Pascendi Dominici Gregis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasão pontifício de São Pio X

Pascendi Dominici Gregis é uma encíclica papal promulgada pelo Papa Pio X em setembro de 1907. Seu subtítulo diz: Carta Encíclica do Papa Pio X sobre os erros do modernismo. O Documento, assim, condena o modernismo católico, considerado uma "síntese de todas as heresias", com sua junção de evolucionismo, relativismo, cripto-marxismo, cientificismo e psicologismo.

Como consequência da Encíclica, o papa formulou o "juramento anti-modernista", obrigatório para todos os padres, bispos e catequistas. Curiosamente, tal juramento só foi abolido em 1967, pelo Papa Paulo VI. Este facto levou os católicos tradicionalistas a acusarem que o outrora combatido modernismo tornou-se na doutrina subjacente da "nova Igreja". Um dos mais influentes filósofos modernistas foi Teilhard de Chardin, que pretendia reunir catolicismo com darwinismo e marxismo.

Os católicos tradicionais vêem este documento como evidência de que a Igreja Católica e os papas anteriores ao Concílio Vaticano II já estavam atentos para a infiltração de inimigos da Tradição no seio da instituição. Muitos tradicionalistas consideram o Papa Paulo VI um modernista, como o norte-americano Rama Coomaraswamy, em "Ensaios sobre a Destruição da Tradição Cristã" (São Paulo, 1990).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]