Manguito rotador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manguito rotador
Gray412.png
Músculos do dorso da escápula e o tríceps braquial.
Gray521.png
As artérias escapular e circunflexa.
Gray assunto #123

O manguito rotador ou coifa dos rotadores, segundo a anatomia humana, é um grupo de músculos e seus tendões que age para estabilizar o ombro. [1] , [2]

Anatomia[editar | editar código-fonte]

É formado por quatro músculos: o supraespinal, infraespinal, redondo menor e subescapular.

Estes músculos, se comparados ao peitoral maior e ao deltóide, não têm a mesma dimensão, mas desempenham um papel fundamental nos movimentos do ombro e da cintura escapular. Estes músculos devem possuir não apenas força suficiente, mas também resistência muscular significativa para funcionar apropriadamente.[3]

Função[editar | editar código-fonte]

O manguito funciona na verdade como uma convergência de tendões, semelhante a um capuz ao redor da cabeça do úmero. Os tendões dos quatro músculos se unem a cápsula articular ao redor da articulação glenoumeral e segundo Craig (2000) suas principais funções são:

  • Potencializar as rotações da articulação glenoumeral, em decorrência da ação primária dos músculos , redondo menor e subescapular. A rotação lateral é imprescindível durante a abdução da articulação glenoumeral, pois libera a tuberosidade maior do úmero do atrito com o acrômio.
  • Estabiliza a dinâmica da articulação glenoumeral. O músculo subescapular é o principal estabilizador dinâmico anterior da cabeça do úmero, enquanto o músculo infra-espinhal é responsável pela estabilização dinâmica posterior. No músculo supraespinhal parece proporcionar uma restrição estática à migração superior da cabeça do úmero. Nos músculos infraespinhal, redondo menor e subescapular exercem ação primária na depressão da cabeça do úmero, em razão de sentido oblíquo de suas fibras em direção a esse osso, o que gera um vetor de força no sentido caudal sobre sua cabeça. Na realidade, os músculos do manguito rotador e o músculo deltóide formam um mecanismo force couple sobre a cabeça do úmero, sendo que o vetor de força no sentido cranial exercido pelo músculo deltóide durante a elevação do membro superior é equilibrado pela ação centralizadora e depressora do manguito rotador sobre a cabeça do úmero, resultando em um movimento de rotação harmônica e preciso.
  • Proporciona um compartimento fechado importante para a nutrição das superfícies articulares da cabeça do úmero e da cavidade glenoidal.

Músculos que compõem o manguito rotador/coifa dos rotadores[editar | editar código-fonte]

Músculo Origem na escápula Fixação no úmero Função Inervação
Músculo supra-espinhal fossa supra-espinhal tubérculo maior abdução do braço Nervo supra-escapular (C5)
Músculo infra-espinhal fossa infra-espinhal tubérculo maior rotação externa do braço Nervo supra-escapular (C5-C6)
Músculo redondo menor borda lateral tubérculo maior rotação externa do braço Nervo axilar (C5)
Músculo subescapular fossa subescapular tubérculo menor rotação interna do úmero Nervo subescapular (C5-C6)

Lesões[editar | editar código-fonte]

O trabalho do manguito rotador é essencial especialmente em atividades repetidas de suspensão acima da cabeça, como arremessar e nadar, citando algumas práticas esportivas. É muito freqüente estas atividades serem realizadas com técnica deficiente, com fadiga muscular ou com o aquecimento e condicionamento inadequados, e o grupo muscular do manguito rotador, principalmente o supra-espinhal, acaba não conseguindo estabilizar dinamicamente a cabeça do úmero na cavidade glenóide, originando outros problemas, como tendinite e fricção do manguito rotador dentro do espaço subacromial.

Em 75% de casos de dor no ombro, a principal causa é o tendão do supra – espinhal do manguito rotador. A lesão do supra-espinhal ocorre geralmente por movimentos repetidos, violentos ou acima da cabeça.

Tipos de lesões de ombro relacionadas ao manguito rotador[4] [5] [editar | editar código-fonte]

  • Instabilidade do ombro:
  • Síndrome do impacto:
    • mecanismos extrínsecos
    • mecanismos intrínsecos (impacto) e fluxo sanguíneo comprometido do supra-espinhal.
  • Síndrome do pinçamento:
    • compressão das partes moles no espaço subacromial entre acrômio e cabeça do úmero. Classificação: grau 1, grau 2 e grau 3.
  • Bursite Subacromial, causadas por: queda, golpe no ombro ou ruptura do supra-espinhal, movimentos repetitivos e inflamação do tendão subjacente.
  • Espessamento da bolsa subacromial, com os mesmos sintomas da ruptura do manguito; fraqueza na elevação e rotação externa.
  • Tendinite calcificante:
    • envelhecimento(esforço);
    • inflamação (dor crônica);
    • depósito de cálcio.
    • Tendinite por sobrecarga de tração:
  • rigidez da cápsula posterior;
  • fraqueza periescapular;
  • tendões do manguito trabalham mais.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ombro e Cotovelo. Página visitada em 10/1/2011.
  2. Clínica Deckers. Página visitada em 10/1/2011.
  3. ABC da Saúde. Página visitada em 10/1/2011.
  4. Medicina Geriátrica. Página visitada em 10/1/2011.
  5. Pilates para lesões no ombro. Página visitada em 10/1/2011.