Modernismo (teologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde janeiro de 2011)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Parte de uma série da
História da teologia cristã
Bible.malmesbury.arp.jpg
Contexto

Quatro marcas da Igreja
Cristianismo primitivo · Cronologia
História do cristianismo
Teologia · Governo eclesiástico
Trinitarianismo · Não-trinitarianismo
Escatologia · Cristologia · Mariologia
Cânon bíblico: Deuterocanônicos e Livros apócrifos

Visões teológicas da história

De Civitate Dei · Sucessão Apostólica
Landmarkismo · Dispensacionalismo·Restauracionismo

Credos

Credo dos Apóstolos · Credo Niceno
Credo da Calcedônia · Credo de Atanásio

Patrística e Primeiros Concílios

Pais da Igreja · Agostinho
Nicéia · Calcedônia · Éfeso

Desenvolvimento Pós-Niceno

Heresia · Lista de heresias
Monofisismo · Monotelismo
Iconoclastia · Gregório I · Alcuíno
Fócio · Cisma Oriente-Ocidente
Escolástica · Aquino · Anselmo
William de Ockham · Gregório Palamas

Reforma

Reforma protestante
Lutero · Melanchthon · Calvino
95 Teses · Justificação · Predestinação
Sola fide · Indulgência · Arminianismo
Livro de Concórdia · Reforma Inglesa
Contra-reforma · Concílio de Trento

Desde a Reforma

Pietismo · Avivamento
John Wesley · Grande Despertamento
Movimento de Santidade
Movimento Vida Superior
Movimento Pentecostal
Neopentecostalismo
Existencialismo
Liberalismo · Modernismo · Pós-modernismo
Concílio Vaticano II · Teologia da Libertação
Ortodoxia radical · Jean-Luc Marion
Hermenêutica · Desconstrução-e-religião

P christianity.svg Portal do Cristianismo

Na teologia católica, o Modernismo é uma corrente heterogénea de pensamento que, basicamente, defende a evolução (e modificação ou transformação) do dogma e "uma reinterpretação da religião à luz do pensamento científico do século XIX" [1] . Apareceu nos finais do século XIX e atingiu o seu auge no início do século XX. Teve como principais defensores os teólogos Alfred Loisy, George Tyrell, Ernesto Buonaiuti , Dimnet e Albert Houtin [2] .

Etimologia e Principais ideias[editar | editar código-fonte]

O termo Modernismo apareceu, pela primeira vez, na encíclica Pascendi Dominici Gregis (1907), escrito pelo Papa São Pio X. Este Papa usou este termo para designar todos aqueles que defendiam e ensinavam que "Deus não pode ser reconhecido por critérios objetivos racionais, mas apenas pelo sentimento subjetivo do homem" [2] .

Consequentemente, os modernistas defendiam que os dogmas e "a verdade religiosa não seriam imutáveis, mas volúveis como o homem é mutável e volúvel; Cristo não teria ensinado um corpo de doutrinas válidas para todos os tempos, mas apenas teria dado início a um movimento religioso a ser adaptado aos diversos tempos da história". Por isso, eles alegam que "o Catolicismo contemporâneo não se poderia conciliar com a verdadeira ciência; para conseguir, deveria tornar-se não dogmático ou transformar-se em protestantismo liberal" [2] .

Mas, é preciso diferenciar o conceito modernista de evolução do Dogma com o conceito de desenvolvimento do Dogma, que é aceite pela Igreja.

Condenação oficial[editar | editar código-fonte]

O Papa Pio X, que defendia intransigentemente a ortodoxia doutrinária, condenava por isso, com todas as suas forças, o modernismo, que é encarado por ele como a "síntese de todas as heresias". Esta sua forte condenação está expressa, por exemplo, nos documentos Lamentabili Sane Exitu (1907) e Pascendi Dominici Gregis (1907) [2] . Indo mais longe, este Papa formulou inclusivamente o "juramento anti-modernista", obrigatório para todos os padres, bispos, catequistas e seminaristas [1] .

Concílio Vaticano II[editar | editar código-fonte]

Depois da realização do Concílio Vaticano II (1962-1965), os círculos católicos mais progressistas ou liberais, afirmando que o Concílio apresentou uma ruptura em relação à Tradição católica, propuseram por isso uma hermenêutica ou interpretação liberal dos documentos conciliares, levando ao extremo o aggiornamento proposto pelo Papa João XXIII. Esta corrente divergente, reinterpretando os documentos conciliares e a própria Tradição católica, afirma, por exemplo, que a missão da Igreja não devia ser a salvação eterna do homem, mas sim, que a sua missão haveria que ser de ordem preferentemente temporal. Estes defensores da ruptura são muitas vezes designados por neo-modernistas, nomeadamente nos círculos mais conservadores.

Estes neo-modernistas chegam a ponto de afirmar "que os textos do Concílio como tais ainda não seriam a verdadeira expressão do espírito do Concílio", sendo por isso "preciso ir corajosamente para além dos textos, deixando espaço à novidade em que se expressaria a intenção mais profunda, embora ainda indistinta, do Concílio. Em síntese: seria necessário seguir não os textos do Concílio, mas o seu espírito", que cria assim um grande espaço de manobra, de incerteza e de inconstância. Isto dá um sentido diferenciado ao verdadeiro "espírito conciliar" proposto por João XXIII [3] .

Estes liberais, ainda em nome de um pretenso "espírito conciliar", causaram no mundo eclesiástico católico uma crise de fundo "neo-modernista" e de ruptura, com várias práticas contrárias à doutrina e à disciplina da Igreja, em desacordo com os documentos do próprio Concílio. Atualmente esta visão neo-modernista perdeu influência dentro da igreja, com a hegemonia do grupo teológico ligado aos Papas João Paulo II e Bento XVI.

Actualidade[editar | editar código-fonte]

O "juramento anti-modernista" só foi abolido em 1967, pelo Papa Paulo VI[carece de fontes?], que, tal como muitos prelados, deixaram de usar o termo modernismo, porque é demasiado ambíguo e pode ser confundido com o movimento artístico modernista. O Magistério da Igreja Católica preferiu, desde então, identificar de um modo mais preciso os erros modernistas com o seu próprio nome, como foi o caso do secularismo, laicismo, liberalismo, relativismo, subjectivismo e o cientificismo.

Mas, o termo modernismo voltou a ser cada vez mais usado nos círculos católicos tradicionalistas ou mais convervadores, para rotular os católicos mais progressistas ou até o próprio aggiornamento defendido pelo Concílio Vaticano II.

Não obstante o facto das sucessivas condenações dos Papas, algumas idéias modernistas, "com vocabulário próprio, reaparecem no modo de pensar de teólogos contemporâneos", nomeadamente dos defensores da teologia da libertação [2] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.