Zona batipelágica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
As camadas da zona pelágica.

Zona batipelágica (do grego βαθύς (bathýs), profundo), zona batial ou andar batial, é a camada da zona pelágica que se estende da profundidade de 1000m a 4000m abaixo da superfície do oceano. A temperatura média nesta camada é de 4°C. A pressão se aproxima dos 5800 PSI, o equivalente a uma caminhonete grande em cima de cada polegada quadrada do corpo humano.[1]

Esta região pertence à zona afótica, por isso, os organismos que aqui vivem são independentes de seres fotoautotróficos. Abaixo desta zona encontram-se a zona abissal e a zona hadal, correspondentes, respetivamente, às planícies abissais e fossas abissais. Acima dela fica a zona mesopelágica. Como a luz do sol não atinge esta camada, não existe produção primária de alimentos.

Por causa da ausência de luz, algumas espécies não possuem olhos; entre aquelas que os possuem pode ser citado o tubarão-cobra. Muitas formas de nécton vivem nesta zona, tais como a lula, grandes baleias e o polvo. Esponjas, braquiópodes, estrelas-do-mar e equinoides também são comuns.

Em biologia marinha chamam-se batipelágicos os animais aquáticos que nadam livremente em águas de grandes profundidades, correspondentes à zona batial, sem nunca se aproximarem da superfície do oceano.

O termo vem de uma divisão do domínio pelágico em zonas de profundidade[2] .


Referências

  1. History.com. Universo submarino: Pressão fatal. [S.l.: s.n.]. Ep. 3 pp.
  2. site do Departamento de Botânica da Universidade de Coimbra, Portugal. Breve caracterização do meio marinho. Página visitada em 30 de junho de 2009.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.