Serra do Roncador

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jardim do Silêncio na Serra do Roncador.

A Serra do Roncador é uma região que se localiza no ponto mais central do Brasil, no estado do Mato Grosso, mais especificamente entre o rio das Mortes e o rio Araguaia a leste, e o rio Xingu e Kuluene a oeste, chegando a atingir até 700 metros de altitude em alguns pontos.

A região da Serra do Roncador é, até hoje, a mais desconhecida da selva sul-americana. Uma imensa cordilheira da era plutônica que se ergue como divisor de águas do Araguaia e do Xingu. Estende-se por cerca de 800 km, aproximadamente, desde Barra do Garças, no Mato Grosso até as proximidades da Serra do Cachimbo, no estado do Pará.

O nome "roncador" vem do fato do vento passar pelos paredões rochosos durante a noite, produzindo um som grave que se assemelha ao ronco de uma pessoa dormindo.

Misticismo[editar | editar código-fonte]

No coração do Brasil existe uma região que é cercada de lendas, misticismo e enigma que atraem pesquisadores de todas as partes do planeta. A Serra do Roncador é uma área muito valorizada por pesquisadores e místicos. Foi o explorador inglês, o coronel Percy H. Fawcett, que deu fama a Serra do Roncador como sendo um local místico e especial, revestido de profundos mistérios, quando organizou uma expedição à região, em 1925. O coronel, inspirado por uma visão espiritualista e iniciado em rituais tibetanos, acreditava que a cidade perdida de Eldorado estava sob as montanhas que formam o Roncador. Aventurou-se pela serra e desapareceu misteriosamente.

Uns dizem que Fawcett foi morto e enterrado pelos índios Xingu, enquanto outros contam que ele teria encontrado a tal civilização, através de um portal que se abre em certas ocasiões, como o alinhamento de astros, e nunca mais voltou.

Em 1951, o sertanista Orlando Villas Boas chegou a divulgar que havia encontrado seus ossos, mas tratava-se de um engano. Uma dúzia de expedições já falharam em encontrá-lo e mais de 100 pessoas já morreram tentando.

Ainda hoje, perdura no entender de alguns místicos, a teoria de que esta passagem existe. Assim como diversas outras que estão espalhadas nos subterrâneos do País.

No meio da serra há um lago chamado de "O Portal". Essa lagoa é misteriosa por possuir águas extremamente cristalinas e não haver nenhum ser vivo dentro dela. Segundo a crença esotérica, deve-se mergulhar nesta lagoa para se ter acesso à Atlântida. Outro acesso seria uma enorme rocha de cristal perfeitamente redonda e transparente, medindo aproximadamente 10 metros de diâmetro. Os ancestrais dos índios Xavantes utilizavam essa rocha como espelho.

Os místicos fundaram o "Monastério Teúrgico do Roncador", e eles acreditam que lá exista um portal, e que quando há alinhamento de astros, o portal está aberto, permitindo a entrada. Nesse "mundo" as pessoas são muito desenvolvidas, tanto espiritualmente quanto tecnologicamente, e sobrevivem porque existe um sol interior que ilumina o centro da Terra. O sol mede 960km e um dia alguns desses seres viriam a terra para tomar posse dela.

Expedição Nayan Roncador - 19 a 27 de julho de 2013[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2013 um grupo de pesquisadores da Universidade Livre Nayan de Araçoiaba da Serra, São Paulo, realizaram uma Expedição Espiritual à Serra do Roncador a seguir os caminhos vividos pelos nossos ancestrais e com isso realizar conexões internas através de meditações, também aprender com a rica natureza, em planos mais elevados de consciência.

Caverna da Gratidão

Caverna da Gratidão, descoberta em 22 de julho de 2013 pela Expedição Espiritual Nayan Roncador, realizado pela Universidade Nayan de Araçoiaba da Serra do estado de São Paulo. Localizada na Serra do Roncador no Mato Grosso.
Parte superior da Caverna da Gratidão, visitada pela primeira vez, depois de nossos ancestrais, pela Expedição Nayan Roncador da Universidade Livre Nayan de Araçoiaba da Serra em SP.

Nesta expedição descobriu-se uma caverna, até então desconhecida na era moderna, designando-a com o nome de "Caverna da Gratidão". A sua abertura é uma fenda estreita e alta, com aproximadamente 60 m de profundidade e em alguns pontos uma altura de uns 12 m. A largura na entrada é de aproximadamente 50 cm e variando de 40 cm até 1,5 m.

Parte superior da Caverna da Gratidão, visitada pela primeira vez, depois de nossos ancestrais, pela Expedição Nayan Roncador da Universidade Livre Nayan de Araçoiaba da Serra em SP.
Grupo da Expedição da Universidade Livre Nayan no interior da Caverna da Gratidão, na Serra do Roncador, MT, pela primeira vez desde tempos ancestrais.
Bloco de rocha chamado de Portal do Roncador, atrás do qual se encontrou um espaço chamado Jardim do Silêncio

Jardim do Silêncio

Vista pela entrada lateral direita
Vista entrada lateral esquerda

Outro local descoberto por esta expedição foi um espaço oculto por trás de um enorme bloco de rocha, conhecido como portal. Este portal somente era visto do alto de um mirante a alguns quilômetros do local. Da pousada, no pé da Serra do Roncador caminharam por quase dois dias para chegarem ao local. A pedra chamada de portal tem um formato retangular, medindo aproximadamente 50 metros de altura por uns 30 metros de largura e uns 10 metros de espessura Este bloco, visto de longe, de um mirante ao longe, parecia cravado ou colado na montanha como apenas um alto relevo, porém ao se aproximar de sua lateral, avistou-se uma grande passagem e ali um grande espaço medindo aproximadamente 15 metros por 20 metros, todo plano, e pouca vegetação. Algumas árvores longas, com suas copas a uns 10 metros de altura, sem galhos até a copa. Este local, atrás do portal tem portanto duas aberturas em suas laterais e olhando para o alto, em seu interior, tem-se a visão do gigantesco bloco encostado na parede de rocha da montanha. Nas paredes rochosas pode-se ver as camadas formada pelo tempo. Este local, de muita paz foi designado pelo grupo da Universidade Nayan como "Jardim do Silêncio".

Jardim do Silêncio, descoberto em 22 de julho de 2013 pela Expedição Espiritual Nayan Roncador, realizado pela Universidade Nayan de Araçoiaba da Serra do estado de São Paulo. Localizada na Serra do Roncador no Mato Grosso. Trata-se de um espaço localizado atrás de um gigantesco bloco de rocha retangular que aparentemente estava cravado na montanha; com esta pesquisa descobriu-se um espaço, como que um amplo salão, entre a placa de rocha e a montanha.
Vista interior da parte superior, onde a rocha chamada portal se apoia ou encosta na parede da montanha. Detalhe da copa de uma árvore.
Pátio formado atrás do Portal do Roncador, chamado de Jardim do Silêncio
Vista interior amplificada com lente especial, onde se percebe o encontro de apoio do portal com a montanha.

Fizeram parte desta expedição: O guia Mauro Ferreira da Silva (Maurinho do Roncador) e seu guia auxiliar Marcelo Sanches Okimoto e os pesquisadores da Universidade Livre Nayan: Alexandre Heitor Xavier de Barros, Álvaro Gabriel de Mello Cunha (Flame Pleidian), Anyeelli Moraes, Dan Carlo Ferrari (Zohá Centaurian), líder do grupo Davi Luis Bragagnolo (Awam Arcturian), Drausio Honorio Morais (Ayrã Arcturian), Edinei Roberto Teixeira (Atlan Órion), Eduardo Brandão Carneiro (Atma Pégasu), Elisa de Oliveira Cavenaghi, Ilana Lewinsohn (Huamy Aquarium), Lidiane A. Firmino da Silva (Shayra Pleidian), Lucia Freire (Amam Órion), Mary Rosalie Martins Lalli (Hygéia Pégasu), Matheus Ferreira Leite Piva (Karuna Antar), Ricardo Trevisioli Tibau, Saulo Leonardo Lalli (Aikun Auroram), Sidnei Cunha Junior (Niray Siriun) e Yan Freire Bragagnolo[carece de fontes?].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências