Thin White Duke

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bowie como o duque no Maple Leaf Gardens, Toronto 1976
No O'Keefe center.

The Thin White Duke ("Duque Magro e Branco", em português) foi a grande última persona musical de David Bowie, associada principalmente ao seu álbum Station to Station, de 1976, e o nome desta personagem é referido na faixa com o mesmo título do álbum. À primeira vista, o "Duke" parecia mais "normal" do que as anteriores encarnações de Bowie, pois usava um vestuário estilizado de cabaret, mas as quantidades massivas de cocaína que a estrela de rock consumia durante aquele período tornaram a sua personalidade, ou pelo menos a personalidade que ele exibiu durante entrevistas, mais perturbante do que alguma vez havia sido. Nesta altura disse que vivia de "malaguetas, cocaína e leite"1 .

Impecavelmente vestido com uma camisa branca, calças pretas e colete, o "Duke" era um homem vazio que cantava canções de amor com uma intensidade desesperada, enquanto nada sentia, "gelo mascarado de fogo".2 A personagem tem sido descrita como "um aristocrata demente"3 , "um zombie amoral" 4 e "um super-homem ariano sem emoção".5 Para o próprio Bowie, o "Duke" era "de facto uma personagem desagradável"6 , e mais tarde, "um monstro, para mim".7
Como o seu vício tinha corroído a sua saúde física e mental, Bowie decidiu mudar-se de Los Angeles para Paris e, depois, para Berlim Ocidental, onde começou a gravar a inovadora Trilogia de Berlim (Low, Heroes e Lodger), com Brian Eno.
Esta personagem inspirou grandemente David Sylvian na criação do seu estilo nos tempos de Japan.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. "David Buckley (1999). Strange Fascination - David Bowie: The Definitive Story: pp.258-275"
  2. a b Carr & Murray (1981): pp. 78–80.
  3. a b Carr & Murray (1981): pp. 78–80.
  4. Buckley (2000): p. 258.
  5. Pegg (2004): pp. 297–300.
  6. Wilcken (2005): p. 24.
  7. Timothy White (February 1978) - Article in Crawdaddy: Turn and face the strange