Paul Grice

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Herbert Paul Grice
Filosofia do século XX
Escola/Tradição: Filosofia analítica
Data de nascimento: 13 de Março de 1913
Local: Birmingham, Inglaterra, Reino Unido
Data de falecimento 28 de agosto de 1988 (75 anos)
Local: Berkeley, Califórnia, USA
Principais interesses:
Influências: Aristóteles · J. L. Austin · Peter Strawson · W. V. O. Quine · W.F.R. Hardie · Geoffrey Warnock · David Pears · James Thomson

Herbert Paul Grice (13 de março de 1913, Birmingham, Inglaterra - 28 de agosto de 1988, em Berkeley, Califórnia),[1] geralmente publicando sob o nome de H. P. Grice, H. Paul Grice, ou Paul Grice, foi um filósofo britânico educado de linguagem, que passou as duas últimas décadas de sua carreira nos Estados Unidos.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido e criado no Reino Unido, ele foi educado na faculdade de Clifton e depois na faculdade de Corpus Christi, Oxford. Depois de um breve período no ensino na escola Rossall. Ele voltou para Oxford, onde lecionou até 1967. Naquele ano, ele se mudou para os Estados Unidos para assumir uma cátedra na Universidade da Califórnia em Berkeley, onde lecionou até sua morte em 1988. Em 1979, ele retornou ao Reino Unido para dar as palestras John Locke sobre os Aspectos da Razão. Foram reimpressos muitos de seus ensaios e documentos em seu livro de despedida Estudos dos Modos das Palavras(1989). Professor Paul Grice foi casado e teve dois filhos. Ele e sua esposa vivia em Berkeley Hills.

Contribuição filosófica[editar | editar código-fonte]

O trabalho de Paul Grice foi grandemente influenciado por ambos arcos da assim chamada curva linguística da filosofia do século XX. O primeiro arco - a variedade de tentativas de reformulação dos problemas tradicionais da filosofia como problemas de linguagem, incluindo a filosofia da linguagem ordinária, que Grice ajudou a desenvolver. O segundo arco recém-desabrochado foi as tentativas de compreender os fenômenos lingüísticos - inclui semântica filosófica, um campo que o trabalho de Grice continua a definir.

Especialistas, como Ludwig Wittgenstein, G.C.J. Midgley, John Searle, Peter Frederick Strawson, J.L. Austin, etc., geralmente consideram suas abordagens às questões de significado e da lógica e da gramática de conversação como entre os mais valiosos e duradouros na filosofia da linguagem. [3] Sua teoria do significado continua a atrair a atenção de filósofos da linguagem por a sua tentativa ambiciosa de reunir algumas de reivindicações de época que, antes de Grice, eram geralmente considerado como sendo mutuamente exclusivas: A visão de Ludwig Wittgenstein de que o significado deve ser indexado à forma como os oradores comuns utilizam uma linguagem e a observação de Gottlob Frege de que tais unidades lingüísticas, como sentenças, possuem características de significado atribuido, ou sentidos, que não são inteiramente determinado pelas convenções de uso. [4]

Grice entendia que "significado" se refere a dois tipos bem diferentes de fenômenos. Significado natural deve capturar algo semelhante à relação entre causa e efeito, como, por exemplo, aplicado na sentença "As manchas significam sarampo". Este deve ser distinguido, o que Grice chama, de significado não-natural, como presente em "Os três toques no sino (do ônibus) significa que o ônibus está lotado". Outra sugestão subseqüente de Grice é que a noção de significado não-natural deve ser analisada em termos de intenção dos oradores na tentativa de comunicar algo a uma audiência.".[5]


Notas

Referências

  1. Paul Grice - Stanford Encyclopedia of Philosophy. plato.stanford.edu (13 de dezembro de 2005). Página visitada em 6 de fevereiro de 2013.
  2. Grice (pdf). publish.uwo.ca. Página visitada em 6 de fevereiro de 2013.
  3. O dizer nas perspectivas de Austin, Grice e Ducrot por Professora Rivânia Maria Trotta Sant’Ana (Universidade Federal de Ouro Preto, doutoranda em Estudos da Linguagem.) e Luiz Francisco Dias (Professor Dr. da Universidade Federal de Minas Gerais) (2010) [1]
  4. Meaning (1957), Intention and uncertainty (1971), Logic and conversation (1975), Pressuposition and conversational implicature (1981) por H. P. Grice
  5. Paul Grice, Studies in the Way of Words (Cambridge, MA: Harvard University Press, (1991)
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.