Shabat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Picart sukka.jpg
Artigo parte da série sobre
Calendário Judaico
Hoje no calendário judaico é dia
do mês de do ano de 5774 .
Meses

Tishrei | Cheshvan | Kislev | Tevet
Shvat | Adar | Nissan | Iyar
Sivan | Tamuz | Av | Elul

Festividades

Shabat | Rosh Hashaná
Yom Kipur | Pessach
Lag BaÔmer | Sucot | Purim
Shavuot | Simchat Torá
Tu Bishvat | Hoshaná Rabá
Shemini Atzeret | Chanucá

Ver também
Feriados em Israel
Série Judaísmo

Shabat (do hebraico שבת, shabāt; shabos ou shabes na pronúncia asquenazita, "descanso/inatividade"), também grafado como sabá (português brasileiro) ou sabat (português europeu), é o nome dado ao dia de descanso semanal no judaísmo, simbolizando o sétimo dia em Gênesis, após os seis dias de Criação. Segundo hillel 2º; Antes o Shabat era originalmente dependentes do ciclo lunar (Holiday universal jewish enciclopedia. p.410) Apesar de ser comumente dito ser o sábado de cada semana, é observado a partir do pôr-do-sol da sexta-feira até o pôr-do-sol do sábado. O exato momento de início e final do shabat varia de semana para semana e de lugar para lugar, de acordo com o horário do pôr-do-sol. O shabat é observado tanto por judeus quanto por cristãos, como por exemplo adventistas do sétimo dia e batistas do sétimo dia.

O shabat é observado tanto por mandamentos positivos, como as três refeições festivas (jantar de sexta-feira, almoço de sábado e refeição de final de tarde no sábado), e restrições. As atividades proibidas no Shabat derivam de trinta e nove ações básicas (melachot, livremente traduzido como "trabalhos") que são descritas pelo Talmud a partir de fontes bíblicas.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra hebraica שבת, shabāt, tem relação com o o verbo שבת, shavāt, que significa "cessar", "parar". Apesar de ser vista quase universalmente como "descanso" ou um "período de descanso", uma tradução mais literal seria "cessação", com a implicação de "parar o trabalho". Portanto, Shabat é o dia de cessação do trabalho; enquanto que descanso é implícito, mas não é uma denotação da palavra em si. Por exemplo, a palavra em hebraico para "greve" é shevita, que vem da mesma raiz hebraica que Shabat, e tem a mesma implicação, nominalmente que trabalhadores em greve se abstêm ativamente do trabalho, ao invés de passivamente.

Shabat é a fonte para o termo em português Sábado, e para a palavra que denomina esse dia da semana em muitas outras línguas. A palavra "sabático" - se referindo ao ano sabático na Bíblia, ou o ano que uma pessoa tira sem trabalhar, especialmente no mundo acadêmico, também vem desta raiz.

Fonte bíblica[editar | editar código-fonte]

Mesa de shabat preparada para o kidush.

O status especial do Shabat como dia sagrado aparece no Tanach:

Cquote1.svg E Deus abençoou o sétimo dia e o santificou porque nele se absteve de todo
o Seu trabalho que D-us havia criado para completar seus feitos.
Cquote2.svg
Gênesis 2:3

O Shabat é introduzido com a declaração que o trabalho dos céus e da terra foram completos, e que eles permanecem perante nós em seu estado final pretendido de perfeição harmoniosa. Então Deus proclamou Seu Shabat. Essa passagem, que também é utilizada como o primeiro parágrafo do kidush de Shabat, proclama que D-us é o Criador que trouxe o universo à existência em seis dias e descansou no sétimo. A observância de Israel (o povo judeu) das leis de Shabat constituem um testemunho devoto a isso.[2]

Apesar do status sagrado do dia ser indicado em Gênesis 2:3, nenhuma obrigação surge diretamente desse status. O verdadeiro mandamento para observar o Shabat é mencionado diversas vezes no Tanach, todos eles surgem após o Êxodo do Egito. O primeiro mandamento relacionado ao Shabat é o quarto dos Dez Mandamentos (Êxodo 20:8-10 e Deuteronômio 5:12-14).

Status como dia sagrado[editar | editar código-fonte]

O Tanach e o sidur (livro judaico de rezas) descrevem o shabat como tendo três propósitos:

  1. Uma comemoração da redenção da escravidão dos israelitas do antigo Egito;
  2. Uma comemoração das criações do universo de D-us;
  3. Uma pequena experiência do mundo na Era Messiânica.

Definição[editar | editar código-fonte]

No Tanakh, a ordem de um dia de descanso é dada diretamente por D-us, após os seis dias de criação:

"Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. E havendo D-us acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E abençoou D-us o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que D-us criara e fizera". [3]

Sua observância é considerada de extrema importância, aparecendo como o quarto dos Dez Mandamentos.

"Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu D-us; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o SENHOR o dia do sábado, e o santificou".[4] [5]

A tradição judaica acredita que um dia inicie com o pôr-do-sol e termine com o pôr-do-sol seguinte, pelo que o shabat se inicia com o pôr-do-sol da sexta-feira comum e termina com o pôr-do-sol do sábado comum.

Em algumas ocasiões a palavra Shabat refere-se a lei de Shemitá, a feriados judaicos ou a uma semana de dias, dependendo do contexto mas sempre associado a um período de cessação de trabalho.

Atividades proibidas no Shabat[editar | editar código-fonte]

Segundo o Talmude (Mishná Shabat 7,2), são 39 as atividades que são proibidas de se fazer durante todo o Shabat. Excepcionalmente, contudo, em caso de risco de morte, quaisquer das proibições podem ser deixadas de lado, eis que o valor mais caro ao judaísmo é a vida. Dizem os sábios que tais tarefas foram aquelas realizadas durante a construção do Tabernáculo.

Shabatot especiais[editar | editar código-fonte]

Os Shabatot especiais são associados com festas judaicas importantes que eles precedem. Por exemplo, Shabat HaGadol, que é o Shabat antes de Pessach, Shabat Zachor que é o Shabat antes de Purim, e Shabat Teshuvá que é o Shabat antes de Yom Kipur.

Restrições aos gentios[editar | editar código-fonte]

O Eterno ordenou exclusivamente aos judeus que observassem o shabat :"E os filhos de Israel guardarão o shabat" ou "O Shabat será um sinal entre Mim (O Criador) e Vós (povo judeu)". Assim sendo, os gentios (goym) estão proibidos de guardá-lo, pois se o fazem estão transgredindo a Lei, atribuindo para si o título de "filho(a) de Israel" sem de fato o ser e cometendo Avodah Zarah (idolatria), pois estão adorando ao Criador de um modo que ele não determinou. Um não-judeu que “descansar” no Shabat é passível de pena capital, a não ser que seja peregrino entre os filhos de Israel (Talmude).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Talmud Babilônico - Tratado Shabat Cap. 7, 2a mishná pg. 83a
  2. The Tanach - Volume I: The Torah - The Artscroll Series / Stone Edition. Mesorah Publications, 2001. Brooklyn, N.Y.
  3. Wikisource Gênesis 2:1-3
  4. Wikisource Êxodo 20:8-11
  5. Wikisource Deuteronômio 5:12-15

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.