Liceu Maranhense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Liceu Maranhense em 2008

O Liceu Maranhense é uma tradicional instituição de ensino médio brasileira fundada em 1838 e localizada em São Luís-MA. No ano de 2008 a escola completou 170 anos.

A palavra Liceu vem do grego LYKEION e refere ao local onde Aristóteles ministrava suas aulas e significava "matador de lobos", este por não concordar com o ensino sofista e platônico difundido na época, fundou sua própria escola, em meados do século IV a.C sendo este nome dedicado ao Templo de Apolo devido a próximidade da escola. Ao longo da história da Grécia antiga, o Liceu foi o nome dado aos ginásios que preparavam os cidadãos para a vida com uma formação completa, abrangendo exercícios físicos e intelectuais. Durante o Império Romano, lycaeu ganhou o sentido de "escola onde os jovens podiam dominar alguns ofícios". A mesma idéia prevaleceu no Brasil, como prova o Liceu de Artes e Ofícios.

No Maranhão, surgiu a partir da fundação do Seminário diocesiano de Santo Antonio por influência de D. Marcos Antonio de Souza e nesse mesmo ano o então presidente da província do Maranhão, Vicente Thomaz de Figueiredo Carvalho por meio da Lei n° 17, no dia 24 de julho de 1838,. Nascia assim o Liceu Maranhense, primeiro colégio público de ensino secundário. Historicamente, é considerado um símbolo de referência na área de educação.

Inicialmente teve seu funcionamento no pavimento térreo do antigo Convento do Carmo, mudando-se depois para sede própria na Rua Formosa (Afonso Pena), 174, esquina com Rua Direita (Rua Henrique Leal). Teve como primeiro diretor o professor, jornalista e poeta Francisco Sotero dos Reis.

Depois em 1941, ganhou sede definitiva, permanecendo até o momento atual no Parque Urbano Santos, onde até então funcionou o 5º Batalhão de Infantaria do Exército. O Liceu tem como histórica a "missão educacional de crença na vida e na capacidade do homem compreender a realidade e nela atuar, tornando-se melhor e contribuindo para a qualidade de vida de toda a sociedade".

No Liceu Maranhense já estudaram e estudam inúmeros jovens que da construção de seu saber, através do convívio com seus pares e mestres, ajudam não só a contar a história intelectual, política e artística do estado e do país, mas também a participar da sociedade como cidadãos atuantes.

Segundo fontes históricas, anteriormente à criação do Liceu Maranhense não havia um núcleo onde as aulas funcionassem juntas e com regularidade, dada a sua importância foi comparado posteriormente ao Colégio D. Pedro II do Rio de Janeiro pela possibilidade que representava para a evolução do ensino público.

Havia inicialmente dois cursos de formação a nível médio, o de Marinha e o de Comércio, este último suprimido logo após a sua criação devido o acentuado caráter literário do ensino do Liceu, haja vista toda sua clientela ser candidata aos cursos superiores, fato que mereceu críticas pois a oferta de cursos que habilitassem a uma profissão era necessária, considerando o contexto que necessitava do aparelhamento da sociedade com pessoas que pudessem ser úteis A vida pratica e produtiva combatendo os exclusivismos jurídico, clássico e teórico da época. Embora reformas viessem a introduzir outros cursos, os esforços não foram significativos pois continuava-se a ter a mesma feição literária e propedêutica. Atualmente é oferecido o curso em formação geral e mesmo havendo diretrizes legais que estimulam a aproximação do ensino ao preparo para o mundo do trabalho, ainda não se vê esforços nesse sentido, a preparação para o vestibular continua a maior expectativa. A escola sempre enfrentou problemas referente as suas estruturas, em 2005, o então governador do maranhão, José Reinaldo Tavares, realizou uma reforma na escola, reforma tal que não resolveu os problemas da escola. Estrutura da escola

  1. Sala da direção
  2. Sala de reunião
  3. Sala da coordenação
  4. Sala da secretaria
  5. Sala do Diretor
  6. Sala dos professores
  7. Salas de aulas (20)
  8. Sala de xerox
  9. Sala de limpeza (DML)
  10. CPD
  11. Laboratório de Química
  12. Laboratório de Biologia
  13. Laboratório de Matemática
  14. Laboratório de Informática
  15. Laboratório de Física
  16. Laboratório de Artes visuais
  17. Biblioteca
  18. Cantina
  19. Quadras cobertas (01)
  20. Quadras (02)
  21. Banheiros (07)
  22. Anfiteatro
  23. O Herbário

Referências