Nebulosa do Véu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nebulosa do Véu
Nebulosa do véu ocidental, 24 polegadas, telescopio no Monte Lemmon
Nebulosa do véu ocidental, 24 polegadas, telescopio no Monte Lemmon
Descoberto por William Herschel
Data 1784
Dados observacionais (J2000)
Tipo Remanescente de supernova
Constelação Cygnus
Asc. reta 20h 45m 38.0s
Declinação +30° 42′ 30″
Magnit. apar. 7,0
Distância 1470 anos-luz
Dimensões 180 minutos de arco
Outras denominações
NGC 6960, 6992, 6995, 6974, and 6979, IC 1340, Cygnus Loop, Cirrus Nebula, Filamentary Nebula, Witch's Broom Nebula
[[Imagem:|250px|]]

A Nebulosa do Véu é uma enorme remanescente de supernova. Foi observada pela primeira vez por William Herschel[1] em 5 de setembro de 1784. A luz da explosão da supernova original provavelmente atingiu a Terra mais de 5.000 anos atrás. Devido ao seu tamanho, mais de 90 anos-luz de diâmetro[2] , suas partes mais brilhantes são reconhecidas como independentes. O Telescópio Espacial Hubble capturou diversas imagens da nebulosa. A análise das emissões da nebulosa indicam a presença de oxigênio, enxofre e hidrogênio.

Componentes[editar | editar código-fonte]

  • O Véu Ocidental é constituído pela NGC 6960
  • O Véu Oriental é constituído pelas NGC 6992, NGC 6995 e IC 1340
  • Triângulo de Pickering a mais brilhante na borda norte central do circuito

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. NGC 6960, 6979, 6992, 6995: A Nebulosa do Véu. Visitado em 6 de janeiro de 2013.
  2. William Blair. Resumos FUSE Ciência. Visitado em 6 de janeiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Nebulosa do Véu