Nomenclatura de fármacos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A nomenclatura farmacêutica é um conjunto de terminações adotadas e consensadas pela comunidade científica para fármacos[1] , visando reuní-los segundo sua atividade farmacológica no organismo. Entre os vários compostos, o primeiro tipo de nome para uma composição conhecida é o nome químico. Um dos mais relevantes nesta classificação é a Chemical Abstracts Services CAS Index da American Chemical Society.

Um único fármaco possui um conjunto de três ou mais nomes: sigla, código; nome químico; marcas comerciais; nome genérico, oficial ou comum e sinônimos ou outros nomes. A sigla deriva tradicionalmente do nome do laboratório, pesquisador ou grupo de pesquisa e não é mais usada quando se escolhe um nome. Nome registrado é o escolhido pelo fabricante e o genérico é escolhido pelo órgãos reguladores do país. O nome químico é resultante de sua estrutura química. Os sinônimos são aqueles diferentes dos nomes dados pela Organização Mundial de Saúde. O nome de fármacos devem ser escritos com inicial minúscula[2]

Tipos de nomes de drogas[editar | editar código-fonte]

farmacos possuem tres ou mais nomes. sigla, numero do codigo ou designação do codigo nome quimico nome generico nome registrado sinonimos

Quando temos um novo composto derivado de plantas e animais, que não são compostos puros, cientificamente adota-se termos bioquímicos ou zoológicos. A maioria das drogas em desenvolvimento recebem um código formados pela combinação de uma letra e de um número. As letras, em geral, representam a sigla do laboratório de pesquisa e os números são aleatórios, seguindo regimentos internos.

Também podem ser utilizados acrônimos, sendo este uma prática que pode conter impresições. Como exemplo, podemos citar o acrônimo AZT, que é um acrônimo da azatioprina e do medicamento zidovudina.

Para facilitar os estudos, são utilizadas terminações que agrupam substâncias com mesmas características de ação.

Exemplos de terminações[editar | editar código-fonte]

Exemplos de radical. Definição Fármaco-exemplo
-aco Agentes antiinflamatórios derivados do ácido acético broncofenaco
-barb ou -barb- Derivados do ácido barbitúrico fenobarbital
-cilina Penicilinas ampicilina
-lutamida Antiandrogênio flutamida
-prazol Antiúlcera omeprazol
-opril Anti-hipertensivos pentopril
-tidina Antagonistas do receptor H2 cimetidina
-amivir Inibidores da neuraminidase zanamivir

Notas e referências

  1. Herrera, Joaquim, Manual de Farmacia Clinica y atencion farmaceutica.
  2. GOMES, Maria José Vasconcelos de Magalhães. REIS, Adriano Max Moreira. Ciências farmacêuticas: uma abordagem em farmácia hospitalar. São Paulo: Atheneu, 2006 ISBN 85-7379-311-2
Ícone de esboço Este artigo sobre fármacos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.