Misericórdia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Misericórdia é um termo amplo que se refere a benevolência, perdão e bondade em uma variedade de contextos éticos, religiosos, sociais e legais.[1] [2] [3] [4]

O conceito de um "Deus misericordioso" aparece em várias religiões, incluindo Cristianismo, judaísmo e também no Islamismo.[1] [2] O ato de realizar ações de misericórdia como um componente da crença religiosa também é enfatizado através de ações como a doação de esmolas, o cuidar dos doentes e as obras de misericórdia.[5]

No contexto social e legal, a misericórdia pode se referir tanto ao comportamento compassivo por parte de quem está no poder (por exemplo, a misericórdia mostrado por um juiz no sentido de um presidiário), humanitário ou por parte de um terceiro, por exemplo, uma missão de misericórdia com o objetivo para tratar as vítimas de guerra.[3] [4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Misericórdia é a junção de duas palavras em latim: miseratio (compaixão) + cordis (coração).[6] Assim, pode-se entender literalmente misericórdia, como "coração compadecido".

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

No Antigo Testamento, Deus é considerado "misericordioso e compassivo" como no Salmos 103:8. A ênfase na misericórdia aparece em numerosas partes do Novo Testamento, por exemplo, como nas Bem-aventuranças em Mateus 5:7 "Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia",[1] a Parábola do Filho Pródigo (Lucas 15:11-32), tornou-se um tema importante sobre a extensão da misericórdia divina para os outros.[7] Em Efésios 2:4-5, o apóstolo Paulo refere-se à misericórdia de Deus em termos de salvação: "Mas Deus, sendo rico em misericórdia pela sua grande caridade com que nos amou, mesmo quando estávamos mortos pelos nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),".

Este elemento devocional de misericórdia, como parte da tradição cristã foi ecoado por Santo Agostinho que chamou a misericórdia "tão antiga e tão nova".[1] [8] as obras de misericórdia (sete corporal e sete obras espirituais) são parte das tradições Católica e ortodoxas orientais.[5]

Catolicismo romano[editar | editar código-fonte]

O Catecismo da Igreja Católica enfatiza a importância das obras de misericórdia (item 2447)[9] e no ensino católico romano, a misericórdia de Deus flui através da obra do Espírito Santo.[5] [9] inclui referências frequentes à liturgia católica romana misericórdia, por exemplo, como no Kyrie eleison ("Senhor, tende piedade (de nós); Cristo, tende piedade (de nós); Senhor, tende piedade (de nós)").

Islamismo[editar | editar código-fonte]

No Islã o título "Misericordiosíssimo" (al-Rahman) e Compassivo (al-Rahim) nomes de Allah, são os nomes mais comuns que ocorrem no Alcorão. Rahman e Rahim ambos derivam da raiz Rahmat, que refere-se a ternura e benevolência.[10] [2] Como uma forma de piedade, dar a esmola (zakat) é o quarto dos cinco pilares do Islã e um dos requisitos para os fiéis.[11]

Referências

  1. a b c d Matthew R. Mauriello (2011). Mercies Remembered. Xulon Press. pp. 149–. ISBN 978-1-61215-005-5.
  2. a b c Hamid Naseem Rafiabadi (2003). World Religions and Islam: A Critical Study. Sarup & Sons. p. 211. ISBN 978-81-7625-414-4.
  3. a b Austin Sarat; Nasser Hussain (2007). Forgiveness, Mercy, and Clemency. Stanford University Press. pp. 1–5. ISBN 978-0-8047-5333-3.
  4. a b Christoph Menke (2006). Reflections of Equality. Stanford University Press. p. 193. ISBN 978-0-8047-4474-4.
  5. a b c Joel C. Elowsky (2009). We Believe in the Holy Spirit. InterVarsity Press. pp. 105–107. ISBN 978-0-8308-2534-9.
  6. miseratio, cordis.
  7. Marianne Meye Thompson (2000). The Promise of the Father: Jesus and God in the New Testament. Westminster John Knox Press. p. 99. ISBN 978-0-664-22197-3.
  8. Santo Agostinho, Confissões, Livro X, 27
  9. a b "As obras de misericórdia são as acções caridosas pelas quais vamos em ajuda do nosso próximo, nas suas necessidades corporais e espirituais", Catecismo da Igreja Católica, A vida em Cristo, Terceira Parte, Segunda seção
  10. Vincent J. Cornell (2007). Voices of Islam: Voices of life: family, home, and society. Greenwood Publishing Group. p. 87. ISBN 978-0-275-98735-0.
  11. Hooker, Richard. Arkan ad-din the five pillars of religion. Washington State University.