Udi (povo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Udi
(Удины)
População total

10.000

Regiões com população significativa
 Azerbaijão 4 100 [1]
 Rússia 3 721 [2]
 Geórgia 300 [3]
 Arménia 200 [4]
Línguas
Udi
Religiões
Cristianismo

O povo udi (também chamado uti) é um dos mais antigos povos do Cáucaso.[3] Sua residência histórica é o atual território do Azerbaijão, mas eles também vivem atualmente na Rússia, Geórgia, Armênia, Cazaquistão, Ucrânia e outros países ao redor do mundo. Os udi são descendentes diretos dos albaneses caucasianos. Falam a língua udi e professam o Cristianismo Ortodoxo.[3]

Nome[editar | editar código-fonte]

Desde tempos remotos este povo é conhecido pelo nome udi (ou uti). Eles são uma das tribos da Albânia do Cáucaso e seguidores diretos da tradição linguística deste território.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Pela primeira vez, o povo udi foi mencionado por Heródoto em sua famosa obra "História" (século V a.C.). Descrevendo a batalha de Maratona (entre gregos e persas, no ano 490 a.C.), o autor indicava que no exército persa lutavam também os soldados udi. O este grupo étnico também é mencionado na obra "Geografia", do escritor da Grécia Antiga Estrabão (século I a.C.), durante a descrição do Mar Cáspio e da Albânia Caucasiana.

O termo étnico udi foi citado pela primeira vez na obra História Natural, do autor romano Plínio (século I a.C.). Existem algumas notícias acerca do povo udi nas obras de Caio Plínio Segundo (século I), de Cláudio Ptolemeu, de Gaius Asinius Quadratus e de muitos outros autores antigos. Desde o século V a.C., o povo udi tem sido mencionado frequentemente em fontes armênias. A informação mais ampla contém a obra História do país de Aluank, de Movses Cagankatvatsi.[6] Os udi foram um dos povos criadores da Albânia Caucasiana e também governaram o local.[7]

Não é casual que ambas as capitais, Quabalá e Barda (Partav), se encontrassem no território histórico do povo udi. No passado, este povo habitava um território bastante amplo: desde a costa do Mar Cáspio até as montanhas do Cáucaso, nas margens esquerda e direita do Rio Kura. Depois da conquista da Albânia Caucásica pelos udi, sua população começou a diminuir pouco a pouco.

Segundo o linguista famoso e pesquisador da língua udi V. Shultse, os udi ocidentais tiveram que abandonar Nagorno-Karabakh e estabelecerem-se no povoado de Nidj, para resistirem à armenização.[8]

A conversão para a tradição armênia de monofisismo posteriormente afetou a população Aluan-Udi na Montanha Karabakh, e suas tradições foram unidas às dos povoados armênios. Como resultado, um grupo de falantes do idioma udi ocidental migraram para o nordeste e estabeleceram-se na região de Nizh, onde sua língua foi submetida a importantes mudanças sob a influência do povo udi oriental.

Atualmente, pessoas desta etnia vivem em Nidj e Oguz (Vartashen), no Azerbaijão, e em Zinobiani (emigrantes de 1922 de Vartashen), na Geórgia. Há até pouco tempo, o povo udi vivia também em Mirzabeyli, Soltan-Nuja, Djourlu, Mijlikuvax, Bayan, Vardanli, Kirzan, Malij, Yenikend e em outros locais, mas atualmente estes foram assimilados pelos azeris.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]