Diferenças entre edições de "Fantologia"

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Criada por tradução da página "Hauntology")
(Sem diferenças)

Revisão das 15h49min de 2 de agosto de 2021

 

Hamlet, Príncipe da Dinamarca, Ato I, Cena IV de Henry Fuseli (1789)

Fantologia (uma aglutinação de fantasma e ontologia[nota 1])[1][2] é um conceito que se refere ao retorno ou persistência de elementos do passado, como na forma de um fantasma. É um neologismo introduzido pela primeira vez pelo filósofo francês Jacques Derrida em seu livro de 1993, Spectres de Marx [fr] . Desde então, tem sido invocado em campos como artes visuais, filosofia, música eletrônica, política, ficção e crítica literária.[3]

Derrida usou o termo para se referir à natureza atemporal do marxismo e sua tendência de "assombrar a sociedade ocidental desde o além-túmulo". [4] Descreve uma situação de disjunção temporal e ontológica em que a presença é substituída por uma não origem diferida.[3] O conceito é derivado de seu método desconstrutivo, em que qualquer tentativa de localizar a origem da identidade ou da história deve inevitavelmente tornar-se dependente de um conjunto sempre-já [en] existente de condições linguísticas.[5] Apesar de ser o foco central de Spectres de Marx, a palavra fantologia aparece apenas três vezes no livro, e há pouca consistência na forma como outros escritores definem o termo.[6]

Na década de 2000, o termo foi aplicado a músicos pelos teóricos Simon Reynolds e Mark Fisher, que, segundo se dizia, exploravam ideias relacionadas à disjunção temporal, retrofuturismo, memória cultural e persistência do passado.

Spectres de Marx

"Fantologia" se origina da discussão de Derrida sobre Karl Marx em Spectres de Marx, especificamente a proclamação de Marx de que "um fantasma está assombrando a Europa - o fantasma do comunismo" no Manifesto Comunista. Derrida invoca o Hamlet de Shakespeare, particularmente uma frase dita pelo personagem titular: "o tempo está fora do comum".[5] A palavra funciona como um quase homófono deliberado para "ontologia " no francês nativo de Derrida (cf. "Hantologie" ,[ɑ̃tɔlɔʒi] e "ontologie" ,[ɔ̃tɔlɔʒi] ).[7]

O trabalho anterior de Derrida em desconstrução, em conceitos de trace e différance em particular, serve como base para sua formulação de Fantologia,[3] fundamentalmente afirmando que não há ponto temporal de origem pura, mas apenas um "presente sempre já ausente". [8] Seus escritos em Spectres são marcados por uma preocupação com a "morte" do comunismo após a queda da União Soviética em 1991, em particular depois que teóricos como Francis Fukuyama afirmaram que o capitalismo havia triunfado conclusivamente sobre outros sistemas político-econômicos e alcançado o "fim da história ".[5]

Apesar de ser o foco central de Spectres de Marx, a palavra Fantologia aparece apenas três vezes no livro.[6] Peter Buse e Andrew Scott, discutindo a noção de Fantologia de Derrida, explicam:

Fantasmas vêm do passado e aparecem no presente. No entanto, não se pode dizer que o fantasma pertence ao passado.... Então, a pessoa "histórica" identificada com o fantasma pertence ao presente? Certamente não, já que a ideia de um retorno da morte fratura todas as concepções tradicionais de temporalidade. A temporalidade a que o fantasma está sujeito é, portanto, paradoxal, ao mesmo tempo que 'voltam' e fazem sua estreia reveladora [...] qualquer tentativa de isolar a origem da linguagem encontrará seu momento inaugural já dependente de um sistema de diferenças linguísticas que foram instalados antes do momento 'originário' (11). [5]

Outros usos

Devido à dificuldade em compreender o conceito, há pouca consistência em como outros escritores definem o termo. [6]

Nos anos 2000, o termo foi adotado pelos críticos em referência aos paradoxos encontrados na pós-modernidade, particularmente a reciclagem persistente da cultura contemporânea da estética retrô e a incapacidade de escapar das velhas formas sociais.[5] Escritores como Mark Fisher e Simon Reynolds usaram o termo para descrever uma estética musical preocupada com esta disjunção temporal e a nostalgia de "futuros perdidos". [4] Os chamados músicos "hauntológicos" são descritos como exploradores de ideias relacionadas à disjunção temporal, retrofuturismo, memória cultural e a persistência do passado.[9][10][5]

Notas

  1. Original em francês: hantologie de hanter, "assombrar", e ontologie, "ontologia".

Referências

  1. Pinto, Moysés (2015). «A estranha instituição da literatura no multiverso dos espectros». Alea: Estudos Neolatinos: 114–126. ISSN 1517-106X. doi:10.1590/S1517-106X2015000100008. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  2. Generoso, Lídia Maria de Abreu (29 de julho de 2020). «A História e o fantasma da desconstrução». UFPE. CLIO: Revista de Pesquisa Histórica (1): 548–553. ISSN 2525-5649. doi:10.22264/clio.issn2525-5649.2020.38.1.21. Consultado em 2 de agosto de 2021 
  3. a b c Gallix, Andrew (17 June 2011). «Hauntology: A not-so-new critical manifestation». The Guardian  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. a b Albiez, Sean (2017). Bloomsbury Encyclopedia of Popular Music of the World, Volume 11. [S.l.]: Bloomsbury. pp. 347–349. ISBN 9781501326103. Consultado em 10 January 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. a b c d e f Fisher, Mark. «The Metaphysics of Crackle: Afrofuturism and Hauntology». Dance Cult 
  6. a b c Whyman, Tom (31 July 2019). «The ghosts of our lives». New Statesman. Consultado em 15 December 2019  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  7. «Half Lives». Consultado em 19 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 7 July 2007  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  8. The Languages of Criticism and The Sciences of Man: the Structuralist Controversy. Ed. by Richard Macsey and Eugenio Donato (Baltimore, 1970), p. 254
  9. Whiteley, Sheila; Rambarran, Shara (January 22, 2016). The Oxford Handbook of Music and Virtuality. [S.l.]: Oxford University Press  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Stone Blue Editors (Sep 11, 2015). William Basinski: Musician Snapshots. [S.l.]: SBE Media. pp. Chapter 3  Verifique data em: |data= (ajuda)

 

Leitura adicional

Ligações externas