Pai Mei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Pai Mei (Chinês: 白眉; Wade-Giles: Pai Mei; pinyin: Bái Méi; literalmente Sobrancelha Branca) é um personagem do filme estado-unidense Kill Bill.

Pai Mei - O Mito[editar | editar código-fonte]

Sua primeira aparição se deu no filme Carrascos de Shaolin, 1977 (título original:Executioners From Shaolin - Hung Hsi-Kuan) dirigido por Chia-Liang Liu,interpretado por Lieh Lo. Pai Mei tornou-se um ícone da cultura pop depois de sua grandiosa participação em Kill Bill de Quentin Tarantino, interpretado por Gordon Liu (ou Jia-hui, ou ainda Lau Kar-fai, em cantonês). Deve-se observar que se trata de um individuo de temperamento forte, impiedoso, brutal e com o mínimo de compaixão e respeito pela vida humana.

Sua idade é uma incógnita.

A lenda[editar | editar código-fonte]

Conta-se que Pai Mei foi um dos únicos cinco sobreviventes do incêndio do monastério Shaolin, provocado pelos manchus em 1768. Muito provavelmente, o monge Pai Mei (também conhecido como Pak Mei, em Cantonês) é um dos vilões mais notórios das artes marciais, apontado como o culpado por uma das maiores tragédias de toda a história do kung fu, quando teria traído o templo Shaolin do Sul. Existem diversas lendas que apresentam Pai Mei como um dos resposáveis pela destruição do monastério Shaolin, enquanto outras dizem que ele decidiu permanecer numa posição de neutralidade durante a revolta contra o regime Qing, e que um dos seus discípulos, um famoso lutador, foi contratado pelos manchus para caçar e matar os monges rebeldes. Outra versão diz que Pai Mei foi capturado pelos manchus e, temendo por sua vida, decidiu unir-se a eles, ajudando uma tropa manchu a se infiltrar no templo. Depois disso, o monastério teria sido reduzido a cinzas num grande incêndio, deixando como saldo alguns poucos sobreviventes.

Porém, de acordo com o mestre Chou Deji, de Foshan, descendente direto de Pai Mei, seu ancestral nada teve a ver com o incêndio de 1768 e esta história errônea teria sido propagada pelo povo, o que fez com que o estilo de kung fu desenvolvido e ensinado por Pai Mei tivesse praticamente desaparecido do conhecimento público, já que os seus praticantes eram considerados como traidores, sendo constantemente perseguidos.