Robert Ezra Park

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Robert Ezra Park (Harveyville, Condado de Luzerne, 14 de fevereiro de 1864  — Nashville, 7 de fevereiro de 1944) foi um sociólogo norte-americano e um dos fundadores da Escola de Chicago.

Vida[editar | editar código-fonte]

Park nasceu na Pensilvânia, mas cresceu em Red Wing (Minnesota), tendo se formado na Universidade de Michigan, onde estudou com o pelo filósofo pragmatista, John Dewey. Seu interesse pelas questões sociais, especialmente as questões raciais e urbanas, levou-o a trabalhar como jornalista em Chicago.

Depois de ser um jornalista em várias cidades dos Estados Unidos entre 1887 e 1898, ele então estudou psicologia e filosofia para um MA em Harvard (1898-9) tendo sido ensinado por outro proeminente filósofo pragmatista, William James. Depois de graduar-se, foi à Alemanha estudar em Berlim, Estrasburgo e Heidelberg entre 1899 e 1903 antes de retornar aos Estados Unidos. Entre 1899 e 1900 estudou com Georg Simmel em Berlim, passou um semestre em Estrasburgo em 1900, e adquiriu seu PhD em psicologia e filosofia em 1903 em Heidelberg sob orientação de Wilhelm Windelband (1848-1915). Sua dissertação foi intitulada Masse und Publikum. Eine methodologische und soziologische Untersuchung. Ele então retornou aos Estados Unidos em 1903 se tornando brevemente assistente em filosofia em Harvard em 1904-5.

Park lecionou em Harvard até que Booker T. Washington convidou-o ao Instituto Tuskegee para trabalhar com questões raciais do sul do país. Juntou-se ao departamento de sociologia na Universidade de Chicago em 1914 ficando lá até sua aposentadoria em 1936. Continuou, no entanto, a lecionar até sua morte na Universidade Fisk. Park morreu em Nashville, Tennessee com 79 anos de idade.

Durante sua vida, Park se tornou uma figura reconhecida tanto dentro como fora da comunidade acadêmica. Em variadas épocas foi presidente da Associação Sociológica Americana e da Liga Urbana de Chicago, e membro do Conselho de Pesquisa em Ciências Sociais.

Trabalho[editar | editar código-fonte]

Park influenciou no desenvolvimento da teoria da assimilação que era pertinente aos imigrantes dos Estados Unidos. Ele argumentava que existiam quatro passos no ciclo de relações de raça na história do imigrante. O primeiro era o contato seguido da competição. No terceiro passo cada grupo deveria se acomodar aos outros. Finalmente, quando este último falhava, o grupo imigrante aprenderia a assimilar. "Park provavelmente contribuiu com mais ideias para análises das relações raciais e contatos culturais do que qualquer outro cientista social moderno".

Durante a estadia de Park na Universidade de Chicago, seu departamento de sociologia começou a usar a cidade que a cercava como espécie de laboratório de pesquisa. Seu trabalho, conjuntamente aos seus colegas como Ernest Burgess, Homer Hoyt e Louis Wirth, desenvolveu-se numa aproximação à sociologia urbana que se tornou conhecida como a Escola de Chicago: "Eu tenho sido majoritariamente um explorador em três campos: Comportamentos Coletivos, Ecologia humana e Relações de raça".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1903: Masse und Publikum. Eine methodologische und soziologische Untersuchung (tese de Ph.D.) publicada em Berlin: Lack & Grunau, 1904
  • 1912: The Man Farthest Down: a Record of Observation and Study in Europe com Booker T Washington, New York: Doubleday
  • 1921: Introduction to the Science of Sociology (com Ernest Burgess) Chicago: University of Chicago Press
  • 1921: Old World Traits Transplanted: the Early Sociology of Culture com Herbert A Miller, & Kenneth Thompson, New York: Harper & Brothers
  • 1922: The Immigrant Press and Its Control New York: Harper & Brothers
  • 1925: The City: Suggestions for the Study of Human Nature in the Urban Environment (com R. D. McKenzie & Ernest Burgess) Chicago: University of Chicago Press
  • 1928: Human Migration and the Marginal Man, American Journal of Sociology 33: 881-893
  • 1932: The University and the Community of Races Hawaii: University of Hawaii Press
  • 1932: The Pilgrims of Russian-Town The Community of Spiritual Christian Jumpers in America, por Pauline V. Young Ph.D. com uma introdução por Robert E. Park, Chicago: University of Chicago Press
  • 1937: Cultural Conflict and the Marginal Man em Everett V Stonequist, The Marginal Man, Introdução de Park, New York: Charles Scribner's Sons
  • 1939: Race relations and the Race Problem; a Definition and an Analysis com Edgar Tristram Thompson, Durham, NC: Duke University Press
  • 1940: Essays in Sociology com C W M Hart, e Talcott Parsons et al., Toronto: University of Toronto Press
  • 1946: An Outline of the Principles of Sociology, com Samuel Smith, New York: Barnes & Noble, Inc
  • 1950: Race and Culture, Glencoe Ill: The Free Press, ISBN 0029237807
  • 1952: Human Communities: the City and Human Ecology Glencoe, Ill: The Free Press
  • 1955: Societies, Glencoe Ill: The Free Press
  • 1967: On Social Control and Collective Behavior, Chicago: University of Chicago Press, ISBN 113554381X
  • 1975: The Crowd and the Public and Other Essays, Heritage of Society

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Robert V. Kemper, "Robert Ezra Park", In: Encyclopedia of Anthropology ed. H. James Birx (2006, SAGE Publications; ISBN 0-7619-3029-9)
  • Winifred Rauschenbush, Robert E. Park (Durham, N.C.: Duke University Press, 1979)
  • Ralph H. Turner, Robert E. Park: On Social Control and Collective Behavior (Chicago: University of Chicago Press, 1967); uma antologia de textos de Park
  • Barbara Ballis Lal, The Romance of Culture in an Urban Civilization: Robert E. Park on Race and Ethnic Relations in Cities, London & New York: Routledge, 1990