Papa Eusébio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eusébio
31º papa
Nascimento Grécia
ca. 255
Eleição 18 de Abril de 309
Fim do pontificado 17 de Agosto de 310 (55 anos)
Antecessor Marcelo I
Sucessor Melquíades
Listas dos papas: cronológica · alfabética

O Papa Eusébio (em latim: Eusebius, Sardenha[1] ou Grécia[2] , 255? – Sicília, 21 de outubro de 309) foi o trigésimo primeiro papa da Igreja Católica, que o venera como santo e mártir, tendo sido eleito em 18 de abril de 309 e permanecendo como Sucessor de Pedro até 17 de agosto de 309.

Seu pontificado durou apenas quatro meses, em consequências das perturbações e atos de violência na Igreja, devido a uma rumorosa disputa sobre a readmissão dos apóstatas[3] , foi banido pelo imperador Magêncio, que governava Roma desde 306 e tinha se mostrado simpático aos cristãos.

Eusébio morreu em 17 de agosto de 309, no exílo na Sicília e foi enterrado na catacumba de São Calisto.

O Papa Dâmaso I colocou um epitáfio em seu túmulo.

Sua festa é no dia 26 de setembro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Os detalhes do seu pontificado podem ser deduzidos a partir do epitáfio de oito hexâmetros composto pelo Papa Dâmaso I para a sua tumba.

FEITO POR DÂMASO, BISPO – Heráclio não quis que os lapsi fizessem penitência pelos seus pecados. Eusébio ensinou aos míseros a chorarem suas culpas. Dividiram-se em duas partes os fiéis com o crescer da paixão. Rebeliões, assassinatos, guerras, discórdia, disputas. Improvisamente, ambos são expulsos pelo ferocíssimo tirano Magêncio, ainda que o papa tenha conservado intactos os vínculos da paz. Com prazer, sofreu o exílio por juízo do Senhor e, na costa da Sicília, deixou o mundo e a vida. A EUSÉBIO, BISPO E MÁRTIR.


Graças somente a antigas transcrições que este epitáfio chegou até os dias de hoje. Alguns fragmentos do original, juntamente com uma cópia de mármore do Século VI construída para substituir o original destruído, foi encontrada por Giovanni Battista de Rossi na capela papal da Catacumba de São Calisto. A partir desta inscrição se infere que graves dissensões internas na Igreja Romana sobre a readmissão dos apóstatas – os lapsi – após a Perseguição de Diocleciano, que já tinha criado problemas ao Papa Marcelo I. Eusébio confirmou a atitude adotada pelo seu antecessor: excomungar os que tinham apostatado, com a possibilidade de serem readmitidos aqueles que, depois de um ato público de penitência (Eusebius miseros docuit sua crimina flere), manifestassem um sincero arrependimento.

Este ponto de vista foi combatido por uma facção de cristãos comandada por um certo Heráclito. Não se sabe se este último e seus sustentadores apoiassem um ponto de vista mais novacionista e, portanto, mais rígida, ou uma atitude mais clemente. Seja como for, a segunda hipótese é, de longe, a mais provável: Heráclito deveria ser o líder de um movimento de apóstatas que exigiam a reintegração imediata no corpo da Igreja. Damaso descreveu com termos muito fortes o conflito (seditio, cœdes, bellum, discordia, lites). É provável que Heráclito e os seus liderados procurassem facilitar a própria readmissão à Sagrada Liturgia e que os fiéis agrupados em torno dele estivessem constrangidos diante dos demais. Por causa destes contrastes, tanto Eusébio quanto Heráclito foram exilados pelo Imperador Magêncio]]. Eusébio, em particular, foi deportado para a Sicília em 17 de agosto, onde morreu pouco tempo depois, em 21 de outubro. O seu corpo foi transladado, em seguida, para Roma, provavelmente em 26 de setembro de 311 (segundo o Depositio Episcoporum contido na "Cronografia" de 354), e depositado em um cubículo nas Catacumbas de São Calisto, perto da cripta do Papa Caio.

O culto[editar | editar código-fonte]

A sua firme defesa da disciplina eclesiástica e o exílio ao qual foi condenado, o fizeram ser venerado como mártir. Segundo o cardeal Giovanni Giacomo Panciroli deveria estar na Basílica de São Sebastião das Catacumbas, mesmo que algumas relíquias estejam comprovadamente conservadas na Igreja de San Lorenzo in Panisperna.

A sua festa se celebra em 17 de agosto, dia da sua deportação.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dizionario biografico degli uomini illustri di Sardegna, Volume 2
  2. New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge. 3ª edição. Londres e Nova Iorque: Funk and Wagnalls.
  3. Santo Eusébio, papa, mártir, +309, evangelizo.org, 16 de dezembro de 2011

Bibliografia[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Marcelo I
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

31.º
Sucedido por
Melquíades



O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Papa Eusébio