Náutica de recreio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde agosto de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A navegação de recreio ou marinha de recreio é uma actividade recreativa praticada com embarcações, os Iates, ancorados em marinas.

Características[editar | editar código-fonte]

Os barcos de recreio são de tamanho variável, concebidos e adaptados exclusivamente para cruzeiros ou regatas.

A náutica de recreio começou a desenvolver-se no século XIX na Europa e nos EUA, praticando-se sobretudo com veleiros. O sector dos barcos a motor desenvolveu-se sobretudo na segunda metado do século XX.

As embarcações de recreio eram, inicialmente, essencialmente construídas em madeira. No entanto, a partir da segunda metade do século XX os cascos em resina reforçada ou em fibra de vidro acabaram por dominar o mercado. Ainda existem, no entanto, embarcações metálicas e em madeira (estas normalmente em contraplacado).

Entre os problemas colocados pela náutica de recreio figuram: a falta de lugar nos portos, ( marinas, os problemas sanitários ligados à utilização de instalações sanitárias a bordo e o fim de vida das embarcações cuja reciclagem não foi prevista.

Custos portuários[editar | editar código-fonte]

São sempre elevados tanto nos portos artificiais, já que os abrigos naturais têm elevadas taxas de ocupação. Um porto artificial raramente é rentável, por isso são concebidos em conjunto com promotores que os associam normalmente a empreendimentos imobiliários, campos de golf ou marinas.

Ver também[editar | editar código-fonte]