Minchá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Minchá (em hebraico: מנחה) é a oração da tarde no judaísmo.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome "Minchá" é derivado da oferta de cereais que acompanhavam cada sacrifício.[1] [2]

Origem[editar | editar código-fonte]

O substantivo hebraico minkhah (מִנְחָה) é usado 211 vezes no texto massorético da Bíblia hebraica com os primeiros casos sendo o minkhah oferecidos por ambos Caim e Abel em Gênesis 4.

O Rabino Berel Wein (2002) diz que a Minchá foi originada por Isaque, e descrito em Gênesis 24:63 pelas palavras "Saíra Isaque ao campo à tarde, para meditar;" onde o verbo "meditar" (שוח suwach) refere-se a Deus.[3]

Tempo para recitação[editar | editar código-fonte]

A Minchá é diferente do Shacharit e do Maariv na medida em que é recitado no meio do dia mundano. Ao contrário do Shacharit, que é recitado ao levantar-se, e do Maariv, que pode ser recitado antes de ir dormir, a Minchá torna-se realmente uma interrupção na vida diária. Como resultado disso, muitos grupos de Minchá se formaram nos locais de trabalho e outros lugares onde muitos judeus estão presentes durante o dia.[3]

Ela pode ser recitada meia hora após o meio-dia halachic. Esta primeira vez é referida como minchá gedola (a "grande minchá"). É, no entanto, recitada de preferência após a minchá ketana (2,5 horas halachic antes do anoitecer[4] ). Idealmente, deve-se completar as orações antes do por do sol, embora muitas autoridades permitem recitar a Minchá até o anoitecer.

Embora seja permitido recitar a minchá após o shkia (pôr do sol), o Mishná Berurá afirma que é preferível recitar a minchá sem um minyan antes do shkia que recitá-lo com um minyan após o shkia.[5]

Na sexta-feira, não é permitido recitar a minchá após o shkia. Isto é devido ao Shabat, que se inicia neste momento, e as velas do Shabat são acesas 18 minutos antes do shkia. Uma vez que o Shabat se inicia, não é permitido recitar a Amidá de semana. No entanto pode-se repetir o Maariv Shabat e ter em mente que a minchá perdida está sendo compensada por meio da segunda Amidá.

Orações[editar | editar código-fonte]

A minchá em um dia de semana exclusivo inclui orações encontradas no Shacharit.

As orações da Minchá incluem:

Os sefarditas e os judeus italianos começam as orações da minchá com o Salmo 84 e Korbanot (Números 28:1-8), e geralmente continuam com o Pittum hakketoret. A seção de abertura é concluída com Malaquias 3:4. Os asquenazes ocidentais recitam apenas o Korbanot.

Do Rosh Hashaná ao Yom Kippur e em dias de jejum público, exceto no Shabat, no erev Shabat e na Tishá BeAv, Avinu Malkeinu é adicionada a Amidá seguidamente.

No Yom Kippur, Ashrei e Uva Letzion são omitidos da minchá, e a minchá começa com a leitura da Torá. Ashrei e Uva Letzion são uma parte da Ne'ila.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Números 28:8
  2. Números 28:31
  3. a b Living Jewish: values, practices and traditions By Berel Wein, page 87
  4. Em outro ponto de vista, antes do por do sol
  5. Posições Halakhic do rabino Joseph B. Soloveitchik, Volume 4 por Aharon Ziegler, página 21