Ramo Davidiano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A bandeira do Ramo Davidiano

O Ramo Davidiano (em inglês, Branch Davidians ou simplesmente "The Branch") são uma seita protestante que se originou de um cisma ocorrido em 1955 num grupo conhecido como Adventistas Davidianos do Sétimo Dia (ou "Davidianos"), um movimento reformista começado dentro da Igreja Adventista do Sétimo Dia (os "Adventistas") por volta de 1930. A maioria daqueles que aceitaram a mensagem reformista foram desassociados (excomungados) por causa da rejeição às novas ideias dentro da liderança adventista.

Desde seu início em 1930, o movimento reformista herdou certos conceitos da escatologia adventista, naquilo que eles próprios acreditavam ser um tempo no qual as profecias da Bíblia de um Juízo Final estavam para vir como prelúdio à Segunda vinda de Cristo. O nome "Ramo Davidiano" é mais conhecido pelo Cerco de Waco, ocorrido em 1993 na sede do grupo (conhecida como "Monte Carmelo" e depois renomeada "Rancho Apocalipse") nas adjacências de Waco, Texas, pelo Bureau of Alcohol, Tobacco, Firearms and Explosives, o FBI e a Guarda Nacional do Texas, que resultou nas mortes de 82 membros do Ramo Davidiano, incluindo seu líder, David Koresh,[1] e de 4 agentes[2] .

Há controvérsia sobre o fato de David Koresh e seus seguidores representarem ou não o movimento reformista existente há mais de 60 anos na época do cerco e se eles tinham ou não o direito de usar o nome e a propriedade da igreja. Embora os seguidores estivessem em número de 140 na época do cerco, apenas 20 deles e seus filhos foram associados à igreja antes que ele, Koresh, chamasse-os para seguir seus ensinamentos e práticas únicos. Um número muito maior de pessoas dentro do grupo rejeitou suas ideias.

Na época do cerco, Koresh encorajou seus seguidores a se verem eles próprios como "estudantes dos Sete Selos" em vez de "davidianos/membros do Ramo Davidiano". Durante o impasse um de seus seguidores anunciou publicamente que depois disso se queria que todos fossem "koreshianos"[3] . Outros seguidores disseram que não queriam usar o novo nome e a grande maioria da mídia continuou a usar o nome "davidiano", apesar dos protestos dos membros da outra igreja que não deixaram seus valores originais para seguir Koresh. A sede mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Silver Spring, Maryland, pôde persuadir a mídia a não relacionar seu nome com os membros do Ramo Davidiano, porque há muito eles não registravam o nome, apesar do fato de que o Ramo Davidiano usava legalmente o nome "Adventistas do Sétimo Dia" por décadas antes do registro feito pelos adventistas. Protestos contra o uso do nome "davidianos" por Koresh e seus seguidores também foram feitos por membros de grupos davidianos que não faziam parte do Ramo, mas isto não adiantou.

Em função das fortíssimas evidências de que os ensinamentos e práticas de Koresh eram profundamente diferentes daqueles feitos pelos membros históricos do Ramo Davidiano e que havia a concepção de que seu grupo era, factualmente, separado e distinto dos demais, este artigo apresenta a identidade única do grupo e os fatos que levaram aos acontecimentos do Cerco de Waco, em 1993.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1929 Victor Houteff (1885-1955), um imigrante búlgaro e professor na Igreja Adventista, declarou ter uma nova mensagem para a igreja. Isto foi apresentado na forma de um livro, The Shepherd's Rod, os 144.000, um brado pela reforma[4] . Sua mensagem reformista foi rejeitada e considerada sectária e divisiva pela liderança adventista em função de seu distanciamento dos ensinamentos básicos da igreja e de seus padrões pré-estabelecidos. Como consequência, Houteff foi desassociado da igreja, juntamente com quem aceitou sua mensagem.

Em 1935 Houteff estabeleceu sua sede nas proximidades de Waco, Texas, a oeste da cidade. Até 1942 seu movimento era conhecido como Shepherd's Rod Seventh Day Adventists, mas quando Houteff considerou ser necessário organizar-se formalmente para fins legais, ele renomeou a associação "General Association of Davidian Seventh Day Adventists". O termo "Davidiano" reflete sua crença na restauração do Reino de David[5] em Israel antes da Segunda vinda de Cristo (advento) nas nuvens celestiais. Houteff direcionou os davidianos a trabalhar pela reforma da igreja, de modo a se preparar para o grande afluxo de convertidos quando a igreja estivesse num estado mais puro.

Um dos princípios davidianos é a crença de que o líder da igreja deve ter o dom da profecia, de modo a trazer - cada vez mais - a verdade bíblica ao movimento. Assim, em 1955, após a morte de Houteff, uma separação se deu justamente em função da controvérsia levantada sobre quem tinha a qualificação necessária para liderar o movimento davidiano. Esta disputa trouxe ao movimento General Association of Branch Davidian Seventh Day Adventists, inicialmente comandado por Benjamin Roden (1902-1978). O nome "Ramo" reflete sua crença de que esse é o novo nome de Jesus[6] . No final da década de 1960, o grupo se estabeleceu em uma nova sede em Waco, a leste da cidade, numa propriedade anteriormente ocupada pelo grupo davidiano depois de eles terem vendido sua propriedade anterior no início daquela década.

Entre 1958 e 1959, o Ramo tornou-se o primeiro grupo de cristão autorizado a imigrar para Israel[7] . Foi-lhes dada permissão para assentar três vilas lá, embora tivesse perdido duas delas em função da ausência de pessoas para habitá-las. Por causa de seus esforços, junto com muitos outros (a maioria de judeus), a vila remanescente, Amirim, tornou-se a primeira vila vegetariana em Israel, e permanece assim até hoje. Sendo vegetarianos estritos, eles estabeleceram a "The Branch Organic Agricultural Association", uma das primeira organizações a encorajar a agricultura orgânica em Israel.

Nessa mesma época, Benjamin Roden determinou à igreja a guarda da Santa Ceia e todos os dias bíblicos de festa. Em 1976, ele sugeriu na Conferência Geral que se fizesse a Santa Ceia diariamente, nas mesmas horas praticadas nos tempos bíblicos (a 3ª e a 9ª horas do dia). In 1981, Lois Roden (1905-1986), viúva de Benjamin, determinou a todos os membros do Ramo que fizessem a Santa Ceia nos mesmos horários.

Em 1977, a esposa de Ben Roden, Lois, declarou ter uma nova mensagem ela própria, em um elemento da doutrina: a de que o Espírito Santo seria feminino, o que levantou muita controvérsia no grupo. A nova mensagem a levou a um lugar de liderança no grupo, o que foi aceito por seu marido e por outros. Quando Benjamin Roden faleceu, no ano seguinte, o filho deles, George tentou assumir a liderança, dizendo que era de fato o profeta do grupo. Mas Lois conseguiu vencer a disputa, baixando uma injunção permanente contra George, proibindo-o de se tornar presidente da igreja[8] .

Em 1979, Lois Roden começou a publicar a revista Shekinah, na qual ela apresentava artigos de pessoas com origem cristã, judaica e outras, explorando o assunto da feminilidade do Espírito Santo e o sacerdócio feminino na igreja. Durante os anos seguintes, Lois apareceu em jornais nacionais e estrangeiros, rádios e emissoras de televisão discutindo sua mensagem. Ela distribuía seus escritos em muitos encontros religiosos, inclusive nos vários lugares no quais João Paulo II esteve quando veio aos Estados Unidos pela primeira vez, em 1979. Em função de suas ideias, de que o Espírito Santo era feminino e que mulheres deveriam ser admitidas no ministério, sua mensagem não encontrou apoio nas outras igrejas, cuja orientação era majoritariamente ou totalmente masculinas.

Entre o final de 1982 e o início de 1983, ela ganhou um prêmio do Religion in Media e de outros grupos cristãos por seu trabalho e por sua revista. Poucos meses depois, o prédio administrativo da igreja que continha todo o material impresso da revista foi destruído pelo fogo. Vernon Howell (que mudaria seu nome para David Koresh em 1990) admitiu mais tarde ter provocado o incêndio. Ele disse que o fez porque Deus assim teria dito para fazer, e que ele teria sido instruído a dizer a Lois que, "o Senhor deu ordem a teu respeito, que não mais do teu nome seja semeado" (Naum 1:14).

Doutrinas[editar | editar código-fonte]

Tal como os adventistas, os davidianos, e o Ramo tinham credos fundamentais em comum com as demais denominações cristãs, há um conjunto de doutrinas adicionais que davam a cada uma identidade própria, assim como os nomes. As que os três grupos têm em comum são:

  1. O sábado é o sétimo dia da semana, sendo assim, o Sabá da Bíblia. É, ao mesmo tempo, a memória da criação e sinal de santificação, um sinal de que é ao mesmo tempo um memorial da criação e um sinal de santificação, um sinal de descanso do crente em suas próprias obras do pecado, e sua entrada para o resto da alma que Jesus promete àqueles que vêm a Ele..[9]
  2. Jesus Cristo retornará em pessoa à Terra a reunir seus eleitos e levá-los para o céu durante 1000 anos, após o que ele vai voltar com eles a esta terra para morar com eles por toda a eternidade em seu reino.[10]
  3. A não imortalidade da alma. Isto é, os mortos não tem consciência, nem ser.[11]
  4. Deve haver uma ressurreição tanto dos justos, como dos injustos. A ressurreição dos justos terá lugar na segunda vinda de Cristo, a ressurreição dos injustos ocorrerá 1000 anos mais tarde, no final do milênio.[12]
  5. Há um santuário no céu, onde Cristo está ministrando em nome da humanidade.[13]
  6. Há um julgamento investigativo em curso no santuário celestial, que começou em 22 de outubro de 1844[14] para determinar quem sairá em cada uma das ressurreições, e que será traduzida, sem ver a morte na segunda vinda de Cristo.[15] Dito julgamento começou com os registros daqueles que tinham morrido, e acabariam por passar para a vida.
  7. Que a "marca da besta" (Ap. 13:16-18) será um decreto de execução universal os preceitos e doutrinas dos homens em oposição aos da Bíblia.
  8. O crente deve reconhecer seu corpo como templo do Espírito Santo e, assim, o crente será levado a abster-se de todas as bebidas intoxicantes, tabaco, e todos os outros narcóticos, e das carnes impuras - o vegetarianismo é a prática ideal.
  9. Uma característica que identifica a igreja é a presença do Espírito de Profecia. [16] Embora os adventistas creem que a referida doação foi manifestada em uma maneira especial através de Ellen G. White, que não reconheceu qualquer um como tendo o dom desde que ela morreu em 1915.

As doutrinas que distinguem os davidianos[17] e os ramos de reforma dos demais adventistas são:

  1. Os davidianos e os do ramo davidiano ensinam que o dom da profecia é tão importante na igreja que o presidente da associação deve possuí-lo. Embora os davidianos reconheçam que Victor T. Houteff possuísse tal dom, eles declaram que ninguém virá com esse dom até a "ressurreição especial"[18] no qual tanto Ellen White como ele retomarão seu trabalho. Ainda que essa crença seja contrária ao próprio ensinamento de Houteff nessa matéria[19] . Os davidianos que creem que o dom da profecia foi dado a Ben Roden após a morte de Houteff tornaram-se parte do Ramo Davidiano.
  2. Após a purificação da igreja, os santos retornaram à terra prometida na qual Cristo estabelecerá Seu reino[20] onde os 144.000,[21] que seguirão o Cordeiro aonde ele for,[22] ficarão com ele no Monte Sião[23] , e trarão em uma grande multidão, na qual não se contará a quantidade de pessoas"[24] , O reino passará a existir por um curto período de tempo como testemunha final para o mundo antes de Cristo vindo nas nuvens do céu para assumir a grande multidão de santos vivos e ressuscitados com ele por 1000 anos, período em que os santos hão de determinar a grau de punição devido ao não arrependimento. [25]
  3. Total abstinência de carnes, em preparação para o estado edênico do Reino[26] .
  4. Todos os dias de festa bíblicos e as práticas da igreja primitiva serão mantidos, [27] e os que foram tirados nos séculos após a morte dos apóstolos, através da influência do pensamento pagão suplantando a simplicidade do Evangelho serão restaurados para a igreja, incluindo a manutenção da verdadeira Ceia do Senhor. O Ramo ensina que o tempo chegou para a restauração dessas festas, e os Davidianos não creem nisso.

As doutrinas que distinguem o Ramo Davidiano dos demais davidianos e dos adventistas tradicionais são estas:

  1. O julgamento dos vivos começou no santuário celestial em 1955.
  2. A adoração diária deve ser mantida na 3ª e na 9ª horas do dia natural, em harmonia com a intercessão de Cristo no santuário celestial. Isto inclui a participação na Ceia do Senhor.
  3. A família é a imagem literal e semelhança da Trindade. Os aspectos femininos deste, devem ser entendidos como sendo o Espírito Santo. [28]

A afiliação de Vernon Howell (David Koresh) ao Ramo Davidiano[editar | editar código-fonte]

Em 1981 Vernon Wayne Howell (mais tarde renomeado David Koresh) juntou-se ao grupo após ser desassociado da Igreja Adventista de Tyler, Texas, por razões morais. Logo em seguida ele disse ter uma nova mensagem, mas isto não foi recebido por ninguém nessa época. Recusado em suas tentativas de fazer com que suas ideias fossem ouvidas, ele saiu e reingressou na igreja, para só voltar no início de 1983, e novamente no outono de 1983. Quando estava lá, ele iria oferecer seus serviços à sra. Roden em consertar carros e outros problemas mecânicos, ganhando assim sua confiança.

Nunca, em qualquer momento, ele realmente aceitou qualquer um dos ensinamentos morais básicos e as práticas dos membros do ramo davidiano dos adventistas do sétimo dia. O mesmo tipo de coisas que fizeram com que ele fosse desassociado da IASD teriam-no desqualificado como membro do Ramo. O fato de que mais tarde ele teve várias "esposas", uso de álcool e ingeriu carne (e ensinou seus seguidores a fazê-lo), tratou de armas de fogo, e usou várias técnicas questionáveis referentes à obrigação das consciências dos seus seguidores e diminuir da força física e mental, ainda o impediram de continuar a pertença à Igreja e sua liderança.

Nessa época, George Howell Roden forçado e seu grupo, e alguns outros, para deixar a propriedade. Pouco antes que o tempo Howell nomeou sua facção "Davidian Branch Davidian Adventista do Sétimo Dia Associação." Dentro de aproximadamente um ano depois de deixar milhões de toneladas. Carmelo Center, Howell e seus seguidores acabaram na Palestina, Texas, que era a sua sede para o próximo par de anos. Ao comando de Howell, seus seguidores deixou de distribuir qualquer um dos Branch Davidian e literatura depois que se juntou a ele.

Em 28 de março de 1985, Lois estava na justiça, impondo a injunção contra George. Naquele tempo, ela jurou ser a "presidente da Igreja Adventista do Sétimo Dia do Ramo Davidiano"[29] . Por volta de dois meses e meio depois, Vernon Howell envolveu-se numa outra disputa judicial, jurando ser o presidente dessa mesma igreja[30] e nomeou nove de seus seguidores, ex-membros do Ramo antes de se juntarem a ele em sua nova facção sob seu nome. O processo foi movido por George Roden. Ele dizia que Vernon e vários outros o estavam impedindo de se tornar o presidente do Ramo Davidiano. A defesa de Vernon contra a acusação de George foi a que ele era de fato o presidente de uma outra associação, i.e., a "Associação Adventista do Sétimo Dia do Ramo Davidiano".

Enquanto Howell e seus seguidores diziam que Lois Roden tinha passado, ou perdido, a presidência para ele, ele jamais discutiu isso na justiça, nem tentou exercer o seu propalado direito à presidência e ao nome da igreja até que ela morresse, em novembro de 1986. Ainda que George tivesse usado seu título de membro do associação para conseguir banir Howell do centro da Igreja em 1984, Howell jamais usou esse alegado direito à liderança para contornar a ação de George contra ele até que Lois morresse. Nem fez parte do inventário de Lois em janeiro de 1987. Lois, na função de presidente da igreja, possuía muitas propriedades da igreja em seu nome, de acordo com o Estatuto. E Howell não esteve nos procedimento para proteger a propriedade da igreja, algo que ele poderia e deveria ter feito se fosse o legítimo sucessor. Ao invés disso, no verão subsequente (1987), Howell começou a preencher vários doumentoss[31] no cartório de registros, que ele e seus seguidores foram para uma utilização posterior de exercício de sua reivindicação ao direito de usar a identidade da Igreja e da propriedade. Em todos os documentos nos quais ele assumiu o nome da igreja, ao invés de usar o novo nome de sua facção distinta, ele usou o nome da igreja comandada por Lois.

Muitas dessas nove pessoas citadas no comunicado de Howell a respeito de ser presidente de uma associação ("Davidian Branch Davidian ...") diferente do nome utilizado pelo Ramo tinham sido membros da igreja no âmbito do Conselho Executivo na época de Lois. Mas foi só depois que Lois morreu foi que Vernon usou esse fato para fazer parecer que eles ainda eram membros da associação, da qual Lois foi presidente, a fim de ganhar o uso da identidade da Igreja e da propriedade, e trazer desprezo às acusações contra George, fazendo com que ele perdesse a propriedade da igreja. Seus nomes apareceram na ordem do tribunal original de 1979 contra George, então, apesar do fato de que eles deixaram a igreja sob Lois para se juntar com Howell, que, sob o pretexto de ainda serem membros do "Conselho Executivo", moveram ações legais contra George depois que Lois morreu.

No início de novembro de 1987, Vernon e sete de seus seguidores fizeram o que as autoridades descreveram como um ataque militar a George, a fim de obter o controle do Centro de Monte Carmelo. Foi relatado que Vernon e seus seguidores disseram que estavam apenas tentando obter algumas fotografias de um cadáver que George tinha desenterrado. Eles alegaram que o Ministério Público havia solicitado que eles tirassem as fotos a fim de processar George. Essa afirmação é questionável, porque os magistrados estavam bem conscientes de que George tinha desenterrado o corpo, pois tinham investigado o assunto quase nove meses antes dessa época em que foi relatada a ele por Douglas Mitchell (um dos seguidores remanescentes de Lois), durante o momento do inventário de bens de Lois.[32] .

Foi relatado que, durante o ataque, Vernon e seus seguidores tinham "mais [[munição] que uma patrulha do Vietnã". Eles esconderam-se nas ruínas do prédio administrativo queimado pelo próprio Vernon em 1983 até a manhã na qual foram descobertos e um tiroteio começou entre eles e George. Há relatos de que o tiroteio tenha durado 45 minutos até que a polícia chegasse. Convenientemente para o futuro Koresh, os policiais foram encontrados por Perry Jones (o sogro de Vernon) nas proximidades de Monte Carmelo, que disse que estavam apenas tentando tirar fotos do cadáver exumado pelo filho de Lois Roden. Vernon e aqueles que estavam com ele foram postos na cadeia, esperando o julgamento pela acusação de tentativa de homicídio. Vernon foi afiançado enquanto os demais permaneceram na cadeira. Um dos policiais que testemunharam na Justiça disse que lhe pareceu que Vernon e seus seguidores estavam tentando usar os policiais de modo a obter o controle do Centro de Monte Carmelo.

Enquanto esperava pelo julgamento, George também foi preso em 21 de março de 1988 em função do uso de linguagem chula em certas ações judiciais. No dia seguinte, Perry Jones e vários dos outros seguidores de Vernon mudaram a sede de Palestine, Texas para o Centro de Monte Carmelo, em Waco.

No julgamento, o grupo de Vernon veio com seus filhos pequenos e ganhou muita simpatia do júri, que absolveu Vernon das acusações, cujas acusações movidas contra ele foram retiradas. Todas as armas foram-lhe devolvidas.

Mitchell, o último membro da igreja em Waco a ter trabalhado com Lois antes de ela morrer, saíra por volta de uma semana antes do tiroteio, de forma que não havia mais membros da igreja da época de Lois Roden em Waco que pudesse testemunhar no julgamento em 1988 que não fosse George. Portanto, nem o júri nem o público em geral sabiam que a liderança de Howell tinha uma natureza completamente diferente daquela da época de Victor Houteff ou da época de Benjamin e Lois Roden, respeitados pela comunidade de Waco, ou que ele fosse, na verdade, o líder de uma associação diferente sob um nome diferente.

A disputa pela sucessão de Lois Roden[editar | editar código-fonte]

Lois também encontrara problemas com o canadense Charles Pace, que se juntou à igreja no início da década de 1970 e que em 1981 também dissera ter uma mensagem especial para a igreja. Após examinar a mensagem de Pace e encontrar alguns erros em seu conteúdo, Lois pediu a ele que parasse de ensiná-la aos membros da igreja. Quando ele recusou-se a fazê-lo, ela o colocou sob uma espécie de censura, o que significava que ele poderia frequentar as reuniões da igreja, mas não passar sua mensagem nelas. Na Páscoa de 1984, Pace apresentou sua mensagem especial numa reunião liderada por George Roden. Ainda que Lois e os outros aceitassem pontos fundamentais dos ensinamentos de Pace, os erros significativos fizeram com que Lois nada publicasse naquele conteúdo.

Naquela reunião, Pace anunciou que acreditava que George seria o próximo presidente da igreja e lhe deu 14.000 dólares, de modo que ele- Pace - pudesse abrir um centro de saúde ali. Esse fato, apesar do fato de Lois ter dito aos membros da igreja que não dessem apoio financeiro a George, ainda sob a ordem judicial que o impedia de assumir a presidência da igreja, de modo que George não tinha autoridade para autorizar Pace a abrir um centro de saúde. Logo depois, Pace brigou com George, e este expulsou Pace da propriedade.

Após a morte de Lois no final de 1986, Pace mudou-se do Canadá para Gadsen, Alabama, montando sua própria facção, à qual dera inicialmente o nome de "The Living Waters Branch of Righteousness" ("O Ramo das Águas Vivas da Justiça") e mais tarde mudou o nome para "The Branch, The Lord (YHVH) Our Righteousness" ("O Ramo, O Senhor (YHVH), Nossa Justiça"). Embora ele declarasse ser o sucessor de Lois, não tomou parte no inventário de Lois e assim deixou que os bens da igreja e seu nome fossem para as mãos de George Roden, e depois, para Vernon Howell.

Em 1990, uma das primeiras publicações de Pace sob seu novo nome foi denominada Tudo está consumado. Pouco antes da morte de Lois, em novembro de 1986, ele declarou que a igreja não precisava mais realizar as horas diárias de oração, um esforço muito grande da parte de Benjamin e Lois Roden. Nesse ensaio, ele diz ser uma "abominação" manter o "vinho" (suco de uva) como emblema da Santa Ceia diária (conforme ensinado pelos Roden) porque Jesus não estaria mais intercedendo, mas apenas o Espírito Santo estava.

No testamento não certificado deixado por Lois, ela atribuiu a "Irmine Sampson, Teresa Moore, e o grupo de Nova Iorque" a responsabilidade de republicar os textos dela e de seu marido. Teresa assumiu essa responsabilidade crendo ter sido ungida para ser a próxima presidente da igreja, ainda que os outros não dissessem o mesmo sobre o que lhes fora mandado. Teresa esteve no ato judicial do inventário no início de 1987, mas não como parte. Após a audiência, ela disse a Doug Mitchell (que era parte no processo, com o objetivo de preservar os bens da igreja de abusos até que os membros pudessem se reunir) que aquilo era a opinião dela que os membros da igreja devessem deixar George Roden ter o controle do Centro de Monte Carmelo e dos demais bens da igreja. Dessa forma, ela voltou para casa e estabeleceu sua própria facção, dando-lhe o nome de The Lords of Sabbaoth, Our Righteous Branches, e abandonou a luta pelo nome e pela propriedade do Ramo Davidiano.

Amo Bishop associou-se a George Roden em 1987 e mais tarde casou-se com ele por alguns meses por "contrato". A condição mental de George estava se deteriorando muito naquela época e não muito tempo depois, ela acabou numa instituição psiquiátrica, na qual permaneceu até sua morte, em 1998. Amo declarou representar a igreja, embora rejeitasse muitos dos ensinamentos básicos da igreja. Mesmo tendo tentado conseguir permissão de George para representar seus interesses, ele, não muito tempo depois, retirou formalmente tal permissão. Ainda assim, Amo continuou a se apresentar como membro da igreja com direito a falar em seu nome, usando o sobrenome de George (Roden). Ela começou então a publicar seus próprios textos, os quais, de acordo com Mitchell e outros, não representavam de forma alguma os ensinamentos da igreja. Alguns dizem que ela é parte de um grupo cujo propósito é perturbar e manipular a imagem da igreja por razões nefastas. Eles dizem que ela estava se beneficiando da desorganização da igreja para publicar suas ideias sob os supostos auspícios da igreja.

Doug Mitchell juntou-se à igreja em 1978, e trabalhou próximo a Lois até a morte dela. Ele participou do inventário como parte com o propósito de preservar os bens da igreja, mas não houve sucesso, pois o juiz não reconheceu o fato, à medida que muito dos bens de Lois era de propriedades deixadas em confiança a ela pela igreja, e que nomeou dois de seus filhos que não eram membros da igreja como responsáveis pelas propriedades.

Disputa pela propriedade e status atual da igreja[editar | editar código-fonte]

Prédio no Centro de Monte Carmelo em 1995

Em função do segredo na época de Koresh e em função de alguns de seus seguidores originais estarem usando a condição de membro do Conselho Executivo da igreja para se mostrarem como ainda membros do Ramo e certos problemas sobre os direitos existentes sobre o terreno qual existiu o Centro de Monte Carmelo. A revelação dessas coisas deu a outros a oportunidade de disputar a propriedade do terreno de Monte Carmelo e o nome da Igreja. Em poucos meses Amo Bishop mudou-se para o local na base de ocupação solitária.

Após a morte de David Koresh, muitos de seus seguidores e apoiadores reconheceram Clive Doyle como o porta-voz de sua organização. Mas, de acordo com o Estatuto do Ramo Davidiano, os membros responsáveis pelas propriedade deveriam ser apontados pelo presidentes e como Koresh jamais fizera esse tipo de indicação e nem havia um presidente desde a morte de Koresh, em 1993, anunciou-se publicamente que não se esperava um novo após ele. A situação persiste até hoje. Desta forma, em 1986, fez-se um documento no qual se declara que o Ramo Davidiano estava se reorganizando fora dos parâmetros estabelecidos pelo Estatuto da igreja, nomeando 11 indivíduos para o conselho.

Depois do Cerco de Waco, em 1993, alguns dos membros fizeram uma ação para reaver a propriedade, confiscada após o fim do cerco. Na ação, quase incidentalmente, tentaram obter o título sobre o Centro de Monte Carmelo. Em 1996 a justiça declarou que o terreno pertencia a Igreja Adventista do Sétimo Dia do Ramo Davidiano, mas não disse o que constituía exatamente "a igreja"

Aproximadamente 50[33] a 70[34] pessoas foram à cerimônia realizada em 19 de abril de 2005. Naquela época, Clive Doyle estava vivendo no Centro de Monte Carmelo com o ajudante Ron Goins, cuidando de um pequeno museu e realizando serviços semanais no sabá. Charles Pace e sua família também viviam no terreno e realizavam serviços religiosos.

Todavia, as relações começaram a se deteriorar. Em agosto, Pace fez um batismo de seus membros em Monte Carmelo, junto com Goins, isto deixou Doyle como o único seguidor direto de Koresh na propriedade, o que fez com que ele declarasse estar sob intensa pressão para se converter ou abandonar o lugar. Em fevereiro de 2006, ele decidiu partir e fechar o pequeno museu.

Isto deixou o grupo de Pace com um controle questionável do Centro de Monte Carmelo. Pace opôs-se colocação de árvore no memorial, dando a tal ação o nome de paganismo e seu grupo removeu a árvore de David Koresh e destruiu a placa, para impedir o seu uso com fins de idolatria. Eles também remover as placas das outras árvores, com planos de incorporar as pedras para o próprio memorial para os mortos.

Em 2003, Mitchell fez um página na internet[35] na qual colocou a maior parte das publicações de Victor T. Houteff, Ben and Lois Roden, e seus próprios estudos, includindo uma detalhada apresentação do que ele denomina A guerra de Vernon Howell (mais conhecido por David Koresh) e outros contra os Adventistas do Sétimo Dia do Ramo Davidiano[36] , no qual ele apresenta uma pormenorizada e documentada análise da controvérsia a respeito da igreja e de seus seguidores. Mitchell diz que muitas pessoas examinaram e os de Koresh e seus seguidores, Charles Pace e Teresa Moore, considerando que os ensinamentos destes últimos eram divergentes das doutrinas fundamentais da igreja, apoiando a ele, Mitchell. Ele diz que a questão está longe de ser resolvida e que certos fatos podem aparecer para esclarecer a questão.

Referências

  1. http://books.google.com/books?hl=en&id=64mkTaGV4o4C&dq=the+branch+davidians+of+waco&printsec=frontcover&source=web&ots=SkrS6bMT28&sig=dZJYvV6wIlyKiVqMdHFw-_xs7CE&sa=X&oi=book_result&resnum=3&ct=result The Branch Davidians of Waco.
  2. Waco:Rules of Engagement (Film Documentary)
  3. "O sr. Ricks [negociador do FBI] disse hoje que a sra. Ms. Schroeder havia dito que os membros da seita, um grupo afastado da Igreja Adventista do Sétimo Dia, doravante querem ser conhecidos como koreshianos." By Robert Reinhold, Published: March 15, 1993 New York Times [brackets added].
  4. http://www.the-branch.org/Shepherds_Rod_Volume_1_Houteff
  5. Jeremias 30; Ezequiel 37:21-28; Oseias 3:1 5.
  6. Zacarias 3:8-10; 6:12, 13; Apocalipse 2:17, 3:12.
  7. "Pela primeira vez na história da colonização sionista, um grupo organizado de cristão recebeu status oficial em Israel como imigrantes reconhecidos, como todos os direitos reconhecidos e a ajuda moral. Um ano e meio atrás, cinco famílias de Adventistas do Sétimo Dia dos Estados Unidos e do Canadá imigraram para Israel. Eles foram para a vila de Amirim na Galileia, onde foram recebidos pelos camponeses judeus..." The Ministry, Set. 1960.
  8. http://www.the-branch.org/Page6.html
  9. Gen. 2:1-3; 1; Ex. 20:8-11; 31:12-17; Heb. 4:1-10.
  10. Luke 21:25-27; 17:26-30; João 14:1-3; Acts 1:9-11; Rev. 1:7; Heb. 9:28; James 5:1-8; Joel 3:9-16; 2 Tim. 3:1-5; Dan. 7:27; Matt. 24:36, 44.
  11. Ecl. 9:5, 6; S. 146:3, 4; João 5:28, 29.
  12. John 5:28, 29; 1 Thess. 4:13-18; Rev. 20:5-10.
  13. Heb, 6:19, 20; 9:1-28.
  14. (ao final dos 2300 "dias" de Daniel 8:14).
  15. 1 Tess. 4:13-17.
  16. Amós 3:7; Rev. 12:17, 19:10.
  17. http://www.the-branch.org/Fundamental_Beliefs_Davidian_Seventh_Day_Adventists_Houteff
  18. Daniel 12:1, 2.
  19. "...sem o vivo Espírito da Profecia em meio de nós não pode haver sucesso em qualquer ressurgência ou reforma e quanto antes soubermos disso, mais rápido atingiremos nosso objetivo". Timely Greetings, Vol. 1, No. 10, p. 27. http://www.the-branch.org/Success_In_Revival_And_Reformation_Nehemiah_Haggai_Houteff
  20. (Dan. 2:44; Isa. 2:1-4; Mic. 4; Ez.. 37).
  21. Rev. 7:1-8.
  22. (Ap. 14:4).
  23. (Ap. 14:1).
  24. Ap. 7:9.
  25. Ap. 20:1-7.
  26. Gênesis 1:29; Isa 11:9, 65:25.
  27. 1 Coríntios 5:7, 8.
  28. Romanos 1:19, 20; Gênesis 1:26, 27.
  29. http://www.the-branch.org/Page8.html
  30. http://www.the-branch.org/Page5.html
  31. http://www.the-branch.org/Page9.html
  32. http://www.the-branch.org/Page10.html
  33. CESNUR 2005 International Conference - The Davidians, The Branch Davidians and Globalization, by Bill Pitts.
  34. http://bdsda.tripod.com/newsletters/april_2005.html
  35. http://www.the-branch.org/index.php
  36. http://www.the-branch.org/Koresh's_Warfare_Against_True_Branch_Davidians_Doug_Mitchell

Ligações externas (em inglês)[editar | editar código-fonte]