São Crescentino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


São Crescentino
São Crescentino mata o dragão
Mártir
Morte c. 1 de junho de 303
Veneração por Igreja Católica
Festa litúrgica 1 de junho
Atribuições Roupas militares; aparece matando um dragão
Padroeiro Urbino, na Itália; Città di Castello; invocado contra dores de cabeça
Gloriole.svg Portal dos Santos

São Crescentino (em italiano: San Crescentino, Crescenziano) é o patrono de Urbino. Venerado como um santo guerreiro, ele é por vezes representado à cavalo matando um dragão, da mesma forma que São Jorge. Porém, como Martin Davies escreveu, "A história de São Crescentino, até onde eu sei, exclui um princesa ou qualquer outra vítima feminina"1 .

Lenda[editar | editar código-fonte]

Crescentino é representado tradicionalmente como sendo um soldado romano que se converteu ao cristianismo. Para escapar da perseguição de Diocleciano, ele fugiu para Umbria e encontrou refúgio em Thifernum Tiberinum (atual Città di Castello). Sua vitória sobre o dragão levou à evangelização da região e de seus companheiros.

Posteriormente ele foi capturado e decapitado.

Devoção[editar | editar código-fonte]

O beato Mainardo, bispo de Urbino, com o objetivo de enriquecer a catedral da cidade transladou para lá as relíquias do santo em 10682 .

Ele ainda é venerado em Urbino e no dia de São Crescentino, uma estátua do santo é carregada em procissão pelas ruas. Uma das cerimônias tradicionais na região é encostar as relíquias de Crescentino na cabeça de um fiel para livrá-lo de dores de cabeça3 .

Referências

  1. Martin Davies, "Uccello's 'St George' in London," Burlington Magazine, Vol. 101, No. 678/679 (Sep. - Oct., 1959), pp. 308-315
  2. [1]
  3. [2]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre São Crescentino

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Acta Sanctorum,
  • Angelo Conti, Fiori Vaghi delle Vite dei Santi e Beati delle Chiese, e Reliquie della Città di Castello (1627), pp-45ff. (em italiano)