Teoria do significado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"teoria do significado" é um conceito filosófico.

Em filosofia existe dois tipos principais de "teoria do significado" . Entretanto, o termo teoria do significado tem figurado, de uma forma ou de outra, em um grande número de disputas filosóficas durante a última metade século XX. Infelizmente, este termo também tem sido usada para significar um grande número de coisas diferentes.[1]

"Teorias que explicam, ou não, os significados das expressões de uma linguagem."

O primeiro tipo de teoria, uma teoria semântica, é uma teoria que designa conteúdos semânticos a expressões de uma língua. As abordagens de semântica podem ser divididas de acordo como elas atribuem ou não proposições aos significados das frases e, se o fazem, qual é a visão que elas nos levam a pensar sobre a natureza dessas proposições.

O segundo tipo de teoria, a teoria fundamental de sentido, é uma teoria que afirma os fatos em virtude da qual as expressões possuem o conteúdo semântico que elas possuem. As abordagens da teoria fundamental de significado podem ser divididas em teorias que explicam, e as teorias que não explicam, os significados das expressões de uma linguagem utilizada por um grupo em termos do conteúdo dos estados mentais dos membros desse grupo.

Dois tipos de teoria do significado[editar | editar código-fonte]

Filósofos não têm sido capazes de consistentemente manter as duas questões separadas. Eles concordam que há claramente uma distinção entre as questões "Qual é o significado do símbolo (para uma determinada pessoa ou grupo) disto ou aquilo?" e "Em virtude de quais fatos sobre a pessoa ou grupo que o símbolo tem esse significado?

Em "Semântica Geral", escreveu David Lewis:

Faço uma distinção entre dois temas: primeiro, a descrição de linguagens possível ou gramáticas como abstrata sistemas semânticos em que os símbolos estão associados a aspectos do mundo e, segundo, a descrição dos fatos psicológicos e sociológicos pelo qual um particular destes sistemas abstratos semântica é o utilizado por uma pessoa ou população. Confusão só vem de misturar esses dois tópicos. General Semantics Lewis, D. (1970)

Correspondendo as duas questões estão dois tipos diferentes de teoria do significado. Um tipo de teoria do significado, a teoria semântica, é uma especificação dos significados das palavras e frases de algum sistema de símbolos. Teorias semânticas, portanto, respondem à pergunta, "Qual é o significado desta ou daquela expressão?" Um tipo distinto de teoria, a teoria fundamental do significado, tenta explicar o que sobre alguma pessoa ou grupo dá aos símbolos de sua língua os significados que eles têm. Para ter certeza, a forma de uma teoria semântica correta pode colocar restrições sobre uma correta teoria fundamental de sentido, ou vice-versa, mas isso não muda o fato de que as teorias semânticas e teorias fundamentais são simplesmente diferentes tipos de teorias, concebida para responder a diferentes perguntas.[2]

Vale a pena notar que uma tradição de destaque na filosofia da linguagem nega que há fatos sobre os significados das expressões lingüísticas.[3] [4] Se esse tipo de ceticismo sobre o significado está correto, então não há nem uma verdadeira teoria semântica e nem uma verdadeira teoria fundamental do significado a ser encontrada, uma vez que o tipo de fatos relevantes simplesmente não estão ao redor para poderem ser designados ou analisado.[5]

Teorias semânticas: incluem teorias de semântica proposicional, e teorias de semântica não-proposicional[editar | editar código-fonte]

[6]

"Semântica proposicional":
  • A teoria da referência[nota 1] [7]
  • Teorias das teorias de referência versus semântica[nota 2] [8]
  • Relação entre conteúdo e referência [9]
  • Caráter e conteúdo, contexto e circunstância [10] [11] [12]
  • Semântica dos mundos possíveis [13]
  • Proposições russellianas [14]
  • Proposições fregenianas [15] [16] [17]
"Semântica não-proposicional":

Teorias fundamentais de significado: incluem teorias mentalísticas e não-mentalísticas[editar | editar código-fonte]

"Mentalísticas":
"Não-mentalísticas":

Teóricos importantes[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Ensaios Montague estão coletados em Montague 1974; para uma discussão sobre a importância de seu trabalho, em § 3.3 do Soames (2010).
  2. Exemplo famoso da "Estrela da Manhã e Estrela Vespertina" discutido por Frege
  3. Para a discussão crítica dessa teoria e o tipo de análise do significado, veja Hawthorne 1990, Laurence 1996, e Schiffer 2006.
  4. Para uma discussão desse tipo de teoria, ver Laurence (1996).
  5. Proponentes da teoria causal: Veja discussão de Sterelny e Devitt (1987).
  6. A visão de que o significado é um produto de normas sociais tem uma longa história, é particularmente associada com o trabalho de Wittgenstein e seus descendentes filosóficos. (Veja especialmente Wittgenstein 1953.)

Referências

  1. http://www.colorado.edu/communication/meta-discourses/Papers/App_Papers/Erickstad.htm
  2. Theories of Meaning por Jeff Speaks Universidade de Notre Dame (2010)
  3. Quine, W.V.O., Word and Object, Cambridge, MA: MIT Press.(1960)
  4. Kripke, S., Wittgenstein on Rules and Private Language: An Elementary Exposition, Cambridge, MA: Harvard University Press.(1982)
  5. Soames, S., “Skepticism About Meaning: Indeterminacy, Normativity, and the Rule-following Paradox,” Canadian Journal of Philosophy #23: pg. 211–249. (1999)
  6. Lewis, D., 1970, “General Semantics,” Synthese 22: 18–67
  7. Soames, S., 1988, “Direct Reference, Propositional Attitudes, and Semantic Content,” in Propositions and Attitudes, Salmon, N., and Soames, S. (eds.), Oxford: Oxford University Press
  8. Quine, W.V.O., Philosophy of Logic, New Jersey: Prentice Hall (1970).
  9. Kamp, H., “Formal Properties of ‘Now’,”Theoria (1971)
  10. Kaplan, D., “Demonstratives,” in Themes from Kaplan, Almog, J., Perry, J., and Wettstein, H. (eds.), Oxford: Oxford University Press(1989)
  11. Lewis, D., “General Semantics,” Synthese (1970).
  12. Perry, J., “Languages and Language,” in Language, Mind, and Knowledge, Gunderson, K. (ed.), Minneapolis: University of Minnesota Press (1975)
  13. Stalnaker, R., Inquiry, Cambridge, MA: MIT Press (1984).
  14. Russell, B., The Principles of Mathematics, Cambridge University Press (1903)
  15. Frege, G., 1879, Begriffschrift, in Beaney (1997), 47–79
  16. Frege, G.(1892), “On Sense and Reference,” in Translations from the Philosophical Writings of Gottlob Frege, Peter Geach and Max Black (eds.), Oxford: Basil Blackwell, (1960)
  17. Frege, G.(1892), “A Brief Survey of My Logical Doctrines,” in Beaney (1997).
  18. Davidson, D., 1967, “Truth and Meaning,”reimprisso em (1984),
  19. Chomsky, N., New Horizons in the Study of Language and Mind, Cambridge: Cambridge University Press(2000)
  20. Meaning (1957), Intention and uncertainty (1971), Logic and conversation (1975), Pressuposition and conversational implicature (1981) por H. P. Grice
  21. Burge, T., “On Knowledge and Convention,” Philosophical Review, 84(2): 249–255 (1975).
  22. Stich, S. and Warfield, T., Mental Representation: A Reader,, Cambridge, MA: Basil Blackwell (1994)
  23. Schiffer, S., Meaning, Oxford: Oxford University Press (1972)
  24. Schiffer, S., Remnants of Meaning, Cambridge, MA: MIT Press. (1987)
  25. .Kripke, S., Naming and Necessity, Cambridge, MA: Harvard University Press.(1972)
  26. Davidson, D., 1967, “Truth and Meaning,”reprinted in Davidson (1984).
  27. Davidson, D., 1974, “On the Very Idea of a Conceptual Scheme,” reprinted in Davidson (1984)
  28. Davidson, D., Truth and Predication, Cambridge, MA: Harvard University Press. (2005)
  29. .Horwich, P., Meaning, Oxford: Clarendon Press. (1998)
  30. Brandom, R., Making It Explicit, Cambridge, MA: Harvard University Press. (1994)
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.