Liber Gomorrhianus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Liber Gomorrhianus em latim, ou em português Livro de Gomorra, é uma obra escrita por Pedro Damião (também chamado de Petrus Damiani, Pietro Damiani ou Pier Damiani) em 1049/1050 d.C. na Itália. Escrito em forma de tratado, o livro denunciava abertamente os vícios do clero da igreja italiana, recomendando punições severas a certos membros do clero por vita [...] spurcissima [...] (ou seja, pelo seu "modo de vida imundo"). O autor dedicou sua obra ao Papa Leão IX (Bruno de Eguisheim-Dagsbourg), natural de Eguisheim, Alsácia, França.

Ataque às práticas sexuais[editar | editar código-fonte]

Pedro Damião condenou práticas homossexuais, masturbação grupal e masturbação solitária, copulação entre as coxas, e copulação anal[1] que, segundo ele, eram todas contra a "ordem moral" e resultantes da loucura associada ao desejo carnal excessivo, à lascívia. Pedro Damião reservou uma indignação especialmente forte aos sacerdotes que praticavam a efebofilia (adultos que sentem uma atração sexual primária por adolescentes pubescentes ou pós-pubescentes.[2] [3] ) Ele identifica a os superiores que, dada a sua piedade excessiva e mal-direcionada, relaxaram seu dever de defender os padrões disciplinários da igreja. Pedro Damião também se opõe à ordenação dos indivíduos que se dão à homossexualidade e quer que aqueles já ordenados sejam destituídos. Aos que fazem mau uso do sacramento da Ordem cometendo atos sexuais com crianças deve-se dedicar um desprezo especialmente singular.

Controvérsia resultante[editar | editar código-fonte]

A obra causou grande revolta e resultou em sentimentos de profunda inimizade contra o seu autor. Até o Papa Leão IX, que inicialmente elogiou o novo livro, acabou sendo persuadido de que tudo tratava-se de exageros. Assim, o papa acabou suavizando as suas sugestões de confronto contra os religiosos culpáveis conforme sugeriu Pedro Damião, excluíndo do clero somente aqueles membros que ofenderam o sacramento repetidamente e por um prolongado período.[4] A frieza papal sobre o assunto resultou em uma vigorosa carta aberta de protesto por parte de Pedro Damião.

História de relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo[editar | editar código-fonte]

Muito embora vários textos religiosos penitenciais da época terem apresentado argumentos condenatórios contra atos sexuais entre pessoas do mesmo sexo, como os escritos de Burcardo de Worms e do abade Regino de Prüm (Prüm hoje é uma pequena cidade situada no noroeste da Renânia-Palatinado, Alemanha), este é o único escrito teológico que trata exclusivamente deste tema.[1]

Concubinato e o clero[editar | editar código-fonte]

Pedro Damião também era decididamente contrário à simonia, mas a sua mais feroz fúria era direcionada contra os membros do clero que contraíam o matrimônio, como demonstrou em várias ocasiões.

Referências

  1. a b Paul Halsall: Peter Damian: Liber Gomorrhianus Medieval Sourcebook. abril 2006.
  2. Ephebophilia: Allwords.com Dictionary. Título não preenchido, favor adicionar.
  3. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Título não preenchido, favor adicionar.
  4. Thomas P. Doyle: "Roman Catholic Clericalism, Religious Duress, and Clergy Sexual Abuse, " in Pastoral Psychology, Vol. 51, No 3, Januari 2003.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Edições modernas
  • Pierre J. Payer (ed.): Book of Gomorrah: An eleventh century treatise against clerical homosexual practise, Waterloo, Ont., 1982. Wilfrid Laurier University Press. (Inclui a resposta do papa.)
  • Owen J. Blum, O.F.M.: Peter Damian, Letters 31-60, part of the Fathers of the Church - Medieval Continuation série lançada pela Catholic University of America Press, Washington, D.C., 1990.