Rebimboca da parafuseta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Rebimboca da parafuseta é uma expressão corrente em certas regiões do Brasil para designar uma peça fictícia, cujo nome ou função não são conhecidos, do motor de um automóvel ou de qualquer outra máquina. Às vezes vem seguida do nome de outras peças fantasiosas, como a mola da grampola ou a arruela da grapeta ou ainda a rosqueta da parafuseta.

Geralmente a expressão é utilizada em tom de brincadeira por pessoas sem conhecimento técnico para descrever um problema desconhecido em equipamentos mecânicos. A expressão também é usada por especialistas e pessoas de bom nível técnico com pessoas sem conhecimento mecânico de forma irônica e em tom de desdém pela complexidade do equipamento no qual a peça está inserida. Um certo desinteresse em descobrir sua real função ou seu nome correto:

Puxa vida, o problema era sério. Será preciso trocar... sei lá... a rebimboca da parafuseta e vai custar um dinheirão. Ou: Quando alguém entra em um avião nunca pensa se a rebimboca da parafuseta está atarraxada, pois confia que para isto existam profissionais altamente ....

Apesar de ser uma expressão muito utilizada, nunca existiu nenhuma peça de nenhum carro, ou avião, ou outro veículo ou máquina chamada rebimboca da parafuseta. A expressão surgiu no início da década de 1970, no seriado de TV infanto-juvenil da TV Globo, Shazan, Xerife & Cia., interpretado pelos atores Paulo José (Shazan) e Flávio Migliaccio (Xerife), dois mecânicos inventores de um estranho veículo: a camicleta.[1] A rebimboca da parafuseta era um componente desse veículo fantástico. Posteriormente, a ideia foi reaproveitada em um filme comercial para TV que anunciava o fascículo "Oficinas e mecânicos: como escolher?" , o nº 7 da série Shell responde. O filme mostrava o diálogo, dentro de uma oficina, entre um mecânico (com ar de malandro) e a cliente (uma jovem com ar desesperado). Quando a moça perguntava qual era afinal o problema do seu carro, o mecânico respondia, com ar grave (isto é, vai custar caro): "O pobrema (sic) tá na rebimboca da parafuseta..." E depois, fazia uma careta para a câmera.[2]

Referências