Simon Reynolds

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Simon Reynolds
Nascimento 19 de junho de 1963 (59 anos)
Londres
Cidadania Reino Unido
Cônjuge Joy Press
Alma mater
Ocupação jornalista, crítico de música, escritor, blogueiro, music criticism

Simon Reynolds (nascido em Londres, 1963) é jornalista e um influente crítico de música, amplamente reconhecido por seus textos sobre música eletrônica e por ter cunhado o termo post-rock.

Reynolds tem escrito sobre uma vasta gama de artistas e gêneros musicais, além de ser autor de livros sobre o pós-punk e rock. Ele tem contribuído para a Melody Maker, The New York Times, Village Voice, Spin, The Guardian, Rolling Stone, The Observer, Artforum, New Statesman, The Wire, Mojo, Uncut, entre outros.

O jornalista também é autor da teoria do Hardcore continuum, que relata o desenvolvimento da dance music e música eletrônica no Reino Unido nos últimos 20 anos. Ele cresceu em Hertfordshire e se formou em História pela Brasenose College (Universidade de Oxford), em 1984.[1][2] No mesmo ano, Simon Reynolds co-fundou o jornal musical Monitor de Oxford com seus amigos e futuros colegas da Melody Maker Paul Oldfield e David Stubbs, juntamente com Hilary Little e Chris Scott.[3]

No inicio dos anos 2000, junto ao colega e crítico cultural Mark Fisher, ajudou a popularizar o conceito de hauntology,[4] de Jacques Derrida, descrevendo uma linha de música e arte popular preocupada com a temporalidade desarticulada e "futuros perdidos" da cultura contemporânea - em seu caso especial, aplicou o conceito principalmente à música.

Ele atualmente reside no East Village, Nova York, com sua esposa, Joy Press, e seus filhos, Kieran e Tasmine.

Teoria crítica[editar | editar código-fonte]

Reynolds tornou-se conhecido pela sua incorporação da teoria crítica em sua análise da música. Ele tem escrito muito sobre gênero, classe social, raça e sexualidade, e sua influência na música. em seu livro The Sex Revolts discute o sexo na música rock. Em seu estudo sobre a relação entre classe e música, Reynolds cunhou o termo liminal class (classe liminar), definida entre a alta classe trabalhadora e baixa classe média. Este seria o grupo responsável pela música com "muita energia", como punk, post-punk e correlatos[5].

A analise psicológica dos artistas também é uma marca de seu trabalho:

"O Pearl Jam é para o Nirvana o que o Clash era para os Sex Pistols. Como no caso do Clash, a visão de rock do Pearl Jam é humanista, calorosa, inclusiva e, por isso, profundamente tradicional."
Simon Reynolds.[6]
"E apesar de "afeto" ser possivelmente uma palavra estranha para se usar em referência a um grupo de niilistas, eu sinto afeto pelo povo "No Wave". As músicas de James Chance são realmente muito boas, e há grandes momentos em toda a discografia de Lydia Lunch. As canções do Suicide são bonitas."
Simon Reynolds

Reynolds também escreveu extensivamente sobre a cultura das drogas e sua relação com a música. Em seu livro, a "Geração Ecstasy", Reynolds analisou os efeitos das drogas sobre os altos e baixos da cena rave. A prova de seu interesse no tema podem ser encontrados em Geração Ecstasy, e em sua resenha sobre o filme Trainspotting, entre outras coisas.[7]

Reynolds foi influenciado por filósofos, bem como teóricos da música, incluindo:

Algumas vezes, utilizou os conceitos marxistas de fetichismo da mercadoria e falsa consciência para descrever as atitudes predominantes na cultura da música hip hop.[8]

Livros no Brasil[editar | editar código-fonte]

  • Beijar o céu. Trad. Camilo Rocha. São Paulo: Editora Conrad (2006). ISBN: 8576162121

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Blissed Out: The Raptures of Rock. London: Serpent's Tail (Aug. 1990). ISBN 1852421991.
  • The Sex Revolts: Gender, Rebellion and Rock 'N' Roll (com Joy Press). London: Serpent's Tail (Jan. 1995). ISBN 1852422548
  • Energy Flash: A Journey Through Rave Music and Dance Culture. United Kingdom: Palgrave Macmillan (2008). ISBN 978-0330454209
    • Hardcover ed. (abridged). Generation Ecstasy: Into the World of Techno and Rave Culture. Boston: Little, Brown (1998). ISBN 0316741116.
    • Softcover ed.: London: Routledge (1999). ISBN 0415923735.
  • Rip It Up and Start Again: Post Punk 1978-1984. London: Faber & Faber (Apr. 2005). ISBN 0571215696
    • U.S. ed.: Penguin (Feb 2006). ISBN 0143036726. Full text.
  • Bring The Noise: 20 Years of writing about Hip Rock and Hip-Hop. London: Faber & Faber (May 2007). ISBN 978-0571232079.
  • Totally Wired: Post-Punk Interviews and Overviews. London: Faber & Faber (Feb 2009). ISBN 978-0571235490.
    • U.S. ed.: Soft Skull Press (Sep 2010). ISBN 1593762860.
  • Retromania: Pop Culture's Addiction to Its Own Past. London: Faber & Faber (Jun. 2011). ISBN 978-0571232086
  • Shock and Awe: Glam Rock and Its Legacy, from the Seventies to the Twenty-First Century. London: Faber & Faber (Oct. 2016). ISBN 978-0571301713.
  • k-punk: The Collected and Unpublished Writings of Mark Fisher. Edited, with a foreword, by Darren Ambrose. Repeater Books (Nov. 2018). ISBN 978-1912248285.
  • Futuromania: Electronic Dreams from Moroder to Migos. Minimum fax (Nov. 2020). ISBN 978-8833890920.

Contribuições em livros[editar | editar código-fonte]

  • "Ecstasy is a Science: Techno-romanticism." In: Stars Don't Stand Still in the Sky: Music and Myth. Edited by Karen Kelly and Evelyn McDonnell. New York University Press in collaboration with Dia Center for the Arts (1999). ISBN 0814747264.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «REYNOLDS, Simon». Encyclopedia.com 
  2. «Simon Reynolds». Centre de Culture Contemporània de Barcelona (CCCB). 3 de abril de 2018 
  3. Stringfixer. «Simon Reynolds Bio» 
  4. No Brasil, pode ser encontrado em tradução para "fantologia", "assombrologia", "hauntologia", "rondologia" e "espectrologia".
  5. Perfect Sound Forever: "Simon Reynolds interview on post-punk"
  6. «RRAURL NO MORE». rraurl.com. Consultado em 20 de junho de 2021 
  7. «FindArticles.com | CBSi». findarticles.com. Consultado em 20 de junho de 2021 
  8. Reynolds, Simon. «Bring the Noise». Consultado em 20 de junho de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.