Richard Stengel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Richard Stengel
Nome completo Richard Allan Stengel
Nascimento Maio de 1955 (59 anos)
Nova York
Nacionalidade estadunidense
Cônjuge Mary Pfaff
Ocupação Jornalista, escritor

Richard Allan Stengel (Nova Iorque, 1955) é um jornalista, escritor, editor[1] e Sub-Secretário de Estado estadunidense, no governo de Barack Obama,[2] mundialmente conhecido por haver colaborado com a auto-biografia de Nelson Mandela, Long Walk to Freedom.[1]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Stengel nasceu e cresceu em Nova Iorque.[1] Estudou na Universidade de Princeton onde jogou pela equipe universitária de basquetebol masculino, o Princeton Tigers na temporada de 1975.[3] Graduou-se magna cum laude em 1977; após a faculdade ganhou a Bolsa Rhodes e fez pós-graduação em Inglês e História na Christ Church, Oxford.[3] [1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou na revista Time em 1981[1] onde atuou até meados da década de 1980, quando se mudou para a Rolling Stone.[4] Colaborou para a Time como ensaísta e escritor sênior[3] na cobertura das campanhas presidenciais estadunidenses de 1988 e 1996.[1]

Enquanto escrevia na Time, Stengel também escrevia para outros periódicos, como The New Yorker, The New Republic, e New York Times, além de aparecer na televisão como comentarista.[3] Em 1992 cobriu a Convenção Democrata para o canal Comedy Central.[5]

Com base na sua experiência jornalística, Stengel ministrou um curso em Princeton, em 1998, de Política e Imprensa.[3] Foi também um dos colaboradores originais do canal MSNBC.[6]

Retornou à Time em 1999, após o fracasso da indicação de Bill Bradley na Convenção Democrata para a disputa presidencial de 2000.[1]

Em sua volta à Time acabou substituindo Richard Duncan como editor da Time.com, como anunciado em maio de 2000 pela Time Inc., ficando responsável por supervisionar a cobertura de notícias e pelo conteúdo editorial; ali ocupou diversas outras funções, passando um período como editor nacional da revista.[3]

Em fevereiro de 2004 Stengel deixou a imprensa para dirigir o National Constitution Center, uma instituição não-governamental e apartidária dedicada aos estudos constituicionais.[7]

Retornou novamente à Time, em 2006, como chefe de redação da revista.[3]

Stengel casou-se com Mary Pfaff, uma sul-africana, com quem teve dois filhos.[3] O casal se conheceu enquanto Stengel estava na África do Sul trabalhando na autobiografia de Nelson Mandela, que acabou se tornando o padrinho de seu filho mais velho, Gabriel.[8]

Em setembro 2013 voltou novamente a se afastar dos trabalhos editoriais na Time, pois foi nomeado pelo Presidente Obama como Sub-Secretário do Departamento de Estado do governo, para a Diplomacia e Assuntos Públicos.[9]

Livros[editar | editar código-fonte]

Stengel e autor de vários livros, dentre os quais se destacam.

  • January Sun: One Day, Three Lives, A South African Town, 1990.
  • You're Too Kind: A Brief History of Flattery, 2000.
  • Mandela's Way: Fifteen Lessons on Life, Love and Courage, 2010.

Referências

  1. a b c d e f g Nat Ives (17 de maio de 2006). 'Time' Names 16th Managing Editor: Richard Stengel. Ad Age. Página visitada em 26/12/2013.
  2. Joe Pompeo e Dylan Byers (9/12/2013). Richard Stengel leaving Time for State Department. Politico.com. Página visitada em 26/12/2013.
  3. a b c d e f g h Richard Stengel Named Managing Editor of Time. Timewarner.com (17/5/2006). Página visitada em 26/12/2013. Arquivado em 24 de maio de 2006].
  4. Anne Marie Welsh. (20/5/1990). "Journalist Paints a South African Reality". San Diego Union-Tribune.
  5. Craig Winneker. (13 de julho de 1992). "Unconventional Wisdom; Comedy Central on Air This Week With 'Indecision '92'". Roll Call.
  6. Author's Bio. Página visitada em 24/11/2010.; Arquivado em 13 de fevereiro de 2005.
  7. Institucional. Richard Stengel. ConstitutionCenter.org. Página visitada em 26/12/2013.
  8. Jose Antonio Vargas (30 de março de 2010). Richard Stengel On Mandela: Neither 'Terrorist' Nor Mother Teresa. The Huffington Post. Página visitada em 26/12/2013.
  9. Christine Haughney (12 setembro, 2013). Richard Stengel to Leave Time for the Obama Administration. The New York Times. Página visitada em 26/12/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]