Papa Clemente I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São Clemente I
papa
Nome de nascimento Clemens Romans
Nascimento Roma,
35
Eleição 88
Fim do pontificado 97 (62 anos)
Antecessor Anacleto
Sucessor Evaristo
Listas dos papas: cronológica · alfabética

São Clemente I,também conhecido como Clemente Romano (em latim, Clemens Romanus), foi o quarto papa da Igreja Católica, entre 88 e 97. Nascido em Roma, nos arredores do Coliseu, de família hebraica, foi um dos primeiros a receber o batismo de São Pedro. Foi sucessor de Anacleto I (ou Cleto) e autor da Epístola de Clemente aos Coríntios (segundo Clemente de Alexandria e Orígenes), o primeiro documento de literatura cristã, endereçada à Igreja de Corinto. Ele foi o primeiro Pai da Igreja[1] .

Discípulo de São Pedro, após eleito restabeleceu o uso da Crisma, seguindo o rito do primeiro Papa e iniciou o uso da palavra Amém nas cerimónias religiosas. É conhecido pela carta que escreveu para atender a um pedido da comunidade de Corinto, na qual rezava uma convincente censura à decadência daquela igreja, devida sobretudo às lutas e invejas internas entre os fiéis (consta que os presbíteros mais jovens teriam usurpado as prerrogativas dos mais velhos), estabelecia normas precisas referentes à ordem eclesiástica hierárquica (bispos, presbíteros, diáconos) e ao primado da Igreja de Roma, que se ressalta ainda mais pelo fato de São João Evangelista ainda estar vivo e não ter intervido em tal crise.

Obras[editar | editar código-fonte]

Epístola de Clemente aos Coríntios[editar | editar código-fonte]

A única obra genuína de Clemente ainda existente é uma carta dele para igreja de Corinto, geralmente chamada de "Clemente I". A história de I Clemente demonstra claramente - e continuamente - a autenticidade da autoria por Clemente. Ela pode ser considerada o mais antigo documento cristão não incluído no Novo Testamento.

Clemente escreveu para a problemática congregação em Corinto, onde alguns "presbíteros" ou "bispos" tinham sido depostos (na época, os clérigos acima do posto de diácono eram tratados de forma indistinta)[2] . Nela, Clemente clama pela restauração dos que foram depostos e pelo arrependimento dos faltosos, em linha com a manutenção da ordem e obediência à autoridade da Igreja estabelecida pelos doze apóstolos com criação dos "diáconos e bispos"[2] . Ele menciona "oferecer os presentes" (uma referência à Eucaristia) como uma das funções do alto episcopado de então[2] .

Primazia da Sé de Roma[editar | editar código-fonte]

Em I Clemente, o bispo de Roma pede para que recebam os bispos que tinham sido expulsos injustamente dizendo: “Se algum homem desobedecer às palavras que Deus pronunciou através de nós [plural majestático], saibam que esse tal terá cometido uma grave transgressão, e se terá posto em grave perigo”. E São Clemente incita então os coríntios a “obedecer às coisas escritas por nós através do Espírito Santo (59:1[3] ). A autoridade de Clemente como bispo de Roma acaba corroborando a afirmação da Igreja Católica que defende que estas ações revelam que, já desde cedo, a de Roma (e o seu bispo, que é o Papa) tinha primazia sobre os cristãos.

Obras que já foram um dia atribuídas a Clemente[editar | editar código-fonte]

São Clemente"', por Tiepolo

O autor destas obras é desconhecido. Porém a tradição acadêmica o chama de "Pseudo-Clemente" para diferenciá-lo das obras consideradas autênticas de Clemente.

Segunda Epístola de Clemente[editar | editar código-fonte]

A segunda epístola de Clemente é uma homilia, ou sermão, provavelmente escrito em Corinto ou em Roma, mas não por Clemente[2] . As congregações da Igreja antiga muitas vezes compartilhavam estas homilias entre si e é possível que a Igreja para a qual Clemente enviou sua primeira epístola tenha incluído uma homilia festiva para economizar no envio e, assim, ela acabaria se tornando II Clemente.

Atualmente, os estudiosos acreditam que ela foi escrito no século II d.C. baseados nos temas do texto e na coincidência de palavras entre o texto de II Clemente e o apócrifo Evangelho Grego dos Egípcios[1] [4] .

Epístolas sobre a virgindade[editar | editar código-fonte]

Duas "Epístolas sobre a Virgindade" foram tradicionalmente atribuídas à Clemente, mas hoje existe quase que um consenso de que ele não foi o autor delas.[5] .

Falsos Decretos[editar | editar código-fonte]

Uma coleção de legislação eclesiástica conhecida como "Falsos Decretos", que um dia foram atribuídas a Isidoro de Sevilha, é basicamente constituída de falsificações. Ali estão cartas de papas pré-nicenos, começando com Clemente, e nada é verdadeiro [carece de fontes?], assim como os documentos atribuídos aos próprios concílios[6] e mais de quarenta outras falsificações dos papas pós-nicenos estão ali também, do Papa Silvestre I (314 - 335) até o Papa Gregório II (715 - 731). Os Falsos Decretos eram parte de uma série de falsificações sobre a legislação passada por um partido no império Carolíngio, cujo principal objetivo era libertar a igreja e os bispos das interferências do estado e dos arcebispos metropolitanos[6] .

Clemente está incluído entre os primeiros papas cristãos como autor de alguns destes Falsos Decretos. Eles e as cartas que ali estão retratam mesmo os papas mais antigos alegando absoluta e universal autoridade[7] .

Literatura Clementina[editar | editar código-fonte]

Clemente também foi retratado como o herói de um romance (ou novela) na Igreja antiga que sobreviveu em pelo menos duas versões diferentes, conhecidas como "Literatura Clementina", onde ele é identificado com o primo do imperador Domiciano, Titus Flavius Clemens. A Literatura Clemente retrata Clemente como o meio que apóstolos encontraram de disseminar seus ensinamentos para a igreja[2] .

Morte[editar | editar código-fonte]

Neste pontificado ocorreu uma segunda perseguição aos cristãos, na época de Domiciano. Com Nerva, os cristãos viveram uma temporada de paz. Mais tarde, Clemente foi preso no reinado de Trajano. Após ser detido e condenado ao exílio, com trabalhos forçados nas minas de cobre de Galípoli; no ano 97, decidiu que os cristãos não podiam ficar sem um guia espiritual, renunciando em favor de Santo Evaristo. Converteu muitos presos e por isso, no ano 100 foi atirado ao mar com uma pedra amarrada ao pescoço, tornando-se num mártir cristão dos princípios da Cristandade. Seu corpo foi recuperado da águas e sepultado em Quersoneso, na Crimeia, de onde, mais tarde, por ordem de Nicolau I, seu corpo foi levado a Roma.

A Igreja Bizantina Grega celebra Clemente como santo e mártir no dia 24 de novembro (assim como Pedro). Na Igreja Bizantina Russa, os dois são lembrados no dia 25 de novembro. Na Igreja Romana, 23 de novembro. Em sua honra, foi erguida a Basílica de São Clemente.

Referências

  1. a b Wikisource-logo.svg "Pope St. Clement I" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.
  2. a b c d e Cross, F. L., ed.. The Oxford Dictionary of the Christian Church: artigo: Clement of Rome, St. (em inglês). New York: Oxford University Press, 2005.
  3. Texto completo de I Clemente (em inglês). Early Christian writings. Página visitada em 06/02/2011.
  4. McBrien. Lives of the Popes (em inglês). [S.l.]: HarperCollins, 2000. 35 p.
  5. Riddle, M. B. Introductory Notice to Two Epistles Concerning Virginity (em inglês). [S.l.: s.n.].
  6. a b Donation of Constantine (em inglês). Encyclopædia Britannica (11ª edição). Página visitada em 06/02/2011. e Cross, F. L., ed.. The Oxford Dictionary of the Christian Church: artigo: pre-Nicene Popes (em inglês). New York: Oxford University Press, 2005.
  7. "Estes documentos antigos foram construídos para mostrar que mesmo nas mais antigas práticas e tradições cristãs, nenhum bispo poderia ser deposto, nenhum concílio poderia ser convocado e nenhum assunto importante poderia ser decidido sem o consentimento do Papa. Mesmo os Papas mais antigos, por estas evidências, teriam alegado autoridade absoluta e universal como vigários de Cristo na Terra." em DURANT, Will. The Age of Faith (em inglês). New York: Simon and Schuster, 1972. 525 p.


Precedido por
Anacleto
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

4.º
Sucedido por
Evaristo


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Papa Clemente I