Rebelião das Alpujarras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Principais focos da rebelião

A Rebelião das Alpujarras, por vezes também conhecida como Guerra ou Revolta dos Mouriscos, foi um conflito que ocorreu na Espanha entre 1568 e 1571 durante o reinado de Filipe II. A abundante população mourisca do reino cristão de Granada alçou-se contra a Pragmática de 1567, que ordenava aos mouriscos deixarem de usar tanto o árabe quanto os seus costumes sociais e religiosos[1] . Quando o poder real conseguiu vencer os sublevados, os mouriscos foram deportados (por volta de 84 000) do reino de Granada e espalhados por vários pontos da Coroa de Castela.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Após a entrega de Granada aos Reis Católicos e sem respeito pelas capitulações que garantiam a liberdade e segurança da população mourisca, começou esta a ser alvo de perseguições tanto religiosas como civis.

"O mourisco era - segundo a opinião geral- um indivíduo inculto e até mesmo limitado que ocupava, pela sua teimosia, o último grau da escala social<...> Os sábios, os juízes e santões daquela comunidade eram desprezados pelos prelados, letrados e homens de caneta da época de Carlos I e Filipe II. E a plebe urbana mourisca com frequência foi ridicularizada e alfinetada"
CARO BAROJA[2]

Desencadeante[editar | editar código-fonte]

Pedro de Deza, presidente da Audiência de Granada, promulgou a 1.º de janeiro de 1567 um édito proclamando a pragmática, que ordenava aos mouriscos deixarem de usar tanto o árabe quanto os seus costumes sociais e religiosos, e que adotassem uma vestimenta castelhana. Pragmáticas similares emitidas no passado foram ignoradas, mas esta vez era mais provável que se obrigasse cumprir, com a Audiência nas mãos dos inimigos de Mondéjar e com a perda de influência na corte do marquês, não cabia esperar qualquer graça. [1]

Nos meses seguintes os mouriscos dispuseram-se a negociar. Os seus representantes, Jorge de Baeza e Francisco Núñez Muley, defendiam que as tradições perseguidas pelo édito não eram incompatíveis com a doutrina cristã e que o comércio, principal atividade econômica mourisca atrás da agricultura, podia ficar afetado, com a conseguinte diminuição da renda real. Estes argumentos, que funcionaram em negociações similares à época de Carlos I, não o fizeram nesta ocasião.

Estouro da revolta[editar | editar código-fonte]

Após um ano de infrutíferas negociações, a população mourisca granadina alçou-se em armas em 1568. Não receberam muito apoio na capital, mas a rebelião estendeu-se depressa pelas aldeias das Alpujarras, em Serra Nevada. A rebelião foi muito sangrenta, especialmente entre a povoação civil[3] .

A revolta mourisca era chefiada por Fernando de Válor, que foi proclamado rei perto de Narila e tomou o nome de Aben-Humeya (ou Aben Omíada, por se declarar descendente da dinastia do Califado de Córdova). Farax Aben Farax, um dos seus seguidores, foi designado alguazil-mor do rei. Em 1569 Aben-Humeya foi assassinado, ocupando o seu posto como rei o seu primo Aben Aboo.

A revolta, que começou com incursões e emboscadas, contava com mais de 30 000 mouriscos[4] , e surpreendeu a Filipe II com a maioria dos seus terços nos Países Baixos.

Frente do grave aspecto que tomava a revolta, o rei destituiu o marquês de Mondéjar como Capitão-General de Granada e nomeou no seu lugar o seu meio-irmão D. João de Áustria, o qual, com um exército regular trazido da Itália e do levante espanhol, assume o comando da operação em dezembro de 1569[4] . A guerra passou então a uma fase de grande crueldade[4] .

A ajuda dos muçulmanos provenientes do estrangeiro - havia cerca de 4000 Turcos e Berberes em 1570 - não foram suficientes para manter a rebelião.[5]

Em agosto de 1570, três representantes mouriscos reuniram-se com o secretário de dom Juan, convindo em render-se.[5] . Dom João de Áustria conseguia finalmente sufocar a revolta, com severidade e com grande derramamento de sangue [3] em 1571. É qualificada por alguns autores como a guerra mais brutal na Europa no século XVI[5] .

Consequências[editar | editar código-fonte]

Sufocada a revolta, os cerca de 50 000 mouriscos de Granada (84 000 segundo outras fontes [6] ) que sobreviveram e afirmaram estarem dispostos a viver realmente o cristianismo foram expulsos dos seus locais de origem e espalhados pela Coroa de Castela[4] , especialmente pela Andaluzia Ocidental e por Castela,[7] para evitar outra rebelião.

A revolta aumentou ainda mais a desconfiança para os mouriscos, recrudescendo-se a repressão[8] .

A segurança conseguida com a dispersão dos mouriscos tornou um problema local andaluz em um problema que afetava agora a toda Castela. Os mouriscos, espalhados pelas cidades e povoações de Castela, já não constituíam um perigo militar, mas esta ubiquidade criou problemas sociais[9] . Finalmente, em 1609, Filipe III decretou a total expulsão dos mouriscos espanhóis.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MARTÍN DE LA HOZ, José Carlos (2010), Ediciones Rialp, El Islam y España. ISBN 8432137766
  • CARO BAROJA, Julio (1985), AKAL, Los moriscos del Reino de Granada, 284. ISBN 8470900765
  • CANO BORREGO, Pedro Damián (2004), Silex Ediciones, Al-Andalus: el Islam y los pueblos ibéricos, 251. ISBN 8477371318
  • ELLIOTT, John Huxtable (1985), Editorial Critica, 2001, Europa en la época de Felipe II, 1559-1598, 421. ISBN 8484322432

Referências

  1. a b Cfr. pág 184 de ELLIOTT (1985)
  2. pág 145 de CARO BAROJA (1985)
  3. a b cfr. pág 142 de MARTÍN DE LA HOZ (2010)
  4. a b c d cfr. pág 73 de CANO BORREGO (2004)
  5. a b c Cfr pág 136 de , Henry Kamen, Patricia Escandón (1998), Siglo XXI de España Editores, Felipe de España, 364. ISBN 8432309621
  6. cfr. pág 462 de Lynch, John (2007), Editorial Critica, Los Austrias (1516-1700), 814. ISBN 8484329607
  7. ALVAR, Carlos (diretor). A buen bocado. Volume 1 da Gran Enciclopedia Cervantina. 2005.
  8. cfr. pág 74 de CANO BORREGO (2004)
  9. cf. pág 186 de ELLIOTT (1985)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]