Portugal.svgGnome-globe.svg
Esta página ou seção está redigida de uma perspectiva principalmente portuguesa e pode não representar uma visão mundial do assunto.
Por favor aperfeiçoe este artigo ou discuta este caso na página de discussão.

O latim macarrónico (português europeu) ou latim macarrônico (português brasileiro) é, essencialmente, um latim corrompido de forma intencional com o objectivo de produzir um efeito cómico - como o próprio adjectivo "macarrónico/macarrônico" sugere.

Consiste na utilização de palavras alheias ao latim às quais se aplicam as regras de flexão e sintaxe latinas. O objectivo é subverter a "seriedade" normalmente associada ao latim.

Origem[editar | editar código-fonte]

Tal como sucede hoje em dia com o inglês, o latim foi a língua oficial da transmissão do saber ao longo da Idade Média e até praticamente ao séc. XIX. Gozava, por isso, de um enorme prestígio. O exame em latim foi durante séculos condição obrigatória para admissão na Universidade. Só no reinado de D. Dinis é que os documentos oficiais passaram a ser redigidos em português. Além disso, toda a liturgia católica era proferida em latim, que é, ainda hoje, a língua oficial da Igreja Católica.

O latim macarrónico desenvolve-se nos meios estudantis, sendo provavelmente tão antigo como as próprias universidades. As manifestações mais antigas encontram-se nos poemas dos Goliardos, que mantinham uma atitude fortemente crítica face aos abusos dos escalões mais elevados da hierarquia do clero, pelo que a subversão do latim tinha um evidente significado político. Note-se, porém, que alguns Goliardos eram profundos conhecedores de latim, pelo que algumas das suas composições possuem elevado valor literário. O mais conhecido hino goliárdico é o Gaudeamus Igitur, universalmente adoptado como hino das universidades.

A designação provém do título de uma composição burlesca de Tifi Odasi, de Pádua, o Carmen Maccaronicum, escrito em 1488. Há registo de obras macarrónicas em todas as línguas europeias. Avulta entre todos o nome de Molière, que também macarronicamente pôs as suas personagens a falar em trechos do Le Malade Imaginaire.[1]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Há vestígios da utilização satírica do latim na poesia trovadoresca dos cancioneiros medievais galaico-portugueses, nomeadamente em algumas composições do género sirventês moral.

Gil Vicente utiliza-o em diversas obras (Auto de Mofina Mendes, Auto dos Físicos, Comédia de Rubena); porém é no Auto da Barca do Inferno que mais utiliza este recurso cómico, sobretudo nas falas do Parvo (Joane) e do Diabo, nas chufas que dirigem ao Meirinho e ao Corregedor (ambos profissionais do Direito). Numa das falas, põe Joane a dizer: "Ego latino macairos" - "eu falo latim macarrónico".

A mais extensa colecção de textos em latim macarrónico de produção portuguesa é o Palito Métrico. O primeiro texto desta colectânea é de 1746. Todos os texto da Macarrónea Portuguesa foram escritos por estudantes de Coimbra, sob pseudónimo.

O latim macarrónico é aparentemente fácil de escrever e entender. Contudo, é necessário um bom domínio da gramática e do léxico latinos para se apreciar verdadeiramente todas as subtilezas que os autores imprimiram nas composições. É necessário, além disso, um conhecimento razoável das técnicas e regras de versificação latinas. Talvez seja este um dos motivos pelo qual esta obra-prima do género se encontra hoje praticamente esquecida.

Utilização actual[editar | editar código-fonte]

O latim macarrónico subsiste ainda como "língua oficial" da praxe académica. Nele se redigem convocatórias e decretos, avisos e diplomas; nele se redigem as "orações de sapiência" que em tais actos é costume proferir. Nele se designam os graus superiores e as instituições da hierarquia da praxe: Dux Veteranorum, Dux Facultis,[2] Consilium Veteranorum, Magnum Consilium Veteranorum, etc. Na abertura das sessões solenes ou outros actos "oficiais" usa-se, regra geral, a fórmula "In nomine solenissima praxis…"

A grande maioria dos feitiços de Harry Potter e os nomes dos Romanos da série Astérix constituem outros exemplos.

Referências

  1. Cf. A.G. da Rocha Madahil, "Palito Métrico e Correlativa Macarrónea Latino Portuguesa, Coimbra Editora, Coimbra, 1942
  2. Exemplo de "mau" latim macarrónico. Deveria ser "Dux Facultatis", para se respeitar a gramática latina.