Lapsi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Lapsi (latim para "caídos") era o nome dado aos apóstatas ou cristão que renegaram sua fé durante as perseguições pelo Império Romano.[1] O termo também engloba os que relaxaram em sua fé e que decidem depois voltar pra ela.

Graus[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

Durante a perseguição de Décio, os nomes dos cristãos que demonstraram a sua apostasia por um dos cinco métodos acima entravam para sempre nos registros da corte. Após terem recebido seus atestados, com a certeza de que seus nomes já constavam ali, eles se sentiam seguros de novas perseguições. A verdade é que a maioria cedia por fraqueza de vontade, pois a maioria queria continuar cristã. Porém, este desejo ia contra a disciplina da época. Os lapsi de Cartago conseguiram ganhar o apoio de alguns cristãos que permaneceram fiéis, apesar das torturas e da prisão. Estes confessores enviaram cartas em nome dos mártires mortos (libella pacis) ao bispo em favor dos renegados. E assim, muitos conseguiram retornar à Igreja, apesar da oposição de Cipriano de Cartago. Como problemas similares estavam acontecendo em Roma, os opositores de Cipriano buscaram ajuda lá. De seu exílio, o bispo de Cartago mantinha constante contato com a sede vacante de Roma (depois do martírio do Papa Fabiano) e decidiu esperar o final da perseguição para voltar à sua cidade e tratar do assunto. O costume permaneceu então o de exigir a recomendação de um mártir ou confessor e de só admitir novamente os apóstatas no leito de morte ou após uma penitência [2] .

Os opositores de Cipriano não aceitaram a decisão e provocaram um cisma. Quando, após a eleição do Papa Cornélio, o padre Novaciano se proclamou antipapa alegando ser o defensor da disciplina rigorista, que se recusava terminantemente a aceitar de volta os lapsi. Logo após a volta de Cipriano para sua sé episcopal na primavera de 251 d.C., sínodos foram realizados em Roma e em Cartago para discutir a questão. A decisão foi admitir os lapsi após uma penitência. Sobre a duração dela, os bispos deveriam avaliar as circunstâncias da apostasia, ou seja, se ele foi torturado antes do sacrifício ou se a sua família fora ameaçada. Os que fizeram os sacrifícios de livre vontade (os sacrificati e os thurificati) só receberiam o perdão no leito de morte. Os libellatici poderiam ser admitidos rapidamente[2] .

A decisão do Concílio de Cartago foi aceita por Dionísio de Alexandria, pelo Papa Cornélio e por Cipriano de Cartago. Só que no oriente, as visões rigoristas de Novaciano foram recebidas com muita simpatia, por exemplo por Fábio, bispo de Antioquia, e seus colegas em Cesareia Palestina, Cesareia e em Tarso[3] . Só com muito esforço, a maioria dos bispos da região acabou cedendo e um pequeno grupo cismático se formou (os novacianos). Porém, logo se iniciou uma nova onda de perseguições sob Diocleciano e a história se repetiu novamente. Muitos cederam às pressões e caíram em apostasia novamente. E nesta perseguição apareceram os traditores, que cederam livros religiosos às autoridades, em sua maioria bispos[2] .

Como na perseguição de Décio, os lapsi, liderados por um Heraclius, tentaram obter a readmissão na Igreja sem realizar a penitência, mas os papas Marcelo e Eusébio se recusaram, aderindo à disciplina penintencial vigente. A confusão e as disputas por conta deste assunto eram tamanhas que Magêncio baniu Marcelo e, depois, Eusébio, assim como Heraclius. Na África (província romana), o cisma donatista surgiu por conta do tratamento dado aos lapsi, principalmente os traditores. Diversos sínodos foram realizados para resolver a questão donatista: Concílio de Elvira (306), Concílio de Arles (314), Concílio de Ancira (314) e o Concílio de Nice[2] .

Referências

  1. QUINSON, Marie-Therese (1999). Dicionário cultural do cristianismo. Edicoes Loyola. p. 180. ISBN 978-85-15-01330-2.
  2. a b c d Wikisource-logo.svg "Lapsi" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.
  3. Wikisource-logo.svg "The Church of Antioch" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]