Polinização cruzada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Polinização cruzada distingue-se da auto-polinização porque no primeiro caso, o pólen de uma flor fecunda o estigma de outra flor, de um mesmo indivíduo ou de outro. O agente principal da polinização cruzada é o vento, mas em algumas espécies, insetos e pássaros são importantes. E até mesmo pessoas.

Importância[editar | editar código-fonte]

As espécies que possuem polinização cruzada, normalmente, possuem uma grande variabilidade genética, e facilitam o trabalho de melhoramento através de cruzamentos entre variedades. Os processos de desenvolvimento de híbridos são facilitados nas espécies de fecundação cruzada.

Características das plantas[editar | editar código-fonte]

As plantas de fecundação cruzada possuem alguma das características abaixo que impedem a auto-polinização:

  • Flores somente masculinas ou somente femininas. Ex: cucurbitáceas, abóbora, pepino.
  • Maturação diferenciada dos órgãos reprodutores (dicogamia), assim quando os estames se encontram maduros, o estigma já se encontra fecundado por outra planta, ou vice-versa.
  • Grande distância entre estigma e estame ou posicionamento morfológico que dificulta a auto-polinização. Ex: maracujá.
Ícone de esboço Este artigo sobre Botânica é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.