NEC Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de NEC do Brasil)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético.
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{spam}}, regra n° 6 da eliminação rápida.
NEC Brasil
Slogan Empowered by Innovation
Tipo Private Company
Indústria Electrônicos, Telecomunicações, Segurança
Fundação 1968
Pessoas-chave Director's, CEO
Empregados 780 [1]
Produtos Electrônicos, Telecomunicações, Segurança
Faturamento Aumento US$ USD
Página oficial http://www.nec.com.br

NEC Brasil é filial da NEC Corporation (Nippon Electric Company),[1] empresa japonesa de tecnologia.

Desde a sua fundação, em novembro de 1968, a NEC ajudou a fazer história. Sua trajetória no Brasil chega até mesmo a se confundir com a evolução das telecomunicações no país. Foram significativas as contribuições para a montagem da infra-estrutura em telecomunicações e iniciativas inéditas em desenvolvimento fabril, além de inúmeras conquistas tecnológicas.

O pioneirismo da NEC esteve presente desde o fornecimento e instalação dos primeiros equipamentos de transmissão de TV em cores no país, no fornecimento e produção local do primeiro rádio digital brasileiro, além de contribuir para alçar o país à era espacial, fornecendo equipamentos para a estação terrena de comunicação via satélite, o Brasilsat. No campo da telefonia celular, a NEC foi a primeira no fornecimento e instalação do sistema celular analógico, e alguns anos mais tarde, forneceu e instalou o primeiro sistema celular digital no país. Presente também na área de computação de alto desempenho, a NEC forneceu ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), de São José dos Campos, o primeiro supercomputador a operar em território brasileiro. Todas estas ações pioneiras, entre várias outras não menos importantes, são suportadas por um contínuo acompanhamento e aperfeiçoamento tecnológico, o que garante ao cliente uma parceria competente e confiável.

Em 2001, alinhando-se à reforma ocorrida no setor de telecomunicações, a empresa promoveu uma mudança de foco em suas operações: passou de fornecedora de equipamentos a provedora de soluções. Alicerçada na comprovada capacitação tecnológica do grupo NEC e na sua competência no gerenciamento de projetos, a empresa foca no atendimento das exatas necessidades dos clientes, através do fornecimento de soluções customizadas de alto valor agregado.

Em 1 de julho de 2005, a NEC inicia as atividades de sua mais nova empresa no país, a NEC Solutions Brasil. Através das duas empresas que trazem em seu histórico a competência de mais de 36 anos no mercado, a NEC direciona o foco de seus negócios em segmentos específicos, Corporações e Governo atendidas pela NEC Solutions Brasil e Operadoras de Comunicações, atendidas pela NEC Brasil, visando aprimorar a cada dia o atendimento a seus clientes.

A década de 1980 começou com mudanças drásticas na política brasileira, tendo como diretrizes o controle da inflação e o déficit no balanço de pagamentos. Em 1983 a NEC Brasil ponderou as contínuas resoluções do governo brasileiro de proteção às indústrias locais. A importação de produtos industrializados foi proibida e foram exigidos índices crescentes de nacionalização dos produtos fabricados no país. Para se adequar às medidas governamentais, o grupo, por meio de uma joint-venture, transferiu o controle acionário da NEC Brasil para a Brasilinvest Informática e Telecomunicações (BIT)[2] e Mário Garnero passou a exercer o cargo de presidente do Conselho de Administração da NEC Brasil.

Em 1985 o Banco Central do Brasil liquidou a Brasilinvest. As irregularidades constatadas levaram o então ministro da Fazenda, Francisco Dornelles, a solicitar a prisão preventiva de Mário Garnero. O Ministro das Comunicações Antônio Carlos Magalhães suspendeu o pagamento de uma dívida de US$ 30 milhões de um contrato de fornecimento de equipamentos já entregues pela NEC Brasil à Telebrás.[3] A transferência do controle acionário da NEC Brasil do empresário Mário Garnero ao jornalista Roberto Marinho foi consumada em outubro de 1986. Com o fim das empresas do Grupo Telebrás a NEC Brasil encerrou a sociedade com as Organizações Globo. Hoje o capital da NEC Brasil pertence 100% à NEC Corporation com sede no Japão.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.