Santo do pau oco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Santo do pau oco é uma expressão popular utilizada no Brasil para designar pessoas dissimuladas, cuja origem mítica é derivada de aspectos históricos.[1] [2] [3] os escravos mesmo sob vigilância ostensiva também contrabandeavam ouro(guardavam o ouro )

Segundo o imaginário popular, o santo do pau oco era, nas regiões mineradoras brasileiras e durante o período colonial, um símbolo do contrabando do ouro em pedra ou pó ou de diamantes, ou seja, as imagens devocionais eram utilizadas como esconderijo aos olhos do fisco. Governadores, escravos e clérigos estavam envolvidos nesse tipo de contrabando.[3]

Essa versão é tida como lenda, assim como muitas histórias em Minas derivadas desse tipo de imagem, com pouca comprovação dessa utilização. Provavelmente, esse tipo de imagem era feito pelos mesmos motivos que na Europa, onde, desde a Idade Média, as esculturas de madeira eram escavadas para que as peças rachassem menos e ficassem mais leves.[2] [4]

Também eram usados para contrabandear ouro e pedras preciosas,eram escondidas dentro dos santos para que ninguém soubesse, pois os impostos estavam muito altos para serem levados em sacos ou sacolas, de uma maneira que eles tivessem que pagar pelo ouvo ou pelas pedras. Como a religião era muito forte naquela época eles não abriam o santo para verificar o que havia dentro e então deixavam passar.

Eram estátuas de madeira esculpidas de diversos tamanhos, ocas por dentro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Religião
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Verbete santo - locução santo do pau oco. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001
  2. a b COELHO, Beatriz. Materiais, Técnicas e Conservação. In: COELHO, Beatriz (org.). Devoção e Arte. 1a edição. São Paulo: Edusp, 2005. p.123-232
  3. a b BELISARIO, Adriano. (11 de novembro de 2008). Desvio planejado. Rio de Janeiro: Revista de História da Biblioteca Nacional
  4. FERNANDES, Luciano de Oliveira.A Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto: teatro sacro e alegorias de um discurso teológico-político. II Encontro Memorial do ICHS-UFOP, 2009