Operação Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Operação Norte (em russo: Операция "Север") foi o nome de código atribuído pelo Ministério da Segurança do Estado da União Soviética[1] a deportação maciça dos Testemunhas de Jeová e suas famílias para a Sibéria na União Soviética em 1 e 2 abril de 1951.[2] [3] [4] [5]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Quase não havia Testemunhas de Jeová na União Soviética até a sua anexação dos Estados bálticos, Bielorrúsia Ocidental, Oeste da Ucrânia, Bessarábia e Bucovina do Norte, a maioria deles estavam localizados nas Repúblicas Socialista Soviética Moldava e na Ucraniana. As Testemunhas de Jeová entraram em conflito com o poder soviético, principalmente por causa da sua recusa em se juntar ao exército por motivos religiosos.[3]

Seus ensinamentos foram logo considerados como anti-soviéticos. Membros de grupos religiosos, principalmente as Testemunhas de Jeová, eram qualificados como elementos religiosos e considerados um perigo potencial para o regime comunista.[6] [7] Em novembro de 1950, Viktor Abakumov relatou sua idéia a Stalin sobre a deportação e Stalin sugeriu esta para Março-Abril de 1951.[2]

Implementação[editar | editar código-fonte]

Em 19 de fevereiro de 1951, Abakumov entregou uma correspondencia secreta[8] para Stalin, detalhando os planos para as deportações das Testemunhas de Jeová para os Oblast de Tomsk e Irkutsk na Sibéria, citando que durante os anos de 1947 a 1950, 1.048 dirigentes e ativistas das Testemunhas de Jeová tinham sido presos, cinco casas de impressão haviam sido descobertas, e grandes quantidades de impressos confiscados.

Segundo o plano os deportados seriam autorizados a carregar um máximo de 150 quilos de bens, os restante seriam confiscados "para cobrir as obrigações dos deportados ao Estado".[3] De acordo com o plano de Abakumov o números de deportados seria:[9]

  • Número total: 8.587 pessoas (3.048 famílias), incluindo:
    • Ucrânia - 6.140 pessoas (2.020 famílias);
    • Bielorrúsia - 394 pessoas (153 famílias);
    • Moldávia - 1.675 pessoas (670 famílias);
    • Letônia - 52 pessoas (27 famílias);
    • Lituânia - 76 pessoas (48 famílias);
    • Estônia - 250 pessoas (130 famílias).

Em 3 de março de 1951, o Conselho de Ministros da União Soviética emitiu o decreto n º 667-339ss[10] , seguido por uma ordem do Ministério da Segurança do Estado (n º 00.193[10] ), de 5 de Março de 1951. Em 24 de março, o Conselho de Ministros da Moldávia emitiu o decreto sobre o confisco e a venda da propriedade dos deportados.

A Operação Norte começou às 4 da manhã em 1 de Abril de 1951, e terminou em 2 de abril. Os deportados foram classificados como "colonos especiais".[2] No total, 9.389 pessoas foram deportados de todo o país.[10]

Anistia e absolvição[editar | editar código-fonte]

Em 30 de setembro de 1965, o decreto (n º 4020-1U[10] ) do Presidium do Conselho de Ministros da URSS cancelou a restrição do "acordo especial" para membros dos quatro grupos religiosos deportados e seus familiares. No entanto, este decreto assinado por Anastas Mikoyan afirmou que não haveria compensação para os bens confiscados, e que o retorno a seus lugares de residência anterior estava sujeita à aprovação das administrações locais. Apesar de poderem retornar, as Testemunhas de Jeová continuaram a serem perseguidos legalmente devido à sua ideologia ser classificada como anti-soviética.

A organização foi finalmente legalizada na União Soviética em 1991. Os deportados e condenados das Testemunhas de Jeová (e outras religiões relacionadas) foram reabilitados como vítimas de repressões políticas na União Soviética pelo ukase número 378 do Presidente da Federação da Rússia, de 3 de março de 1996, "sobre as medidas de reabilitação dos sacerdotes e fiéis que se tornaram vítimas das repressões injustificadas".[3] [10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Operation North"
  2. a b c Валерий Пасат ."Трудные страницы истории Молдовы (1940-1950)". Москва: Изд. Terra, 1994
  3. a b c d "Christian Believers Were Persecuted by All Totalitarian Regimes" Prava Lyudini ("Rights of a Person"), Jornal Ucraniano da Organização dos Direitos Humanos, Kharkiv, Dezembro 2001
  4. Charles King, The Moldovans: Romania, Russia, and the Politics of Culture, Hoover Institution Press, 2000, p.96
  5. "50th Anniversary of the Operation North", Boletim #23, (2001), do Memorial Society
  6. Comisia Prezidenţială pentru Analiza Dictaturii Comuniste din România: Raport Final / ed.: Vladimir Tismăneanu, Dorin Dobrincu, Cristian Vasile, Bucureşti: Humanitas, p. 754, (2007), ISBN 978-973-50-1836-8
  7. Elena Şişcanu, Basarabia sub ergimul bolşevic (1940-1952), p.111, Bucureşti, Ed. Semne, (1998)
  8. titled Записка МГБ СССР "О необходимости выселения из западных областей Украины и Белоруссии, Молдавской, Латвийской, Литовской и Эстонской ССР участников антисоветской секты иеговистов и членов их семей".
  9. "Recalling Operation North", by Vitali Kamyshev, "Русская мысль", Париж, N 4363, 26 April 2001 (em russo)
  10. a b c d e "A Survey of Judicial Practice of the Jehovah's Witnesses Cases", G.A.Krylova