The Caves of Steel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

The Caves of Steel (As Cavernas de Aço, que no Brasil foi publicado pela primeira vez com o título Caça aos Robôs pela antiga Editora Hemus, na década de 80) é um livro de ficção científica escrito por Isaac Asimov e publicado originalmente em 1954.

As Cavernas de Aço é essencialmente uma estória de detetive, e ilustra uma idéia que Asimov pregava, que a ficção científica pode ser usada por qualquer genro literário, em vez de se limitar em si mesma. No livro Asimov's Mysteries, ele declara que escreveu o romance em resposta à declaração do editor John W. Campbell, que disse que mistério e ficção científica eram genros incompatíveis. Campbell declarou que o escritor de ficção científica pode inventar "fatos" em seu futuro imaginário que o leitor não saberia. Asimov contradiz ele, dizendo que existem regras implícitas na arte de escrever mistérios, e as pistas podem estar no enredo, mesmo se elas não forem óbvias, ou deliberadamente ofuscadas. Ele continuou à escrever mistérios em ambas os modelos de romance e estórias curtas, assim como mistérios dominantes tal como o Murder at the ABA, que não é ficção científica.

O livro foi primeiramente publicado como uma série em Galaxy Science Fiction, de outubro à dezembro de 1953. Um livro de capa dura foi publicado por Doubleday em 1954.

Uma adaptação para à televisão, foi produzida pela BBC e foi ao ar em 1964: somente alguns trechos existem. Em julho de 1989, o livro foi adaptado por Bert Coules, como uma rádio novela para a BBC, com Ed Bishop no papel de Elijah Baley e Sam Dastor como R. Daneel Olivaw.

Introdução ao enredo[editar | editar código-fonte]

Neste romance, Asimov introduz Elijah Baley e R. Daneel Olivaw, mais tarde seu personagem predileto. Eles vivem mais ou menos três mil anos no futuro da Terra, em um tempo que viagens hiperespaciais foram descobertas, e alguns mundos próximos à Terra foram colonizados — cinquenta planetas conhecidos como "mundos dos Spacers". O mundo Spacer é rico, tem pouca densidade populacional (média populacional de cem milhões cada), e usam bastante robôs para o trabalho. Enquanto isso, a Terra é superpovoada (com uma população total de oito bilhões), e regras estrítas contra robôs foram aprovadas. O homônimo "cavernas de aço" são vastos complexos de cidades cobertas por enormes redomas de metal, capazes de suportar dezenas de milhares cada; a Nova Iorque dessa era (onde a maior parte da estória se passa), engloba a Nova Iorque do presente mas uma grande parte de Nova Jersey.

Asimov imagina o trânsito subterrâneo do presente conectado com shoppings centers e prédios de apartamento, até que ninguém mais nunca deixa as redomas, e à maioria da população sofre de Agorafobia extrema. Embora as séries Robôs e Fundação não sejam consideradas parte do mesmo universo ficcional até bem depois, as "cavernas de aço" se assemelham à Trantor.

Em As Cavernas de Aço e em suas sequências (a primeira sendo Os Robôs), Asimov pinta uma situação sombria da Terra, lidando com com uma população extremamente grande, e os buscadores de luxo, Spacers, que limitam nascimentos para permitir mais riqueza e privacidade. Asimov, que descrevia a si mesmo como claustrofóbico, mencionou que um leitor perguntou-lhe como ele poderia ter imaginado esse tipo de existência sem a luz do sol, e relatou que até aquele momento ele não tinha reparado nisso, que viver perpetuamente dentro de uma redoma pode ser interpretado como desagradável.

Resumo do enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O crime central do livro é um assassinato que acontece antes da estória começar (isso é uma marca registrada de Asimov, que ele atribuiu à seus próprios escrúpulos e pelo conselho de John Campbell, para começar a estória o mais tarde possível). A vítima é Roj Nemmenuh Sarton, um embaixador Spacer que vive em Spacetown, um ponto avançado Spacer ao lado da cidade de Nova Iorque. Por algum tempo, ele tentou convencer o governo da Terra à afrouxar suas restrições anti-robôs. Em uma manhã, ele é achado fora de sua casa, seu peito implodido por uma arma de raio (blaster). O comissário de polícia de Nova Iorque comanda Elijah à achar o assassino, em cooperação com um robô altamente avançado chamado R. Daneel Olivaw, que é visualmente idêntico à um humano.

Um aspecto interessante dos livros é o contraste entre Elijah, o detetive humano, e Daneel, o robô humanóide, que em particular Asimov usa o robô "mecânico" para inquirir sobre a natureza humana. Quando confronta um "medievalista" que teme que os robôs irão dominar a humanidade, Elijah argumenta que os robôs são inerentemente deficientes. Na conclusão da cena, R. Daneel argumenta que o assassino capturado seja tratado brandamente, dizendo aos seus companheiros humanos que "a destruição do mal é menos desejável do que a conversão do mal em bem". Citando a "Perícope da Adúltera" (em latim:Pericope Adulterae; que Elijah introduziu à Daneel mais cedo na estória), Daneel diz ao assassino, "Vá, e não peque mais!"

Personagens[editar | editar código-fonte]

Abaixo está uma lista dos principais e menos principais personagens do livro, em ordem de aparição, com detalhes do enredo.

  • Elijah “Lije” Baley: Um oficial de polícia à paisana que trabalha na Terra. Ele é chamado para resolver o assassinato.
  • Vince Barrett: Uma jovem mulher de quem o emprego foi tomado por R. Sammy.
  • R. Sammy: Um robô designado para o Departamento de Polícia.
  • Julius Enderby: Comissário de Polícia da cidade de Nova Iorque, que designa Baley para o caso do assassinato.
  • Jezebel “Jessie” Navodny: A esposa de Baley.
  • Roj Nemennuh Sarton: Um roboticista Spacer assassinato com uma arma de raio. Baley é designado para investigar sua morte.
  • R. Daneel Olivaw: Parceiro de Baley, um robô humanoide criado à semelhança de Sarton.
  • Bentley Baley: Filho de Baley.
  • Han Fastolfe: Um roboticista de Aurora, um mundo Spacer, que acredita que os Spacers e os moradores da Terra precisam trabalhar juntos para colonizar a galáxia e sobreviver no futuro.
  • Dr. Anthony Gerrigel: Um roboticista de Washington quem Baley chamou.
  • Francis Clousarr: Um nova-iorquino que foi preso por incitar uma revolta contra os robôs dois anos antes. Daneel identifica ele presente em dois incidentes.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Uma adaptação de As Cavernas de Aço foi feita pela BBC2 em 5 de junho de 1964, como parte de uma antologia vertente chamada Story Parade, que se especializou em adaptações de romances modernos. Foi estrelado por Peter Cushing como Elijah Baley e John Carson como R. Daneel Olivaw. A adaptação foi uma ideia da editora de scripts de Story Parade, Irene Shubik, que era uma entusiasta em ficção científica e fã em particular de Asimov, que uma vez se referiu a ele como "um dos homens mais interessantes e divertidos que já conheci". Shubik tinha planejado e editado o script da série antológica de ficção científica Out of this World que já tinha adaptado uma estória curta de Asimov, Little Lost World, em 1962. A adaptação do romance foi dado à Terry nation, que já nessa época tinha recentemente encontrado fama e fortuna como o criador dos populares Dalek, monstros da série de ficção científica Doctor Who.

O roteiro foi bem fiel ao enredo do livro. O único grande desvio foi a conclusão — na versão da TV o assassino comete suicídio quando ele é descoberto, embora no livro ele concorde em ajudar à convencer os medievalistas a mudarem o seu jeito de pensar. Outro grande desvio foi que o Dr. Gerrigal é um personagem feminino na série de TV.

O sucesso de As Cavernas de Aço levou Irene Shubik à criar uma série de ficção científica antológica, Out of the Unknown, durante o qual ela supervisionou a adaptação de mais seis estórias de Asimov, incluindo a sequência de As Cavernas de Aço, Os Robôs.