Papa Urbano VI

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Urbano VI
202º papa
Nome de nascimento Bartolomeo Prignano
Nascimento Itri, Reino de Nápoles,
1318
Eleição 8 de abril de 1378
Fim do pontificado Roma, Itália,
15 de Outubro de 1389 (71 anos)
Antecessor Gregório XI
Sucessor Bonifácio IX
Listas dos papas: cronológica · alfabética

Urbano VI (nascido Bartolomeo Prignano; c. 131815 de outubro de 1389) foi Papa e líder da Igreja Católica de 8 de abril de 1378 até à data da sua morte. A sua eleição foi rodeada de polémica, ele foi o ultimo papa a ser eleito fora do Colégio dos Cardeais, e resultou no Grande Cisma do Ocidente.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bartolomeo Prignano nasceu em Itri e era um monge devoto, foi feito Arcebispo de Bari em 1377. A parte inicial da sua carreira eclesiástica foi feita ao serviço dos Papas de Avinhão, onde desenvolveu uma reputação de homem moderado.

Prignano tinha desenvolvido uma reputação de simplicidade e frugalidade e uma habilidade para o negócio quando era Vice-Chanceler. Ele também demonstrou uma propensão para aprender, e, de acordo com Cristoforo di Piacenza,[1] ele estava sem famiglia em uma época de nepotismo, embora uma vez na cadeira papal elevou quatro de seus cardeais-sobrinhos e tentou colocar um deles no controle de Nápoles. Suas grandes falhas desfez suas virtudes: Ludwig von Pastor resumiu seu caráter: "Ele falhou na delicadeza e caridade cristã. Era naturalmente arbitrário e extremamente violento e imprudente, e quando veio para lidar com a questão eclesiástica ardente na época da reforma, as consequências foram desastrosas."[2]

Pontificado[editar | editar código-fonte]

Em 8 de abril de 1378 foi eleito Papa por pressão da população de Roma sendo o último que não era Cardeal, eleito para o cargo já que ainda era um arcebispo, pois o povo queria ver um italiano no pontificado para assegurar a permanência do papado na cidade. Com a subida na hierarquia, Urbano VI revelou uma personalidade colérica e intempestiva que depressa lhe arranjou inimigos. Os cardeais da Igreja, e em especial os de origem francesa, revoltaram-se contra Urbano VI e começaram a conspirar a sua substituição. No fim do verão do mesmo ano, reuniram novo conclave e elegeram Roberto de Genebra, que tomou o nome de Clemente VII. Urbano VI excomungou Clemente e declarou-o o novo anticristo, mas nada pode fazer contra o seu estabelecimento em Avinhão. A sua impopularidade não ajudou a sua causa e em breve algumas potências europeias passaram para o lado de Clemente.

Acidente e morte[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 1388, Urbano passou de Perugia, com milhares de tropas. Para angariar fundos, ele havia proclamado um Jubileu, que seria realizado em 1390. Na época do anúncio, apenas 38 anos se passaram desde o Jubileu anterior, que foi comemorado sob Clemente VI.[3] Durante a marcha, Urbano caiu de sua mula em Narni e teve que se recuperar no início de outubro em Roma, onde ele foi capaz de derrubar a regra comum do banderesi e restaurar a autoridade papal. Ele morreu logo depois, provavelmente de ferimentos causados ​​pela queda, mas não sem rumores de envenenamento.[4] Vale ressaltar que durante a reconstrução da Basílica de São Pedro, os restos de Urbano quase foram jogados fora a serem destruídos para que seu sarcófago pudesse ser usado para cavalos de água. O sarcófago foi salvo apenas quando o historiador da igreja, Giacomo Grimaldi, chegou e, percebendo sua importância, ordenou preserva-lo.[5]

O sucessor do Papa Urbano VI foi o Papa Bonifácio IX.

Notas

  1. Em uma carta a seu mestre, Lodovico Gonzaga de Mântua; (Pastor 121, que acrescenta: "Ele foi rapidamente e completamente desiludido!").
  2. Pastor 122; sobre a urgência de reformas, ver as letras contemporâneas de Catarina de Siena.
  3. Thurston, Herbert (1910). Holy Year of Jubilee (em inglês) The Catholic Encyclopedia. Visitado em 15 de outubro de 2013.
  4. Catholic Encyclopedia, "Pope Urban VI".
  5. Reardon, Wendy. The Death of The Popes. [S.l.]: McFarland Publishers, 2004. ISBN 0786415274.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Claudio Rendina. I papi – Storia e segreti (em <Língua não reconhecida>). Roma: [s.n.], 1993.
  • Ludwig Pastor. The History of the Popes: From the Close of the Middle Ages (em inglês). [S.l.: s.n.]. vol. I vols.


Precedido por
Gregório XI
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

202.º
Sucedido por
Bonifácio IX


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.