Papa Clemente VII

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Clemente VII
219º papa
Brasão pontifical de Clemente VII
Nome de nascimento Júlio de Juliano de Médici
Nascimento Florença,Itália,
26 de Maio de 1478
Eleição 19 de Novembro de 1523
Fim do pontificado 25 de Setembro de 1534 (56 anos)
Antecessor Adriano VI
Sucessor Paulo III
Listas dos papas: cronológica · alfabética

O Papa Clemente VII, (nascido Júlio de Juliano de Médici, em italiano: Giulio di Giuliano de' Medici; Florença, 26 de maio de 1478Roma, 25 de Setembro de 1534), foi eleito Papa em 19 de novembro de 1523 e governou a Igreja Católica até a data da sua morte.

Era filho bastardo de Juliano de Médici, assassinado na conspiração dos Pazzi contra os Médici. Seu tio era o ilustre e famoso Lourenço de Médici, apelidado Il Magnífico; era portanto primo do Papa Leão X. Seu pai, Juliano, assassinado na conspiração dos Pazzi, fora co-governante de Florença - um jovem genial mas sem especial atitude para a política. Juliano era um dos cinco filhos de Pedro ou Piero di Cosimo (Florença 1416 - Florença, 2 de Dezembro de 1469 ), il gottoso, governante de Florença de 1464 a 1469, sucedido por seus filhos Lourenço o Magnífico e o referido Juliano.

Clemente VII governou Florença de 1519 a 1523, foi arcebispo de Embrun, cardeal e arcebispo de Florença, designado por seu primo Leão X, de quem se tornara o principal confidente e ministro. Morto Leão X, Clemente VII teve papel decisivo na escolha insperada do Papa Adriano VI (o último papa não italiano até João Paulo II), a quem sucederia no conclave de novembro de 1523. Eleito papa como Papa Clemente VII em 1523, governou a Igreja até sua morte em 1534.

Ambicioso, perturbou o panorama político e religioso da época.

Em 1524 recebeu a missiva do pretenso "embaixador" David Reuveni.

Tinha uma política anti-espanhola que culminou no saque de Roma, em 1527. Primeiramente sintonizado com os interesses do Sacro Império Romano, foi surpreendido pelo enorme êxito do Imperador Carlos V na batalha de Pavia. Querendo prejudicá-lo, impulsionou contra ele a Liga Santa de Cognac (Liga Clementina), formada por França, Inglaterra, Florença, Veneza, Milão e o Papado. Carlos V respondeu tomando Roma. Após o assalto e saque de Roma pelos soldados de Carlos V, em Maio de 1527, o papa se refugiou no Castel Sant'Angelo durante sete meses. Só a peste que surgiu na cidade fez com que o cerco fosse levantado. Quando se reconciliou com Carlos V, coroou-o Imperador e Rei de Itália em Bolonha, em 1530. Em troca, Carlos V devolveu os territórios papais que havia conquistado e tomou Florença, entregando-a de novo aos Medicis, que a haviam perdido.

A seguir, seu desejo de agradar o antigo inimigo Carlos V, fez eclodir e talvez precipitou o cisma de Henrique VIII, rei inglês, que não pode obter a dissolução de seu casamento com Catarina de Aragão, tia do Imperador. Clemente negava-se a aceitar o divórcio do Rei, submetido à política espanhola de Carlos V. Como Henrique VIII não desistiu de se casar com Ana Bolena, desencadeou-se assim o cisma da Igreja de Inglaterra.

Trouxe para o trono fama de hábil político e diplomata. No entanto, sem discernimento para compreender os movimentos religiosos que se formavam, tampouco sem dispor de capacidade para desenvolver uma política consistente em assuntos seculares.

Clemente declarou como verdadeira relíquia o prepúcio sagrado de Jesus e declarou legítima sua veneração, concedendo indulgência aos peregrinos que visitassem o relicário.

Sua incapacidade de elevar o nível moral da Igreja ajudou o avanço da Reforma. Foi Mecenas de artistas como Rafael e Miguel Angelo.

Clemente VII morreu envenenado, depois de comer uma refeição à base de Amanita phalloides, um cogumelo altamente tóxico.

Brasão[editar | editar código-fonte]

  • Descrição: Escudo eclesiástico de jalde com cinco arruelas de goles postas: 2,2 e 1; acompanhadas em chefe de uma arruela maior de blau carregado com três flores de lis de jalde postas: 2 e 1. O escudo está assente em tarja branca. O conjunto pousado sobre duas chaves decussadas, a primeira de jalde e a segunda de jalde, atadas por um cordão de goles, com seus pingentes. Timbre: a tiara papal de argente, com três coroas de jalde. Quando são postos suportes, estes são dois anjos de carnação, sustentando cada um, na mão livre, uma cruz trevolada tripla, de jalde.
Brasão pontifício de Clemente VII
  • Interpretação: O escudo obedece às regras heráldicas para os eclesiásticos. Nele estão representadas as armas familiares do pontífice, os Medici, já presentes no brasão de Leão X e que estarão também presentes nos brasões dos papas: Pio IV e Leão XI. O campo de jalde (ouro) simboliza: nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor e descortínio. As arruelas são círculos de esmalte que para alguns autores representam a sorte, por imitarem a face de um dado; para outros representam um plano de corte de um tronco de árvore e ainda a matéria prima que pode ser comercializada e transformada em moeda. As arruelas de goles (vermelho), também ditas “guses”, representam, por seu esmalte, valor, empreendimento, ousadia e ainda o fogo da caridade inflamada no coração do Soberano Pontífice pelo Divino Espírito Santo, que o inspira diretamente do governo supremo da Igreja, bem como valor e o socorro aos necessitados, que o Vigário de Cristo deve dispensar a todos os homens. A arruela de blau (azul), também dita “heurte”, carregada de três flores-de-lis, são o símbolo da Casa Real da França, á qual se ligou a Casa de Médici. Os elementos externos do brasão expressam a jurisdição suprema do papa. As duas chaves "decussadas", uma de jalde (ouro) e a outra de argente (prata) são símbolos do poder espiritual e do poder temporal. E são uma referência do poder máximo do Sucessor de Pedro , relatado no Evangelho de São Mateus, que narra que Nosso Senhor Jesus Cristo disse a Pedro: "Dar-te-ei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra será ligado no céu, e tudo o que desligares na terra, será desligado no céu" (Mt 16, 19). Por conseguinte, as chaves são o símbolo típico do poder dado por Cristo a São Pedro e aos seus sucessores. A tiara papal, usada como timbre, recorda, por sua simbologia, os três poderes papais: de Ordem, Jurisdição e Magistério, e sua unidade na mesma pessoa.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Adriano VI
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

219.º
Sucedido por
Paulo III


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.